sábado, 30 de março de 2013

POSSÍVEIS ORIGENS DAS DESIGUALDADES SOCIAIS (2)

Para acompanhar este raciocínio é interessante ler o primeiro texto AQUI.

Continuando.

Nenhum grupo humano, numa terra dominada por desertos, produzia tudo o que precisava. Por isso o comércio e as constantes guerras pelo domínio da Palestina que, como dito no texto anterior, servia de corredor, de ligação entre o que conhecemos hoje como Ásia, Europa e África.

A necessidade de liderança é absolutamente natural em qualquer grupo. Nisso se estabelece naturalmente uma hierarquia. A necessidade de segurança coloca no topo quem tem força, poder de encarar o desafio. Concomitante e recorrente por toda a história temos a expansão de reinos. Alguns por mero desejo de poder, outros pela necessidade de dominar meios de produção e fontes de matéria prima como ferro e bronze. Grupos disputavam as terras mais férteis como no caso dos rios Tigres e Eufrates, foz do Nilo e rio Jordão. Tanto Egito quanto os antigos babilônicos fizeram canais para manter por mais tempo as águas do tempo das inundações.

Muito bem. Assim como hoje havia produtos mais fáceis de serem produzidos e outros mais raros, complexos etc. Ora, surge a ''lei'' da oferta e da procura. Quanto maior a oferta menor o valor e, quanto maior a demanda, maior o valor. Da mesma forma quem domina os caminhos de escoamento de produção domina o mercado. Pedágios surgem ("para passar por aqui vai ter que pagar"), inflação advinda da escassez (sazonal ou não), descobertas de novas formas de produção agrícola, novos produtos, novos mercados e novos equipamentos.

Nessa dinâmica é certo que uma mão-de-obra tem maior valor que outra e nem sempre quem produz pode vender o que produz sem o intermediário, aquele que consegue criar relacionamentos entre produtor e consumidor. Ora, quem está no comércio precisa, via de regra, buscar novos clientes e quem está focado nas necessidade de produção nem sempre terá essa condição. Nada diferente do que é hoje. Aumento de produção também faz surgir a necessidade de mais trabalhadores, aumento de custos etc. Um grupo que detinha o domínio de uma floresta, não seria necessariamente o mesmo que prepara a madeira e produz uma roda, tampouco conseguirá chegar, numa época daquelas, a todos os mercados.

Numa época de leis simples, em que o poder era pela força, de diversidade de línguas em pouco território, o que se pode ter senão escravos? É perfeitamente ''natural'' que pessoas fossem caçadas para se tornarem a força produtiva.

Bem, ouso dizer que não há outra origem para desigualdades que não seja essa. O mesmo se vê em todas as descobertas de todos os povos em todos os continentes.

A desigualdade é característica da nossa espécie. E dela jamais nos livraremos. Perde tempo quem fala em igualdade. O que podemos ter é uma sociedade em que o que menos tem pode sobreviver em condições dignas. Colocar o capitalismo como origem disso é uma bestialidade, tampouco ele é o problema. É nas relações de mercado que temos a solução pela sua distribuição de riqueza cada vez mais dinâmica e ampla.

Espero ter contribuído.

quinta-feira, 28 de março de 2013

COMO A PÁSCOA DEVERIA SER

Se um ritual é mudado, e este ritual é uma ordem divina, segundo seus seguidores confessam, fico cá pensando que engenharia foi criada que justifique, que explique, que faça entender o que se passa. E, principalmente, o que mais mudaram? Assim, é a Páscoa entre cristãos.

Antes que me xingue é bom ler como deveria se a Páscoa, festa máxima da cristandade, já que representa a Redenção, a vitória sobre a morte, conforme está em Êxodo 12. Digo como deveria ser porque não há no Novo Testamento nenhuma linha que diga para não ser assim, ou quais mudanças deveriam ocorrer. Em não  mudando permanece a ordem anterior. Isso é óbvio!

"E falou o SENHOR a Moisés e a Arão na terra do Egito, dizendo: Este mesmo mês vos será o princípio dos meses; este vos será o primeiro dos meses do ano. Falai a toda a congregação de Israel, dizendo: Aos dez deste mês tome cada um para si um cordeiro, segundo as casas dos pais, um cordeiro para cada família. Mas se a família for pequena para um cordeiro, então tome um só com seu vizinho perto de sua casa, conforme o número das almas; cada um conforme ao seu comer, fareis a conta conforme ao cordeiro.
O cordeiro, ou cabrito, será sem mácula, um macho de um ano, o qual tomareis das ovelhas ou das cabras.
E o guardareis até ao décimo quarto dia deste mês, e todo o ajuntamento da congregação de Israel o sacrificará à tarde.E tomarão do sangue, e pô-lo-ão em ambas as ombreiras, e na verga da porta, nas casas em que o comerem. E naquela noite comerão a carne assada no fogo, com pães ázimos; com ervas amargosas a comerão. Não comereis dele cru, nem cozido em água, senão assado no fogo, a sua cabeça com os seus pés e com a sua fressura. E nada dele deixareis até amanhã; mas o que dele ficar até amanhã, queimareis no fogo. Assim pois o comereis: Os vossos lombos cingidos, os vossos sapatos nos pés, e o vosso cajado na mão; e o comereis apressadamente; esta é a páscoa do SENHOR.
E eu passarei pela terra do Egito esta noite, e ferirei todo o primogênito na terra do Egito, desde os homens até aos animais; e em todos os deuses do Egito farei juízos. Eu sou o SENHOR. E aquele sangue vos será por sinal nas casas em que estiverdes; vendo eu sangue, passarei por cima de vós, e não haverá entre vós praga de mortandade, quando eu ferir a terra do Egito.
E este dia vos será por memória, e celebrá-lo-eis por festa ao SENHOR; nas vossas gerações o celebrareis por estatuto perpétuo.
Sete dias comereis pães ázimos; ao primeiro dia tirareis o fermento das vossas casas; porque qualquer que comer pão levedado, desde o primeiro até ao sétimo dia, aquela alma será cortada de Israel. E ao primeiro dia haverá santa convocação; também ao sétimo dia tereis santa convocação; nenhuma obra se fará neles, senão o que cada alma houver de comer; isso somente aprontareis para vós. Guardai pois a festa dos pães ázimos, porque naquele mesmo dia tirei vossos exércitos da terra do Egito; pelo que guardareis a este dia nas vossas gerações por estatuto perpétuo. No primeiro mês, aos catorze dias do mês, à tarde, comereis pães ázimos até vinte e um do mês à tarde. Por sete dias não se ache nenhum fermento nas vossas casas; porque qualquer que comer pão levedado, aquela alma será cortada da congregação de Israel, assim o estrangeiro como o natural da terra. Nenhuma coisa levedada comereis; em todas as vossas habitações comereis pães ázimos.
Chamou pois Moisés a todos os anciãos de Israel, e disse-lhes: Escolhei e tomai vós cordeiros para vossas famílias, e sacrificai a páscoa. Então tomai um molho de hissopo, e molhai-o no sangue que estiver na bacia, e passai-o na verga da porta, e em ambas as ombreiras, do sangue que estiver na bacia; porém nenhum de vós saia da porta da sua casa até à manhã. Porque o SENHOR passará para ferir aos egípcios, porém quando vir o sangue na verga da porta, e em ambas as ombreiras, o SENHOR passará aquela porta, e não deixará o destruidor entrar em vossas casas, para vos ferir. Portanto guardai isto por estatuto para vós, e para vossos filhos para sempre."

"E mandou a Pedro e a João, dizendo: Ide, preparai-nos a páscoa, para que a comamos." (Lucas 22:8)

Não há a menor diferença entre a razão da Páscoa hebreia e o que Jesus teria feito, sendo o "Cordeiro de Deus". Portanto, os cristãos seguem como sempre: não respeitando nem o que é básico. Ou, Deus mudou o sentido de ''estatuto perpétuo". Coisa que também não seria de todo estranho, já que ele mudou, e não foi pouco, do Velho para o Novo Testamento. Pois é, Deus muda!

quarta-feira, 27 de março de 2013

ATUAÇÃO PÍFIA DE GEOVÂNIA NA CÂMARA

Em vias de sair da Câmara de Vereadores, a vereadora Geovânia de Sá (PSDB), passou os três primeiros meses de atuação parlamentar para pouco ou quase nada. Janeiro foi de recesso, mas seria de se esperar que em fevereiro e março os projetos assinados por ela dessem retorno à expressiva expectativa gerada pelos seus mais de 5,6 mil votos. Ao contrário, Geovânia passa pela Câmara com uma atuação pífia, marcada apenas por fotos na tribuna da casa que coloca em seu perfil do Facebook. Falei demais? Então seguem os projetos por ela encaminhados:

PL nº 17/2013 - Dá nova redação aos Art. 1º da Lei 4.501, de 01 de junho de 2003: Art. 1º Fica instituída no Calendário Oficial Cultural do Município de Criciúma, a Festa da Missão – Mensageiros da Última Hora – da Igreja Evangélica Assembléia de Deus de Criciúma, que será realizada anualmente de acordo com o Calendário da Igreja Evangélica Assembleia de Deus";

PDL nº 4/2013 - Concede Título Honorífico de Cidadão Honorário de Criciúma a João Ceno Ohlweiler;

E mais cinco nomes de ruas.

Pela experiência que disseram ter foi pouco, muito pouco, quase nada.

O QUÊ SIGNIFICA GEOVANIA DE SÁ NA SAÚDE

O PSDB de Criciúma nos atochou durante quase um ano dizendo que o voto do povo tem que ser respeitado e que a Justiça não pode, muito menos outro partido, interferir no resultado de uma eleição. Ok! Agora a Geovania de Sá, com seus 5,6 mil votos, a maior votação da história da cidade, deixa de ser vereadora para ser secretária da Saúde. Cadê o respeito com a vontade soberana do eleitor?

Mas há mais a ser analisado neste exemplo. A coisa não se resume nisso.

Primeiro, não creio que o voto dado a vereador seja fruto de alguma consciência cívica, ou por conta de algum projeto etc. Pelo contrário, é um dos votos mais desqualificados de todo o processo eleitoral, em todas as instâncias. Muito semelhante ao de deputado federal.

Segundo, nunca dantes na história desse país eleitores reivindicaram respeito ao voto para vereador. Nunca! Não seria a primeira vez. Ou seja, o PSDB, sabendo disso, nem se preocupou com a situação. Nem esse nem qualquer outro partido.

Por fim, a lógica é que vereador e nada é a mesma coisa. Daí, ser secretário é como se houvesse a possibilidade de segurar a caneta junto com o prefeito. Seria demais imaginar que a ascensão da Geovania, sob o carinho do próprio Márcio Búrigo, não seja uma das formas de quebrar o esquema do Salvaro? Eu não tenho um segundo de dúvida que o PP quer o CS o mais longe possível. Ela, na secretaria da Saúde, sendo competente, elege-se para o que quiser e quando quiser. Arrisco em dizer que será capaz de migrar para o seio Progressista.

De qualquer forma, os tucanos criciumenses deram mais um retumbante exemplo que seu discurso de respeito valia apenas para eleger Salvaro em outubro e que, na realidade, nada têm de consideração pelo eleitor. Coisa comum!

Os reflexos disso na composição da Câmara e a atuação dela na secretaria ficam para outras postagens.




terça-feira, 26 de março de 2013

JEAN WYLLYS X OLAVO DE CARVALHO

Dentre várias discussões envolvendo o deputado federal do PSOL pelo Rio de Janeiro, Jean Wyllys, essa me parece emblemática, pois trata-se de um ''diálogo'' com um dos maiores filósofos vivos que temos o prazer de ter em nosso meio, como segue:


De: Jean Wyllys de Matos Santos < dep.jeanwyllys@camara.gov.br>
Data: 11 de julho de 2012 23:30
Assunto: Olavo de Carvalho, retrate-se ou serás processado!
Para: olavo@olavodecarvalho.org


Sr. Olavo de Carvalho, Vieram-me informações que vossa senhoria e o Deputado Estadual Flávio Bolsonaro, no programa True Outspeak de hoje, 12/07/2012, fizeram várias insinuações homofóbicas, caluniosas, difamatórias e injuriosas contra minha pessoa.
Pelo visto o Sr. não sabe o que é uma democracia, tendo em vista que sua pretensão é criar um Estado Fascista, pois buscas tolher toda e qualquer direito adquirido pelo povo LGBTS, que, através da minha legislatura, conseguiram o direito fundamental ao casamento e à adoção de crianças.
Durante o referido programa, ambos, além de todos os ataques homofóbicos, induziram o público a acreditar que sou o defensor da legalização da pedofilia - o que é totalmente mentiroso de sua parte. Defendo, sim, o direito de qualquer pessoa poder dispor do seu corpo da forma que bem entender - inclusive as crianças, pois estas têm as mesmas necessidades que os adultos e não são propriedades de ninguém. Suas declarações criminosas contra mim não ficarão impunes.
O Sr. e aquele deputado homofóbico utilizaram tal espaço para denegrir a imagem de um parlamentar que se destacou até hoje na luta pelos Direitos Humanos. O Código Penal pune, com rigor, todas estas condutas apresentada pelos senhores no programa, mesmo que tenha sido gravado nos Estados Unidos.
DOS CRIMES CONTRA A HONRA
Calúnia Art. 138 - Caluniar alguém, imputando-lhe falsamente fato definido como crime: Pena - detenção, de seis meses a dois anos, e multa. § 1º - Na mesma pena incorre quem, sabendo falsa a imputação, a propala ou divulga. § 2º - É punível a calúnia contra os mortos. Exceção da verdade § 3º - Admite-se a prova da verdade, salvo: I - se, constituindo o fato imputado crime de ação privada, o ofendido não foi condenado por sentença irrecorrível; II - se o fato é imputado a qualquer das pessoas indicadas no nº I do art. 141; III - se do crime imputado, embora de ação pública, o ofendido foi absolvido por sentença irrecorrível. Difamação Art. 139 - Difamar alguém, imputando-lhe fato ofensivo à sua reputação: Pena - detenção, de tr&ecirc ;s meses a um ano, e multa. Exceção da verdade Parágrafo único - A exceção da verdade somente se admite se o ofendido é funcionário público e a ofensa é relativa ao exercício de suas funções. Injúria Art. 140 - Injuriar alguém, ofendendo-lhe a dignidade ou o decoro: Pena - detenção, de um a seis meses, ou multa. § 1º - O juiz pode deixar de aplicar a pena: I - quando o ofendido, de forma reprovável, provocou diretamente a injúria; II - no caso de retorsão imediata, que consista em outra injúria. § 2º - Se a injúria consiste em violência ou vias de fato, que, por sua natureza ou pelo meio empregado, se considerem aviltantes: Pena - detenção, de três meses a um ano, e multa, além da pena correspondente à violência. § 3o Se a injúria consiste na util ização de elementos referentes a raça, cor, etnia, religião, origem ou a condição de pessoa idosa ou portadora de deficiência: (Redação dada pela Lei nº 10.741, de 2003) Pena - reclusão de um a três anos e multa. (Incluído pela Lei nº 9.459, de 1997) Disposições comuns Art. 141 - As penas cominadas neste Capítulo aumentam-se de um terço, se qualquer dos crimes é cometido: I - contra o Presidente da República, ou contra chefe de governo estrangeiro; II - contra funcionário público, em razão de suas funções; III - na presença de várias pessoas, ou por meio que facilite a divulgação da calúnia, da difamação ou da injúria. IV – contra pessoa maior de 60 (sessenta) anos ou portadora de deficiência, exceto no caso de injúria. (Incluíd o pela Lei nº 10.741, de 2003) Parágrafo único - Se o crime é cometido mediante paga ou promessa de recompensa, aplica-se a pena em dobro.
Portanto, filósofo-criminoso, espero que você, no próximo programa, se retrate, pois, caso contrário, acionarei meus advogados contra ambos, para que tal ofensa seja reparada através do recebimento de danos morais e da sua condenação na esfera criminal.
Exijo, para tal, o DOBRO do tempo destinado a falar de minha orientação sexual e meus projetos, para esta retratação, com pedido de desculpas e correção da informação, pois não sou defensor da pedofilia - aliás, sou um paladino no combate a este mal.
Meus votos de elevada estima e consideração.

Atenciosamente, Deputado Federal Jean Wyllys.

Resposta de Olavo de Carvalho


Prezado senhor,

Como o senhor deve ter percebido, a informação a que o senhor se refere foi fornecida pelo próprio Deputado Flávio Bolsonaro no programa True Outspeak de 11 de julho de 2012. Não vendo, naquele momento, motivo para duvidar do entrevistado, limitei-me a repeti-la. É a ele, portanto, e não a mim, que o senhor deve enviar sua reclamação antes de tudo.
Em todo caso, como é da minha obrigação jornalística, vou tentar conversar novamente com o sr. Bolsonaro, para ver se ele confirma ou desmente o que disse. Caso a informação seja realmente infundada, como o senhor alega, não terei a menor hesitação em pedir desculpas por havê-la divulgado, pois, como o senhor pode confirmar pelas palavras de apresentação repetidas em cada programa, a última coisa que desejo fazer ali é cometer injustiça contra quem quer que seja.
Qualquer que seja o caso, o senhor poderia me esclarecer qual a diferença, se existe, entre a liberação da pedofilia e a "liberdade de a criança dispor do seu próprio corpo", que o senhor defende? Tem o senhor a certeza sincera de que essa medida não incluirá, logicamente e necessariamente, a liberação da "pedofilia consentida"? Por exemplo, na perspectiva que o senhor defende, deve haver liberdade para que um marmanjo de 17 anos e 11 meses, legalmente menor de idade, tenha relações com um menino de cinco, seis ou sete anos, caso este o deseje ou consinta? Por favor, seja honesto: não tergiverse, responda "sim" ou "não".

Caso o senhor não consiga demonstrar logicamente que a sua proposta protege as crianças contra um caso desse tipo, ou que tais casos não constituem "pedofilia consentida", não haverá nenhum erro em considerá-lo um apologista da pedofilia ao menos consentida. O senhor pode me explicar a diferença, se é que alguma existe? Se quiser espaço para isso no meu programa, está à sua disposição, reservado o meu direito de comentar as suas declarações em seguida. Não sei se o senhor será louco de expor-se a semelhante vexame, mas, se quer mesmo, não vou contrariá-lo.
Aproveito a ocasião para desafiá-lo a mostrar uma linha da minha autoria, uma só, que advogue a implantação de alguma lei ou instituição fascista no Brasil. Caso o senhor não consiga fazê-lo, como de fato não o conseguirá, serei eu que tomarei a iniciativa de lhe exigir desculpas que, caso negadas, resultarão numa ação judicial contra a sua pessoa. 
Também não é demais informar, caso o senhor não saiba, que um sistema fascista, caracterizado pela partilha do poder entre um partido dominante e uns quantos grupos econômicos, pela uniformização ideológica da sociedade, pela constante intimidação das oposições e pelo controle estatal da vida privada, já está implantado no Brasil pelo governo que o senhor apóia. O senhor não tem a menor idéia do que é fascismo, e usa o termo a título de mero insulto, como criança que repete a esmo palavras cujo sentido desconhece.
Quanto às demais afirmações que proferi a seu respeito no programa, não retiro nenhuma. O senhor é mesmo muito feio e é pura presunção da sua parte imaginar que alguém possa ter atração, quanto mais "obsessão" pela sua pessoa. Quem provocou essa resposta foi o senhor mesmo, quando, num rompante de pura cafajestada, atribuiu a "homossexualismo enrustido" as críticas que eu fizera à sua resposta ao pastor Silas Malafaia,
Talvez o senhor não seja mesmo apologista da pedofilia, pelo menos forçada. Prometo averiguar. Mas uma coisa tenho, agora mais que nunca, a certeza de que o senhor é: semi-analfabeto. Sua carta prova-o acima de qualquer possibilidade de dúvida. 
Em tempo: achei linda a sua expressão "meus advogados". O senhor parece que tem muitos.

Quanto custam aos cofres públicos?


Atenciosamente,
Olavo de Carvalho

Se preferir o original: AQUI.

sexta-feira, 22 de março de 2013

ANTENOR CHUTA, MAS NÃO SOLTA O BALDE

Presidente do Criciúma, Antenor Angeloni, durante entrevista coletiva:

“Se não é o Angeloni, o Criciúma não é nada.”

“Tem que formar um clube com condições que a sociedade quer. Ninguém ajuda. Nós temos que gastar bastante, mesmo querendo ser econômico.”

Eu ainda não sei o porquê que um cara, nas condições dele, deixa de ficar curtindo em viagens por aí pra dar bola pra um bando de ''sem noção''. O futebol, do jeito que está, não passa de uma coisa bestializada, principalmente, pela maneira como o cidadão o encara. Não passa de um esporte. Sim, um esporte. Essa tal paixão é doentia, uma fuga da realidade, uma entrega ao nada. Horas e mais horas de discussões sobre o nada. Povo besta!

quinta-feira, 21 de março de 2013

O MIOJO DO ENEM

Os textos foram surgindo conforme fui lendo aqui e acolá. Então, seguem postagens que fiz no Facebook com o viés do ensino, da escolaridade e, enfim, da educação, começando por este do G1: Brasil tem a menor média de anos de estudos da América do Sul, diz Pnud. Adulto estuda em média 7,2 anos; MEC contesta e diz que média é 7,4. ONU divulgou dados do Índice de Desenvolvimento Humano nesta quinta.

Contudo, me chamou a atenção o comentário de Marcelo Rovaris Jorge: "A pergunta é, a quem interessa a desmoralização do ENEM???" Sobre isso comento após as postagens.

  • “Rasoavel”, “enchergar”, “trousse”. Esses são alguns dos erros de grafia encontrados em redações que receberam nota 1.000 no Exame Nacional de Ensino Médio 2012 (Enem). Durante um mês, O GLOBO recebeu mais de 30 textos enviados por candidatos que atingiram a pontuação máxima, com a comprovação das notas pelo Ministério da Educação (MEC) e a confirmação pelas universidades federais em que os estudantes foram aprovados. Além desses absurdos na língua portuguesa, várias redações continham graves problemas de concordância verbal, acentuação e pontuação. (O Globo)
  • E um rapaz coloca uma receita de Miojo em meio a um texto de prova do Enem sobre imigração ilegal, tira 560 de 1.000 pontos, e fica famoso!
  • De Gisele Federizzi Barcellos: "Pois é, pois é, pois é! inseri uma receita de bolo num trabalho de filosofia, de segundo grau. E recebi 10. Mostrei pro Professor e ele falou que o professor lê a introdução e a conclusão e dá a nota, não lê tudo porque tem muitos alunos..."
  • A Câmara dos Deputados analisa o Projeto de Lei 4870/12, que permite a estudantes maiores de 16 anos de idade, aprovados em processo seletivo para universidades públicas, ingressar na graduação, mesmo que não tenham terminado o ensino médio. A condição prevista pelo texto do deputado Gonzaga Patriota (PSB-PE) é a conclusão do segundo ano. (UOL)

Diante do exposto volto ao Marcelo. Se há alguém desmoralizando o ENEM é o próprio governo do PT ao deixar passar coisas absurdas. Contudo, diante do volume de provas o que vem à tona é mínimo. O que se pode supor é que muito mais poderia aparecer. Bem, o fato é que, com ou sem ENEM, o ensino no país é de péssima qualidade. Se quer está a altura do que era no Regime Militar. Perdemos o bonde da História, perdemos respeito pelos professores, perdemos disciplina dentro da sala de aula, perdemos, perdemos, perdemos...

GRUPO DE EDILSON MEDEIROS PODE CAIR

Por volta de 1995 um ex-mineiro, na época ainda ligado à Cooperminas por algumas razões, contou-me sobre a forma truculenta como era conduzida a empresa. Ele receava buscar seus direitos, temia por sua própria vida. Ameaças de arma na cintura era (ou ainda é) uma das formas mais comuns. O histórico da ''mineirada'' é um dos piores. Tudo o que fizeram em nada, ou quase nada, agregou valor positivo para a comunidade. Evidente que os trabalhadores das primeiras décadas eram quase escravos, mas isso não foi exclusividade desse segmento, era um momento do Brasil. Tampouco as mudanças resultaram de suas lutas, mas de uma condição do país.

Agora a coisa vai além. Há alguns meses a oposição ao grupo de José Paulo Serafim e Edilson Medeiros perdeu o comando do Conselho Administrativo, desde sempre sufocada. Ontem chegaram ao ápice da barbárie: bateram em um dos membros desse conselho. O fato é que, mais dia ou menos dia, o grupo que está à frente da empresa vai cair. Ninguém se eterniza no poder. A forma como conduzem a cooperativa, com um endividamento absurdo (por financiamentos de campanhas), sem qualquer espaço para a democracia que caracteriza o cooperativismo, os levará ao ostracismo. Em eles caindo quem os ajudará?

Espero que as ameaças e coercividade não façam a oposição retroceder. Pelo contrário, que tenham maior ânimo e lutem dentro da legalidade.

quarta-feira, 20 de março de 2013

DÉCIO GÓES: JUSTIÇA E INJUSTIÇA

Em meio à derrota do PMDB/PP na tentativa de impedir a diplomação de Décio Góes, como prefeito do Rincão, quero relembrar algumas coisas e pensar sobre os fatos recentes.

Para mim a ação de cassação do Décio, origem de tudo isso, em 2004, foi absolutamente injusta, mas dentro do que é Legal (com L maiúsculo porque se refere à legislação). Li o relatório à época do TRE. Contudo, a Justiça (poder judiciário) agiu dentro da Lei, com base nos autos. Há aqui uma boa discussão do que é justo ou injusto. Os que usaram da Lei, dado às irregularidades cometidas na gestão de Góes, e os autos demonstraram claramente que ilícitos foram cometidos, o fizeram na ânsia de poder, mas também com as ferramentas que o Estado de Direito lhes outorgou. Neste particular não podem ser condenados pela opinião pública.

Essa 'injustiça' se deu pelos erros cometidos que, julgo, não foram do Décio, mas um descuido de seus assessores. Os autos não me pareciam dar conta de que DG tinha consciência das ilicitudes ocorrendo dentro de sua administração. Tampouco poderiam influenciar no resultado das eleições. Neste sentido é que creio na injustiça, não como erro do judiciário, mas como uma punição severa demais para algo cuja dimensão era pequena, ao meu ver. Não havia ligação com atos administrativos, muito menos com desvios de recursos públicos. Foi um caso de estar contra detalhes legais, pois a Lei determina que não haja qualquer propaganda em espaços públicos - havia cartazes que de alguma forma promoviam sua administração em postos de saúde. Para domínio público saiu como o problema fosse a palavra 'feliz' numa música usada na festa das etnias. Também, mas teve mais coisas, igualmente pequenas.

A despeito de conceitos de justiça (senso do que é correto) o fato é que precisamos urgentemente primar pelo cumprimento da Lei. E, nesse sentido, as perdas pelos descuidos serão inevitáveis. Durante minha vida passei ouvindo que as leis eram ruins e que não eram cumpridas. Ora, diante de algo que justamente vem ao encontro de uma demanda do povo, insurgir-se contra isso é, no mínimo, incoerência. Além de tudo isso, viu-se o indeferimento de sua candidatura por três dias, a contar da condenação de 2004. Três dias! Foi o rigor da Lei que gerou a segunda eleição. Novamente uma perda inevitável.

Décio foi injustiçado? Sim e não. Olhar apenas pelo 'sim' é obtuso demais, tanto quanto pelo 'não'.

Outras ''injustiças'' veremos até que o cumprimento da Lei, pelos agentes públicos e privados, seja tão natural quanto pedir votos. Ainda não acostumamos com a ideia.

ADVOGADOS DESOBRIGADOS DE ASSISTIREM AOS POBRES


Senhores(as) Advogados(as)

Como é do conhecimento de todos, em 14/03/2012 o STF declarou inconstitucional a Lei Complementar Estadual 155/1997, que regulava a Defensoria Dativa no Estado de Santa Catarina; tal decisão teve vigência diferida em 12(doze) meses, quando deveria estar “em funcionamento órgão estadual de defensoria pública, estruturado de acordo com a constituição de 1988”.

O prazo concedido pelo Supremo Tribunal Federal exauriu-se e, embora já tenha sido sancionada lei criando a Defensoria Pública Estadual em SC, até o momento a estrutura física e de pessoal da mesma não foi totalmente implantada.

A OAB/SC tem se empenhado com afinco, tanto na tentativa de buscar solução para dívida relativa a Honorários que o Estado de Santa Catarina tem para com os Advogados, como para construir um convênio que garanta a continuidade dos atendimentos à população carente.

Embora tenhamos avançado nesses dois assuntos, até o momento não se construiu qualquer solução definitiva.

À vista do exposto, julgamos oportuno esclarecer o quanto segue:

1. A partir de hoje, 15 de Março de 2013, o modelo de Defensoria Dativa, regulado pela Lei 155/1997, está oficialmente declarado inconstitucional, bem como toda a sistemática de nomeação ou indicação de advogados até então vigente.

2. A OAB/SC não tem qualquer instrumento jurídico que lhe permita receber recursos financeiros do Estado e repassar aos advogados, relativos a processos que tenham se originado de indicações e nomeações ocorridas a partir de 15/03/2013.

3. Em função disso, a OAB/SC está gestionando junto ao TJSC a suspensão das funções de nomeações e indicações de advogados para novos processos, por falta de amparo legal.

4. Julgamos oportuno advertir aos colegas para que reflitam sobre a aceitação de novas indicações e/ou nomeações a partir de 15/03/2013, à vista da inexistência de qualquer instrumento legal em vigor que ampare a intervenção da OAB/SC no pagamento dos honorários fixados futuramente.

Florianópolis, 20 de março de 2013.

Tullo Cavallazzi Filho
Presidente da Seccional Catarinense da Ordem dos Advogados do Brasil

terça-feira, 19 de março de 2013

CRISTÃO TEM QUE ABOMINAR A HOMOSSEXUALIDADE

A coisa é mais complicada que as discussões que tenho acompanhado sugerem. O cristão, em tendo a Bíblia como sua regra de fé e conduta, não aceitará a homossexualidade, sequer aceitará o homossexual. Conforme está em Romanos capítulo 1, dentre outros trechos, a postura é radical mesmo. Confira no texto que segue:

"Pois mudaram a verdade de Deus em mentira, e honraram e serviram mais a criatura do que o Criador, que é bendito eternamente. Amém. Por isso Deus os abandonou às paixões infames. Porque até as suas mulheres mudaram o uso natural, no contrário à natureza. E, semelhantemente, também os homens, deixando o uso natural da mulher, se inflamaram em sua sensualidade uns para com os outros, homens com homens, cometendo torpeza e recebendo em si mesmos a recompensa que convinha ao seu erro. E, como eles não se importaram de ter conhecimento de Deus, assim Deus os entregou a um sentimento perverso, para fazerem coisas que não convêm; Estando cheios de toda a iniquidade  prostituição, malícia, avareza, maldade; cheios de inveja, homicídio, contenda, engano, malignidade; Sendo murmuradores, detratores, aborrecedores de Deus, injuriadores, soberbos, presunçosos, inventores de males, desobedientes aos pais e às mães; Néscios, infiéis nos contratos, sem afeição natural, irreconciliáveis, sem misericórdia; Os quais, conhecendo a justiça de Deus (que são dignos de morte os que tais coisas praticam), não somente as fazem, mas também consentem aos que as fazem." Romanos 1:25-32.

Como um não-cristão eu tenho entendimento diverso da Bíblia, a qual em nada pode ser tida como Palavra de Deus. Contudo, fica a questão: o sujeito considera a Bíblia como Palavra de Deus; portanto, acima de toda e qualquer Lei humana. A qual vai seguir? O texto expresso pelo apóstolo Paulo não dá margem nem para considerações, para ''achismos''. É o mais absoluto desprezo por quem sente atração sexual por seu próprio gênero. O que é descrito em Gênesis, dos capítulos 13 a 19, não deixa dúvidas da visão bíblica nesse particular, condenam homossexuais ao extermínio. Soma-se a estes "Assim como Sodoma e Gomorra, e as cidades circunvizinhas, que, havendo-se entregue à fornicação como aqueles, e ido após outra carne, foram postas por exemplo, sofrendo a pena do fogo eterno." (Judas 1.7)

Não resta a quem quer ser cristão outra postura senão a de condenação sumária da prática da homossexualidade.

Se recebe de ''Deus'' a ordem de expurgar o homossexual agirá em contrário a isso? Evidente que não. O que vemos é um confronto de concepções sobre o que seja a Verdade. De um lado o homossexual que, em sua mente, se tem como normal, e de outro o crente que deve obedecer sua fé.

Eis mais um exemplo, entre tantos ao longo da História, em que a religião traz mal, faz mal e é um mal.

OBRA DE ZUMBLICK À VENDA

Minha amiga Isabel Vieira, colocou à venda uma obra do Willy Zumblick, artista plástico patrimônio da cultura catarinense. Trata-se da tela "Vendedoras de Doces", de 1972, 95x85cm. Valores somente para quem estiver realmente interessado, que tem noção do quando ela representa e vale no mercado. Contato: 48 3442-0009 ou 9802-2297.

segunda-feira, 18 de março de 2013

MENINAS, GOZEM! - Entrevista com Rita Rostirolla

Orgasmo feminino ainda carece de discussão. Sim, há alguns dias uma senhora me relatou que só descobriu o orgasmo aos 40 anos. Um testemunho desse me fez pedir à Rita Rostirolla, palestrante, sex personal trainer e professora de sensualidade, que desse algumas dicas e que trouxesse alguma luz para aquelas que ainda têm dificuldades.


André Roldão - Sabe-se que no passado orgasmo era coisa para poucas mulheres. Ainda hoje é problema entre elas?

Rita Rostirolla - Mesmo com tantas conquistas, liberdade e informação, orgasmo ainda é um problema para muitas. Pelo menos hoje ela está em busca do seu prazer sem tanta culpa, medo ou preconceito, mas mesmo assim tem dificuldade em alguns momentos.

AR - Quais são as barreiras que enfrentam para gozarem?

RR - Muitas são as barreiras, mas mesmo assim ainda conseguimos chegar lá muitas vezes com todos esses empecilhos... Nossa cultura é repressora, onde os homens “comem todas” e são garanhões por isso, e a mulher que toma a iniciativa ainda é vista como vadia e vulgar por muitos deles que exigem que ela seja mais solta na cama, mas quer uma virgem na hora de casar. Muitas ainda sofrem com a síndrome da “boa moça” por conta disso. Também somos auditivas e sinestésicas, isso por si só pode atrapalhar na hora H. Não adianta o cara ir direto ao ponto G se não houver um bom chalala antes... Falta de preliminares ou mal feitas também atrapalham. Não somos objetivas e visuais como o homem, coisa que facilita, e muito, ir direto ao ponto pra eles. Somos subjetivas. Adicione a tudo isso o fato da mulher usar a visão periférica, ou seja, por conta disso faz inúmeras coisas ao mesmo tempo, como estar transando e pensar na conta negativa, no sapato que viu numa vitrine, prestar atenção no que está passando na TV, se tem pó em cima da cômoda, na posição que está tão excitante, mas que não a favorece esteticamente... e muita vezes ainda consegue ter o tal do orgasmo em meio a isso tudo!

AR - A mulher muda sua forma ou intensidade do orgasmo com o tempo?

RR - Podemos dizer que sim, quando o tempo é um aliado para o autoconhecimento e experiência. Ela aproveita mais, se liberta mais e o orgasmo acontece com mais facilidade e intensidade.

AR - Conhecer o próprio corpo é um fator determinante?

RR - Com certeza. Como disse o sexólogo chinês Jolan Chang, muitas vezes terminamos uma relação sexual decepcionados porque a maioria de nós possuí um precioso violino Stradivarius que nunca aprendeu a tocar. Autoconhecimento, a masturbação, é essencial para descobrirmos nosso prazer. Só assim poderemos ter prazer com outra pessoa de forma satisfatória.

AR - A diversidade de parceiros contribui de alguma forma para elas se conhecerem?

RR - Em alguns casos sim, mas muitas vezes é uma busca inútil se não tiver conhecimento do próprio corpo. Podemos ter uma vida de prazer ao lado de um único homem, assim como podemos ter uma vida sexual medíocre mudando de parceiro todo o final de semana, e vice e versa.

AR - Qual o limiar entre experimentar e sentir-se segura com o parceiro que conhece há anos?

RR - Em primeiro lugar não depende apenas dela. Sensibilidade da parte do parceiro é meio caminho para que uma mulher experimente e se permita sentir mais.

Quer saber mais? Clique AQUI.

O PAPA E O COMÉRCIO DE SOUVENIRS

Comerciantes de Roma dizem que Bento 16 será lembrado como "o papa que não vende"
POR Patrícia Araújo, UOL

Suvenires do papa emérito Bento 16 encalham em lojas de Roma

Enquanto analistas e teólogos de todo o mundo discutem sobre como o papa emérito Bento 16 ficará conhecido ao longo da história após ter tomado uma decisão inimaginável nos últimos 600 anos, comerciantes que vivem da imagem do sumo pontífice ao redor do Vaticano já sabem exatamente como Joseph Ratzinger será lembrado: "o papa que não vende".

Nas vitrines de quase todas as pequenas lojas que margeiam as colunas da imponente praça de São Pedro, é possível ver o rosto do alemão que assumiu o mais alto posto da Igreja nos últimos oito anos.

Mas os acenos e o sorriso esforçado de Ratzinger, segundo os comerciantes, não conquistaram os católicos. Mesmo a reviravolta em seu pontificado causou um impacto efêmero na trajetória de vendas "insossas" dos artigos com a cara do sacerdote.
Santinhos do papa Francisco já estão à venda na loja oficial do Vaticano, nesta quinta-feira (14) - o primeiro lote foi impresso após 12 horas do anúncio Eric Gaillard/Reuters

"Vendemos vários souvenires dele só nas duas semanas após o anúncio da renúncia. Agora, tudo voltou a ser como antes, ninguém procura. Ele não foi um papa amado pelo povo", afirma Everton Nascimento de Jesus, brasileiro de 31 anos que há cinco anos trabalha como gerente na loja de artigos religiosos situada no número 42 da via della Conciliazione, principal acesso ao Vaticano. De acordo com ele, as vendas estão tão ruins que, quando o atual estoque com produtos de Bento 16 se acabar, nada deverá ser reposto.

Poucos metros dali, em outra loja da mesma via, a vendedora Giuliana Moretti, de 28 anos, confirma o desencanto dos turistas com os artigos relacionados a Ratzinger. "Ele não foi adorado, não tinha muito carisma.

Ninguém compra as coisas dele. Após a renúncia, vendemos um pouco, mas só por alguns dias." Giuliana conta que, na loja em que trabalha, é grande a procura por santinhos, postais, medalhas e crucifixos, mas todos com a imagem do polonês Karol Wojtyla. "Quem vende mesmo ainda é o João Paulo [2º]. Todo mundo é apaixonado por ele."
João Paulo pop

Há 18 anos trabalhando no caixa da loja localizada no número 283 do Corso Vitorio Emanuele II, via próxima ao Vaticano, Monica Amitrano diz que os comerciantes de Roma tentaram aproveitar a renúncia de Bento 16 para "desovar" artigos do pontífice que estavam encalhados desde o início do papado.

"Todos colocaram postais do papa na porta das lojas, mas infelizmente isso não aumentou as vendas. Não sei porquê, mas ele nunca vendeu", diz Monica.

Ela fala que, a cada 15 artigos de João Paulo 2º vendidos, apenas um de Bento 16 sai da loja. "João Paulo salva as nossas vendas. Mesmo antes da beatificação [em maio de 2011], as pessoas procuravam por imagens dele. Para muita gente, ele ainda é o papa."

Além de João Paulo 2º, os comerciantes dizem acreditar que o próximo papa deverá ser um sucesso de vendas. "Tem muito falatório ao redor desse novo papa. Tenho certeza que ele vai vender", conta o brasileiro Nascimento de Jesus.

A expectativa é tanta que, de acordo com ele, quase todas as lojas da região já fecharam enormes encomendas com as fábricas de souvenires da Itália. "No dia seguinte ao anúncio do novo papa, já teremos material dele aqui na loja para vender."
Papa incompreendido

Porém, para a vendedora Cinzia Caselli, funcionária da livraria Dom Bosco, famosa na região do Vaticano, ainda "há uma chance" para Joseph Ratzinger.

Segundo ela, nos últimos meses, muitos italianos têm procurado pelas obras escritas por Ratzinger. "Os livros Jesus de Nazaré e A Infância de Jesus [publicados em português pela editora A Esfera dos Livros] têm vendido bastante."

Cinzia diz acreditar que as pessoas estão começando a se questionar os motivos que teriam levado o papa e renunciar e passaram a ficar curiosas com relação a Ratzinger. Esse interesse, para ela, ainda pode impulsionar as vendas, ao menos, dos livros do papa emérito. "Sempre vai existir uma curiosidade sobre [Bento 16]. Ele foi um papa incompreendido."

domingo, 17 de março de 2013

SUPERSTIÇÃO - Entrevista com a psicóloga Simoni Padoin

A superstição está de tal forma inserida na nossa sociedade, para não dizer em todas, que sugere uma espécie de ''fenômeno social''. Em princípio tem-se como algo inofensivo. Contudo, creio que há muito a ser observada, discutida e criticada. Sem querer encerrar as possibilidades sobre o assunto trago uma entrevista feita via Facebook com Simoni Padoin, psicóloga e psicoterapeuta reichiana.

ANDRÉ ROLDÃO - Poderias definir o que seja 'superstição' num sentido lato e/ou em algum sentido dado pela linha reichiana?

SIMONI PADOIN - “Tenho uma tendência à superstição, cuja origem ainda me é desconhecida.” Freud em 1901.
Bem, em sentido amplo, quase conceitual, superstição, seria a falta de uma lógica formal entre causa e efeito daquilo que está sendo defendido. Por exemplo, se eu tiver coceira na palma da mão direita, vou ganhar dinheiro! Não há como embasar racionalmente esse acontecimento. O supersticioso crê, que determinadas mandingas, podem ter influencia vital na sua vida. Então, esse modo de se relacionar com a vida, impõe dependências, apegos e submissões emocionais. Para REICH o processo de crescimento humano passa pela dissolução de couraças físicas e emocionais, acessando com isso um ser mais livre, liberto e libertário. Por fim, há que se compreender que para praticar e sustentar uma ideia supersticiosa, faz-se uma cisão entre o “mundo real” na direção de um “outro mundo/irreal”, e essa é uma atitude psicótica. Quanto mais saúde emocional, menos cisão, menos dependência de qualquer ordem.

AR - É possível identificar a origem dessa necessidade humana de estabelecer uma relação com algo sem uma lógica formal?

SM - Me sinto tentada a responder objetivamente, que são as variáveis organizadoras das relações humanas, CONTROLE E PODER, que dão o tom desta necessidade. Quando a forma de condução das relações que tenho estabelecida, de amor, amizade, trabalho, ou qualquer outra modalidade, não está me bastando, posso resolver de diferentes maneiras, na reflexão psicoterápica, no silêncio, na leitura, ou nas modalidades de superstição que não são poucas, a citar: magia, curandeirismo, adivinhação, astrologia etc.
É neste e deste lugar, que resgata-se um poder suposto de informação, de saber, que organiza a angustia basal que me incitou a busca. Quanto mais nutrimos essa maneira de solucionar nosso desempoderamento frente as relações e a vida, mais rebaixamos nossa reflexão acerca das nossas dificuldades, limitações, fragilidades e afins. Por fim, vale lembrar que, segundo alguns religiosos, só no cristianismo cabe punição aos supersticiosos, nenhuma outra vertente religiosa, judaísmo, islamismo, umbanda, dentre outras, estabelece textualmente qualquer punição de perda da graça, visto que em cada uma delas, há rituais que podem ser considerados superstições.

AR - A superstição seria uma espécie de fuga de uma relação objetiva e racional com as dificuldades da vida. Neste sentido há semelhanças com as relações afetivas, em que o apego ao outro chega a anular a identidade de quem supostamente ama. Da mesma forma vê-se no uso de psicotrópicos com suas sensações de prazer e distanciamento da realidade. Haveria uma fragilidade comum entre os esses casos? É possível que isso seja congênito?

SP - Andre, eu entendo a superstição menos como fuga e mais como entrega. Vamos hipotetizar a ida de alguém ao tarólogo. A decisão entre ir ou não à leitura do Tarô passa pelo crivo moral, pelo crivo do desejo e até pelo crivo financeiro dentre outros; e nisso tem consciência, tem juízo. Quero dizer: a decisão de ir é consciente. No entanto, chegando ao tarólogo, só vale sua queixa entregue ao mestre do Tarô e depois disso sua escuta pro saber que vem das cartas, resta crer, nada além de crer. Você está num universo de conceitos e “verdades” diferente.
Há semelhanças com as relações afetivas sim , porém, só com aquelas estruturadas no amor romântico, que é, por assim dizer, uma superstição. Quanto ao psicotrópico, cabe salientar que ele não faz nem fuga, tão pouco entrega, ele brinca de “mandrake”, lembrando a diversão infantil de congelar a posição corporal, ao ouvir a voz de comando. Congelamos o sentir genuíno de qualquer ordem, congelamos a dor e o prazer.
Enfim, ser supersticioso não é um evento congênito, mas é cultural, faz parte do meio onde crescemos, onde fomos educados, e todas as outras formas de influencia resultado das conexões que experimentamos.

AR - Você falou em crescimento humano. A superstição é uma barreira?

SP - O crescimento humano é anárquico, não tem deuses, não tem comandos, sugere, exclusivamente, que experimentemos; que não sejamos servis, que a prática da liberdade seja o leme; que todos os temores sejam rebaixados ao descrédito, e que vivamos por ESCOLHA, e não por CHANCE. "A superstição é uma barreira?". É!

AR - Há alguma relação entre superstição e religião, ou religiosidade?

SP - Em ambas não há escolha. Há escuta, adaptação, obediência e fé. Ambas executam um processo anulatório daquele que o busca. Nas religiões de orientação cristã, diferente de outras correntes religiosas, há perda da graça quando o fiel se envolve com a superstição, o que sugere um limite entre uma e outra, mas também sugere estreita relação com uma visão dicotomizada de mundo, onde tudo, impiedosamente, cabe em duas possibilidades – bem e mal, feio e bonito, gordo e magro, sagrado e profano. Nesse contexto, superstição é o que responde pelo que há de mal, enquanto a religião pelo que há de bem. Então, a diferença entre uma e outra, é o lugar da aceitação, uma está à margem, a outra incluída e aclamada; diferente disso tem estreita relação.
"Que as fogueiras não reacendam, ao final dessa entrevista".

sábado, 16 de março de 2013

DÚVIDAS SOBRE A ALMA

A existência da alma ou espírito parece inquestionável. Entretanto, para mim há detalhes que me fazem ter dúvidas.

Antes que me apedrejem novamente (sim, novamente) devo fazer uma ressalva. Todos os dias alguém me diz do seu desconforto e até mesmo irritação, quando falo das minhas concepções sobre a religião, fé e do que se diz sobre Deus (o que se diz sobre, não o que vejo que é). Mas te ocorre pensar sobre o que eu sinto quando me falam desse mesmo assunto como se eu fosse um anormal? O que pensam que sinto quando abro o Facebook e vejo, todos os dias, gente falando de um Deus maravilhoso que os abençoa como se fossem mais merecedores que outros? O que sinto não importa. Coisa bem característica de religiosos!

Voltemos à alma e seus problemas.

Para que ela esteja em nós, ou fora do corpo, é preciso entender que tem limites físicos e que esteja ''presa'' ao corpo. Ou seja, é um corpo. Seria uma massa com uma pele delimitadora, do contrário se dispersaria como água dentro da água. Evidente que tem tamanho e, talvez, peso. Essa ''pele'' teria a forma do corpo humano ou estaria limitada ao cérebro? Relatos dos espiritistas dão conta de que ela se afasta do corpo em estado de morte do mesmo, registrando imagens que passam a ficar no cérebro quando do ressuscitamento. Ora, isso significa que há uma transferência de uma informação obtida imaterialmente, por assim dizer, para nossos neurônios, para a matéria que fica dentro da caixa craniana. Deveriam, suponho, ter a mesma natureza. Energia cerebral é material, razoavelmente mensurável, de fácil registro (eletroencefalograma) e os danos são igualmente perceptíveis. Em sendo assim o que percebemos pelos sentidos, numa a amnésia, se perde, mas se sustentaria além desta vida - deixa de ser um tipo de matéria e passa a ser outro tipo de matéria - uma transmutação ou transubstanciação. É mais ou menos assim: pensamento é matéria, mas não é matéria; é uma coisa, mas é outra coisa. Se considerarmos a reencarnação essa relação fica ainda mais obscura, pois de volta ao corpo as memórias não são transferidas como num download, na forma que acontece no ressuscitamento.

O que nos identifica, além do corpo, é nossa memória. Como supor que ela transcenda a matéria (cérebro) se essa mesma memória depende dessa massa? Isso fica claro com a psicopatia, com a esquizofrenia, com o autismo e síndrome de Down, dentre outros males que dificultam a relação com o mundo, cada uma em seu grau de agravamento. Como supor uma alma que registre e processe perfeitamente as informações recebidas pelos sentidos se esses sentidos destorcem a realidade como verificado pelo cérebro? Como supor que a alma entenda as coisas como são de fato se nosso cérebro filtra a realidade? Haveria um entendimento da alma e outro do cérebro? Se fosse assim como seriam as transferências de um para o outro se têm visões diferentes? Ou as distorções são as mesmas.

A alma, como posta pelos que acreditam em sua existência, está ora desvinculada do corpo, ora vinculada a ponto de realizar trocas energéticas, ora vinculada sem fazer a transferência de informações. Isso me parece mais conveniência que ciência.

Essas dúvidas não são necessariamente um desmentido para sua existência. Apenas colocam em dúvida o que se pensa dela e suas possibilidades. Para mim, o conceito de que ela seja eu após esta vida carece de mais informações. O fato incontestável sobre isso é que precisamos acreditar na vida após esta vida. É uma necessidade diante da morte, da finitude de nossa existência. Isso, por isso só, não atesta nada além da necessidade. Necessitar não é uma constatação irrefutável da coisa desejada. "Preciso, logo preciso" e não "Preciso, logo existe!".

O MITO DA DESUNIÃO POLITICA

Dia sim, dia não, ouço alguém dizer que o atraso da região Sul do Estado de Santa Catarina é fruto da desunião política, ou dos políticos, os mesmo das disputas partidárias. Para mim um mito, um clichê, algo que não reflete, nem a história da região tampouco olha para o Estado como um todo. Limita-se num comparativo com o Norte, com Blumenau e Joinville. Falam como se o Norte recebesse todas as benesses do Palácio da Agronômica e que os políticos de lá fossem unidos.

Quem faz o comparativo não conhece o Norte de Santa Catarina em detalhes. Afinal, fazem parte da região Gaspar, Guaramirim, Taió e Itapema, por exemplo. Ou seja, voltam seus olhos para o que há de melhor por lá e esquecem do todo. É como olhar para o Sul como se houvesse apenas Criciúma e Tubarão. Além disso, é necessário ir além. Blumenau tem um dos piores acessos rodoviários dentre as maiores cidades de SC. A rodovia estadual Itajaí/Blumenau é uma penúria, bem como a BR-470 está em péssimas condições para uma rodovia Federal. Ou seja, sob qualquer ângulo Blumenau está ainda mais abandonada que Criciúma, sem contar que nossa situação é infinitamente melhor em se tratando de acesso. A diferença está na proximidade com o Porto de Itajaí, mas não depende do governo estadual.

Só cego pra não ver duas coisas: há divergências tão profundas na política aqui como em todas as regiões do Estado; e, o atraso do Sul está muito mais ligado à cultura da colonização do que a outro fator qualquer. A colonização do Sul não foi industrial. Portanto, em sendo voltada à agricultura não teve o mesmo desenvolvimento que o Norte. Da mesma forma o Planalto e o Oeste. Isso é consenso entre os que estudam isso. Evidente que foi mudando, mas o Norte já estava com base sólida desde o final do século XIX. Não há como alcançá-los. Sempre estarão à frente.

Quanto aos recursos é evidente que quem gera mais impostos deverá receber mais atenção. Como região industrializada muito antes do Sul, a afluência de pessoas foi natural e qualquer governo terá a obrigação de dar mais atenção para onde há mais gente. Óbvio!

Em se tratando de brigas políticas tenho as divergências como absolutamente salutares pois geram competição entre grupos e pessoas. A união, ao contrário, leva à passividade e ao comodismo.

Na minha avaliação a opinião que motiva este texto tem duas origens: precisamos de uma explicação e nada mais natural que culpar os políticos, pois são a mãe de todos os males neste país (o povo é sempre vítima, um coitadinho); e, de forma recorrente, o baixo interesse em estudar qualquer coisa. A preguiça mental é, sim, a mãe de todos os palpites.

quinta-feira, 14 de março de 2013

O GOLPE DA TelexFree

POR Luis Nassif


Ontem à tarde, através de sua página no Facebook, a empresa TelexFree deu ordem de debandada a seus divulgadores. Meia hora antes, em meu Blog, publiquei um pequeno organograma, com vários sites que faziam parte do esquema.
Foi o fim de cinco dias de luta surda, na qual meu Blog foi derrubado dezenas de vezes pela quadrilha, para impedir de veicular detalhes da denúncia.
À tardinha, a Secretaria Especial de Acompanhamento Econômico (SEAE) do Ministério da Fazenda informou que estava aguardando apenas um parecer da Procuradoria da Fazenda para acionar a Polícia Federal e o Ministério Público.
***
Chega ao fim o mais atrevido golpe já perpetrado contra o consumidor brasileiro. Durante um ano, o esquema TelexFree envolveu um milhão de pessoas e movimentou mais de R$ 300 milhões através de uma versão online do velho golpe da pirâmide.
***
O esquema surgiu inicialmente em 2009, montado pelo aventureiro capixaba Carlos Wenzeler, através de um site denominado de Disk à Vontade.
Para entrar no jogo, a pessoa tinha que pagar de US$ 200 a US$ 1.000 dólares. Depois, colocar publicidade em sites de Internet dos serviços de VoIP (telefonia pela Internet) da TelexFree. Por cada publicidade colocada, a pessoa receberia US$ 20.
Acontece que toda a remuneração dos primeiros da fila era bancada pelos últimos que entravam – como em toda pirâmide, levando ao estouro da boiada depois de algum tempo.
***
A versão inicial do golpe demorou um pouco a decolar devido à falta de confiabilidade na empresa.
Aí Wenzeler deu o segundo passo. Foi até os Estados Unidos, localizou uma pequena empresa de VoIP e tornou-se sócio dela. A empresa tinha um pequeno escritório virtual em um grande prédio de Massachusetts. No site da TelexFree o prédio era apresentado como se fosse totalmente da empresa. E o sócio norte-americano como se fosse um gênio do marketing.
A publicidade da TelexFree ganhou impulso quando passou a veicular que a TelexFree americana era uma multinacional que existia desde 2002.
***
O passo seguinte foi arregimentar uma verdadeira quadrilha de oportunistas, espalhada por todo o país. Essas sub-quadrilhas montaram sites usando o nome da TelexFree na URL (o endereço da Internet). E inundaram o Youtube com vídeos vendendo as maravilhas do enriquecimento fácil.
***
Nos próximos dias a Polícia Federal entrará em cena, prendendo parte da quadrilha. A grande questão que se levanta é o fato da quadrilha ter agido por tanto tempo sem ser incomodada.
Os Procons do Acre e do Mato Grosso solicitaram informações à SEAE. Houve dificuldade em qualificar a natureza do crime. Por outro lado, não se sabia se a repressão deveria partir de Ministérios Públicos estaduais ou do Federal; se da Polícia Civil dos estados ou da Polícia Federal.
A cada dia que passava, mais consumidores eram prejudicados. Pululavam depoimentos de pessoas que chegaram a vender a casa para entrar no negócio.
***
Na semana passada, a presidente Dilma Rousseff anunciou que o governo daria toda ênfase à defesa do consumidor.
O primeiro passo é aparelhar o Estado de ferramentas legais para coibir os velhos crimes que adquirem feição nova através de novas tecnologias.

BOLSONARO E OS GRUPOS GAYS

Nessa, aparentemente interminável, briga entre o deputado federal do Rio de Janeiro, Jair Bolsonaro, e os grupos gays está um exercício simples de ação e reação. Esses grupos são violentos e não aceitam qualquer oposição às suas ideias. De seu lado, Bolsonaro, age da mesma forma. Não vejo distinção entre um e outro no que tange à forma. Quanto ao conteúdo está claro que os gays querem impor à sociedade que seu modo de vida seja aceito. Ora, como trata-se de foro íntimo, que diferença faz ser ou não aceito? Evidente que a sociedade, plural como é, tomará as mais diversas posições.

O gays não aceitam que sejam repudiados. Por outro lado como a Lei vai impor a quem quer que seja que aceite esse ou aquele? Nem mesmo o racismo pode ser evitado. Isso é um fato. O que deve ser alvo da Lei é se alguém tem seus direitos civis negados por ser desse ou daquele ''tipo''. E quais seriam esses direitos civis? Os que estão na Constituição! Nem mais, nem menos. Nossa carta magna não faz distinção entre pessoas. O Código de Processo Civil e o Código Civil também não fazem distinção entre ''tipos''. As diferenças são tipificadas, em caso de agressão física ou moral, pelo CV, onde são identificadas as fragilidades como o abandono de menor, idoso ou incapaz. E quando não há direito de defesa, quando o agressor é muitíssimo mais forte ou o agredido não está em igualdade de condições. Um jovem bater num idoso, ou um ''são'' num deficiente físico, adulto em crianças, um grupo num indivíduo e assim por diante.

Além disso, há que se levar em conta que um homem, mesmo que homossexual, estará em vantagem física ou não independente de sua condição sexual. Os que praticam agressões a homossexuais porque são homossexuais, casos em tão pouco número que se refere a pessoas de moral punível por conta de outros tantos atos, inclusive por agressões a heterossexuais. Eles batem porque querem bater, porque têm prazer na violência. Ora, uma facada será uma facada. Ela não será mais facada porque o agredido é homossexual.

O caso é de postura na defesa dos interesses pessoais ou de grupos. POSTURA, NÃO DE MÉRITO. Somente um intolerante pra fazer frente aos intolerantes. A iniciativa de agressão tem sido, invariavelmente, desses grupos que querem impor seus desejos através do Congresso Nacional.

O Bolsonaro é um cara politicamente incorreto e tem sido corajoso (ter coragem não abona comportamento), enquanto a maioria de seus colegas joga pra torcida. Ele enfrenta sozinho esses grupos. Até nisso, no número de participantes, ele tem meu respeito. De tudo que vejo dessa questão, esses grupos querem ser mais cidadãos que os demais cidadãos. Querem tratamento diferenciado, penas mais duras quando eles são vítimas. Tá errado! Por que bater num homo vai ser mais violência que bater num hetero? Violência é violência e deve ser punida e pronto.

Bastaria o tratamento respeitoso e não haverá conflito. Em NADA me importo com o que as pessoas fazem no foro íntimo. O que está havendo é que esses grupos desrespeitam quem pensa diferente e chegam à violência sim.

Os meus amigos homossexuais têm de mim total apreço porque não lhes imponho a heterossexualidade. Tampouco os repudio. Esse é o lance!

terça-feira, 12 de março de 2013

DÉCIO GÓES SOB AMEAÇA DE CASSAÇÃO

O caso do prefeito eleito de Balneário Rincão, Décio Góes, pode sofrer um novo revés. A vice-procuradora do Ministério Público Eleitoral, Sandra Cureau, deu parecer contrário ao petista, declarando que o registro de candidatura de Décio deve ser negado. A decisão, agora, cabe aos ministros do Tribunal Superior Eleitoral, que deverão analisar o parecer do MPE e todo o processo que se desenrolou até aqui. 

Na primeira instância, o juiz eleitoral e Içara negou o pedido de registro de candidatura, porém, no Tribunal Regional Eleitoral, Décio venceu por cinco votos a dois. No dia 3 de março, o petista venceu as eleições no Balneário Rincão pela segunda vez, lembrando que ele já havia sido vencedor no pleito de outubro de 2012, mas foi impedido de assumir o mandato por estar barrado pela Lei da Ficha Limpa. 

Nesta terça-feira haverá sessão do Tribunal Superior Eleitoral, porém, o processo de Décio ainda não entrou na pauta. O recurso pedindo a cassação do registro de Décio foi protocolado pela coligação “Rincão vota pra valer”, encabeçada por Jairo Custódio (PMDB). 

A Tribuna

segunda-feira, 11 de março de 2013

OS PRIMEIROS PASSOS DAS VEREADORAS DE CRICIÚMA

A super-ultra-mega vereadora Geovania de Sá (PSDB) ainda não mostrou serviço na Câmara Vereadores Criciúma. Nenhum projeto de sua autoria. Mas fotos, ocupando a tribuna, estão em seu perfil no Facebook.

Por sua vez a experiente Tati Teixeira (PSD) entrou apenas com um PL, de alteração do 2º do art. 2º da Lei 5.336, que Institui o Prêmio Mulher de Destaque Criciumense.

Já a vereadora Camila do Nascimento (PSD), que entrou na disputa diante do impedimento de seu pai, Edinho do Sindicato, por conta de processos que responde na Justiça, entrou com três projetos de Lei: um que visa instituir o Programa Automotivo de Responsabilidade Ambiental e o selo Roda Verde; outro que quer obrigar agências e postos de serviços bancários a instalarem divisórias individuais entre os caixas e o espaço reservado para clientes que aguardam atendimento, coisa que a Sicred já usa; e, outro que concede Título Honorífico de Cidadão Benemérito de Criciúma a Clésio Salvaro.

O PP NÃO QUER SALVARO

Em política a ''leitura'' nem sempre é algo de informação precisa, objetiva e clara. Lê-se também o que é indireto. Faz-se necessário captar detalhes por um bom tempo, pois conforme o assunto, em sendo do interesse dos políticos não tornarem público, ser tratado entre dentes. Deixam escapar uma coisa ou outra etc. Isso também depende de quem fala, em que contexto e ver se não é algo sendo ''plantado''. Enfim, requer muita atenção. Um dos exemplos claros de coisa plantada é das duas vezes em que Clésio Salvaro fez surgir, e falou abertamente disso, que Romanna e Américo teriam sido candidatos porque receberam dinheiro (falo disso ao final). Como sábado a conversa foi mais clara, sem rodeios e vinda de quem não tem pretensão eleitoral, íntimo do prefeito eleito, somado a outros detalhes e comentários, toco no assunto.

De tudo que ouvi sobre a relação entre Márcio Búrigo e Clésio Salvaro, das mais variadas pessoas, próximas aos dois ou nem tanto, posso afirmar que o vice-prefeito foi de uma habilidade ímpar. Búrigo segurou os ânimos de vários de seus aliados do Partido Progressista que querem o fígado do tucano. Alguns queriam rachar a relação com o truculento e mal educado prefeito, à época da gestão.

Neste momento, chegando ao poder, Búrigo terá que conviver com o desejo de partidários que querem o total afastamento do ex-prefeito (evidente que há quem não o queira, uma minoria). Como vai se conduzir não está claro, mas se o fizer não será de forma truculenta, mas com a diplomacia que o caso requer. O fato é: o PP não quer Salvaro por perto. Quanto ao secretariado... Bem, esse papo de ''técnicos'' já ouvi antes.

Quanto à Romanna e Américo a lógica e a experiência demonstram claramente que só se recebe grana para desistir de candidatura ou ficar na moita. Nenhum candidato recebe para ser aquilo que ele mesmo quer. No máximo pagaria para SER candidato. Sob qualquer ângulo o ex-prefeito, fofoqueiro-mor, fez uso da recorrente falta de ponderação que grassa na política.

quinta-feira, 7 de março de 2013

ACTs SEM SALÁRIO EM CRICIÚMA

Acostumados a receberem no dia 1 de cada mês os professores Admitido em Carter Temporário (ACT) de Criciúma não tiveram seus salário pagos até o dia 7, hoje, e sem previsão de ser pagos. Uma outra fonte me passou que a previsão é para o dia 20. A alegação dá conta da burocracia de início de ano. Contudo, deveriam estar prevenidos disso e avisar antecipadamente. Em breve devo ter mais informações.

O prefeito interino, Itamar da Silva (PSDB), entra para a memória desses profissionais da pior maneira possível.

quarta-feira, 6 de março de 2013

A QUEDA DE EDUARDO MOREIRA

Para mim não resta a MENOR dúvida que a queda de Eduardo Moreira e seus amigos não está em meterem ou não a mão na prefeitura de Criciúma, ou na Celesc, ou onde quer que seja. Caso fosse isso Salvaro também teria sumido, pois a denúncia do Gaeco, apropriação indébita da CriciúmaPrev, aluguel forjado para a Alesc, são coisas incontestáveis.

Sua impopularidade está em seu afastamento da base, sua falta de contato com o povo. O que também é detectado por alguns peemedebistas. Bastaria ele manter relação fora de campanha eleitoral e dizer que Clésio Salvaro é caniça... Foi o preço da estadualização do seu nome com vistas à cadeira de governador que, suponho, ainda faça parte dos seus desejos.

O sucesso político-eleitoral tem apenas uma cola: aperto de mão com tom de humildade. As pessoas querem ver, ouvir e tocar os políticos. Querem que saibam que existem. Querem receber atenção. Isso se dá basicamente pela falta de informação recorrente, onde o currículo pouco importa.

Além disso, na condição de vice-governador teria acesso a uma infinidade de serviços público em que o ''jeitinho'' faz toda a diferença. Principalmente na saúde. No desespero da família, conseguir uma cirurgia marca para o resto da vida. Imagine aquele pai, pessoa simples, fazendo um pedido e recebendo a ''ajuda''.

Salvaro foi exímio na relação com o eleitor como você pode conferir nesta outra publicação que fiz AQUI.

Eduardo Moreira pode voltar à cena facilmente, basta gastar sola de sapato.

CHORÃO ENCONTRADO MORTO

Do G1

O vocalista da banda Charlie Brown Jr, Alexandre Magno Abrão, o Chorão, foi encontrado morto em seu apartamento na Rua Morás, em Pinheiros, na Zona Oeste de São Paulo, na madrugada desta quarta-feira (6). Ele tinha 42 anos.

Chorão foi encontrado desacordado pelo seu motorista, que acionou o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu). A unidade de resgate constatou que ele já estava morto. A Polícia Militar disse ter recebido um chamado às 5h18 para "verificação de morte natural em um apartamento". Chorão morava no oitavo andar do edifício.

No início da manhã, policiais civis e militares e peritos estavam no prédio do cantor. O delegado Luiz Romani, do 14º Distrito Policial, em Pinheiros, disse que ainda não é possível dizer a causa da morte do vocalista. A causa será determinada pela perícia. Romani disse apenas que Chorão estava sozinho em seu apartamento e que o caso será investigado pelo Departamento de Homicídios e Proteção à Pessoa (DHPP).

A apresentadora Sônia Abrão, prima do cantor, chegou ao prédio por volta das 8h. A assessoria de imprensa da banda informou ao G1 que Chorão estava de férias e embarcaria para os Estados Unidos nos próximos dias. Ainda segundo a assessoria, o estado de saúde dele era bom.
Cantor foi encontrado morto em seu apartamento,
em Pinheiros (Foto: Alex Falcão/ Futura Pressa/AE)

O cantor e letrista, que faria 43 anos em 9 de abril, liderava a banda fundada por ele na cidade de Santos, no litoral de São Paulo, em 1992. Em 15 anos de carreira, o Charlie Brown Jr lançou nove álbuns de estúdio, dois discos ao vivo, duas coletâneas e seis DVDs. Ao todo, o grupo vendeu 5 milhões de cópias.

Além de vocalista, Chorão era responsável pelas letras do Charlie Brown Jr e pelo direcionamento artístico e executivo da banda. Em 2005, o trabalho "Tâmo aí na atividade” foi premiado com o Grammy Latino de melhor álbum de rock brasileiro, o que se repetiu em 2010 com "Camisa 10 joga bola até na chuva".

No ano passado, o Charlie Brown Jr. lançou "Música Popular Caiçara", álbum ao vivo que marcou o retorno dos integrantes Marcão e Champignon à banda. Eles haviam deixado o grupo em 2005. As apresentações aconteceram em Curitiba e Santos. A produção do trabalho foi feita por Liminha e os shows contam com a participação de Falcão (O Rappa), Zeca Baleiro e Marcelo Nova. Das 15 faixas do CD, a única gravada em estúdio é "Céu azul".

Chorão foi o único integrante do Charlie Brown Jr que permaneceu no grupo em todas as suas fases. Paulistano, Chorão adotou a cidade de Santos desde a juventude, onde criou a banda. Seu apelido foi dado ainda na adolescência, quando ele não sabia andar de skate e ficava apenas olhando os amigos. Um deles, então, pediu que o jovem não chorasse. Segundo a GloboNews, a infância e a adolescência de Chorão foram difíceis por conta da separação dos pais, que aconteceu quando ele tinha 11 anos. O músico largou a escola na sétima na série.
Carro do IML chega a prédio onde Chorão morava
(Foto: Letícia Macedo/G1)

O vocalista é também roteirista do filme "O magnata" (2007), do diretor Johnny Araújo, e do longa “O cobrador”, ainda em andamento. Como empresário, administrou marcas de skate, como a DO.CE, fundada por ele em 2009, e viabilizou a realização de grandes eventos de skate no Brasil, além de manter o espaço Chorão Skate Park na cidade de Santos desde 2006.

A estreia do Charlie Brown Jr aconteceu em 1997 com o lançamento do álbum "Transpiração contínua prolongada". O trabalhou conseguiu o certificado de disco de platina ao vender mais de 250 mil cópias e tem como singles os sucessos "O coro vai comê", "Proibida pra mim", "Tudo que ela gosta de escutar", "Quinta-feira" e "Gimme o anel".

Sempre envolvido em polêmicas, Chorão deu uma bronca no baixista Champingnon em pleno show na cidade de Apucarana (PR) no final do ano passado. "Você voltou [para a banda] por causa de dinheiro", disse, no palco. Poucos dias depois, Chorão compartilhou um vídeo ao lado do baixista comunicando que os dois já haviam feito as pazes.

Em 2004, Chorão agrediu Marcelo Camelo, do Los Hermanos, na sala de desembarque do Aeroporto de Fortaleza. Ele foi detido pela Polícia Federal e, mais tarde, processado por Camelo, sendo obrigado a pagar uma indenização por danos morais ao músico carioca.

O próximo show da banda estava marcado para o dia 22 de março, em Campo Grande, no Rio de Janeiro.

domingo, 3 de março de 2013

PMDB BUSCA DERRUBAR DÉCIO NA JUSTIÇA

A chapa de oposição buscou o indeferimento da formalização da participação do petista na disputa, mas Góes obteve o direito de concorrer no Tribunal Regional Eleitoral do Estado. Os advogados do PMDB ainda recorreram da decisão no Tribunal Superior Eleitoral (TSE).

Conforme o advogado Pierre Vanderlinde, “direito eleitoral é ordem pública. O recurso está em andamento e a coligação nem pode retirá-lo, mesmo que quisesse”. O julgamento deste recurso, que busca o indeferimento da candidatura de Décio Góes – sob a alegação de que ele teria provocado novo pleito – ainda não tem data agendada. “O TSE deve julgar se ele estava apto a participar das eleições suplementares. Caso julgue procedente, Góes segue como prefeito eleito no Rincão, caso contrário, será gerada uma terceira eleição e daí Décio Góes não poderá participar”, explica Vanderlinde.

ENGEPLUS

A ELEIÇÃO EM CRICIÚMA

Com 76.748 votos, o equivalente a 72,27 %, o candidato Márcio Búrigo (PP) é eleito novo prefeito de Criciúma. Ele superou Ronaldo Benedet (PMDB), que obteve 12.629 votos, 11,39%, Fábio Brezola (PT), que conquistou 10.895 votos, 10,26%, Américo Farias (DEM), 2.661 votos, 2,51% dos votos, Cíntia dos Santos (PSTU), com 2.271 votos, 2,14% conquistados, e, por fim, Rodrigo Maciel (PCB), que obteve 988 votos, 0,93%. Votos brancos, 3.033, o equivalente a 2,71%, e nulos 2.886, 2,57%. Índice de abstenção ficou em 19,40%, 26.976 eleitores que não compareceram ás urnas.

A diplomação dos eleitos ocorre dia 21 de março. A posse, inicialmente, está marcada para o dia 31 deste mês.

Búrigo acompanhou a apuração dos votos em sua casa. Daqui a pouco, segue para o comitê de campanha, no bairro Santo Antônio para festejar com a militância e apoiadores e em seguida iniciar uma carreata pelas ruas de Criciúma.

Desde o início da apuração das urnas, Búrigo liderou os votos. O pepista, que era vice-prefeito e assumiu a cabeça de chapa nas eleições suplementares por conta de Clésio Salvaro ter sido barrado pela Lei da Ficha Limpa. Nas eleições de outubro de 2012, Salvaro venceu o processo eleitoral em Criciúma com mais de 50% dos votos, mas a situação judicial pendente fez com que não disputasse o novo pleito. Sem deixar de participar da campanha, o ex-prefeito seguiu como coordenador da campanha de Búrigo e, conforme confirmaram as urnas, Salvaro conseguiu transferir para Márcio Búrigo boa parte dos votos que conquistou no pleito passado para alcançar, neste domingo, a vitória.

ENGEPLUS

CERMOFUL: CHAPA 1 GANHA

A Chapa 1 obteve maioria na eleição da Cermoful neste sábado, dia 2. O grupo apoiado pelo atual presidente da cooperativa Armando Biff conseguiu 3638 votos. Isto significa 57,16% dos sufrágios registrados em 12 urnas na Escola Princesa Isabel, em Morro da Fumaça. Em segundo lugar ficou a Chapa 3 com 2626 (41,26%). Já na terceira posição apareceu a Chapa 2 com 14 (0,21%). O pleito teve ainda 42 votos brancos e 44 nulos.

O grupo foi eleito com Ricardo Tadeu Canto Bitencourtti para presidente e Agenir Donato Zacaron de vice. Entre as propostas apresentadas na campanha deles estava a construção de uma subestação em Linha Batista, adequação das tarifas à redução proposta pelo Governo Federal e a modernização da rede de distribuição. Já na titularidade do Conselho Fiscal serão empossados Jorge Bartosiack, Ivanir Antônio Graciano e Agnaldo dos Santos Vieira. E para delegado na Fecoerusc ficarão Antônio de Araújo e Iloir Piva.

Canal Içara

sábado, 2 de março de 2013

ÚLTIMA PESQUISA PARA PREFEITO DE CRICIÚMA


TRÊS PRESOS POR COMPRA DE VOTOS NO RINCÃO

A tensão é grande na campanha para prefeito do Rincão e as primeiras prisões foram feitas por compra de votos (pena que não veremos por ''venda de votos''). No vídeo que você vê AQUI é possível identificar alguns dos envolvidos e o veículo apreendido com adesivo do PMDB.

Segue matéria do Canal Içara:

Depois de 1h de monitoramento em um posto no Rincão, a Polícia Militar deteve três pessoas na tarde desta sexta-feira, dia 1. O motorista de um Gol de Araranguá com adesivo de campanha foi flagrado na compra de combustível com ticket. Além dele, também acabaram encaminhados para a Polícia Federal o proprietário e o frentista do estabelecimento na margem da Rodovia Deputado Paulino Búrigo (SC-445), em Pedreiras. Conforme apurado pela jornalista Amanda Tesman, do Jornal da Manhã, a suspeita era de compra de votos.

Todos foram liberados e o procedimento acabou encerrado. Mais cedo a Polícia Federal informou que também deslocou uma equipe para o Rincão devido a denúncia de compra de votos num posto de combustíveis. No entanto, nenhum crime tinha sido caracterizado no estabelecimento. "Não verificamos irregularidade no momento em que chegamos. Isto não quer dizer que não podemos voltar para realizar alguma prisão caso seja verificada a prática", já havia advertido o chefe da PF, Nelson Luiz Napp.