quinta-feira, 28 de fevereiro de 2013

PESQUISA IPC/SOM MAIOR DE HOJE

Pesquisa estimulada divulgada na rádio Som Maior/IPC, hoje, às 18 horas.

Márcio Búrigo/PP tinha 61,4% e foi a 68,6% 
Ronaldo Benedet tinha 17% e caiu para 11,6%
Brezola/PT 5,63%
Américo/DEM 1,63%
Cintia/PSTU 1,13%
Rodrigo/PCB 0,38%

quarta-feira, 27 de fevereiro de 2013

A ÚLTIMA MENSAGEM DE JOSEPH ALOIS RATZINGER COMO PAPA


“Queridos irmãos e irmãs. No dia 19 de abril de 2005, quando abracei o Ministério Petrino, disse ao Senhor: “É um peso grande que colocastes nos meus ombros, mas se me pedires, confiando na vossa palavra, lançarei as redes, seguro de que me guiarás”. E nesses quase oito anos, sempre senti que na barca estava o Senhor, e sempre soube que a barca da igreja não é minha, não é nossa, mas do Senhor. 
Entretanto, não é só a Deus que quero agradecer neste momento, um papa não está sozinho na condução da barca de Pedro, (embora lhe caia pela primeira responsabilidade), o Senhor colocou ao meu lado muitas pessoas que ajudaram a me sustentar. Porém, sentindo que minhas forças tinham diminuído, pedi a Deus com insistência, que me iluminasse com sua luz, para tomar a decisão mais justa, não para meu bem, mas para o bem da Igreja.
Este passo, com plena consciência de sua gravidade, mas com uma profunda serenidade de espírito. Amados peregrinos de língua portuguesa agradeço-vos pelo respeito e compreensão, com que acolhestes a minha decisão. Continuarei a acompanhar o caminho da Igreja, na oração e na reflexão, com a mesma dedicação ao Senhor. Tenho que agradecer ao cardeais chamados a escolherem o novo sucessor do apóstolo Pedro. Envio-os ao Senhor e a todos concedo a Benção Apostólica. Obrigado” 

terça-feira, 26 de fevereiro de 2013

REPASSE PRA SAÚDE TEVE 180% DE AUMENTO EM OITO ANOS

Durante o governo de Anderlei Antonelli (2005/2008) Criciúma recebeu de repasse do governo federal, um governo petista, R$139.892.666,80 (cento e trinta e nove milhões, oitocentos e noventa e dois mil, seiscentos e sessenta e seis reais e oitenta centavos). E no governo ''Márcio e Eu'' o repasse, do mesmo governo petista, foi de R$251.429.455,82 (duzentos e cinquenta e um milhões, quatrocentos e vinte e nove mil, quatrocentos e cinquenta e cinco reais e oitenta e dois centavos). O crescimento de um governo para o outro é de 79%.

Em 2005 o repasse do governo Federal foi de R$26,7 milhões e em 2012 chegou a R$75 milhões. Isso corresponde a 180% de aumento no repasse para a Saúde para uma população que cresceu de cerca de 12% no mesmo período.

O atendimento prestado nesse período melhorou 180%?

Esses números você pode conferir nas imagens que fiz do site do governo Federal que segue abaixo ou toda a informação clicando AQUI.







DUAS COISAS SOBRE AMÉRICO FARIA

Já convivi com muita gente. Nossa, de todos tipos. Não é atoa que fiz trabalho social, desde presídios, favelas e comunidades diversas. Quando se vive no meio das mais variadas demandas, das mais variadas formas de reivindicação, nos sobrevém experiências e reflexões. Eu pude desenvolver uma certa capacidade de observar os tipos humanos. Em alguns momentos errei, haja vista ser um aprendizado constante. Contudo, tenho acertado muito mais que errado.

Na política mais ainda, pois estive diante de homens tão treinados em enganar que é difícil perceber quando mentem ou falam a verdade. Difícil perceber o que, de fato, estão querendo. Nesse meio nos faltam informações ou leva muito tempo a termos os contatos que passam as versões etc etc etc.

Nesse sentido devo dizer algo sobre o Américo. Para ser pediatra é preciso uma sensibilidade de poucos. Lidar e encantar crianças é de uma virtude que eu mesmo não tenho. Ele tem. Fazer um diagnóstico de adulto, que sabe dizer onde está a dor, é difícil, imagine de um bebê. Outro detalhe que precisa ser observado: seu carinho por cães abandonados. Em duas de suas propriedades ele mantém mais de 40 cães que estavam pelas ruas. Todos muito bem alimentados e cuidados.

Esses dois detalhes mostram um perfil de cidadão que me faz ver o quanto difere dos demais. São diferenças que se somam a toda a sua cultura, às suas viagens e o seu afã por coisas que são comuns nos países de primeiro mundo e que estão longe de nós.

EU VOU VOTAR NO AMÉRICO FARIA - 25.

HABEAS CORPUS PARA SALVARO

Leia essa postagem de Ismail Ahmad Ismail, que esteve na administração "Márcio e Eu" em cargo comissionado, que depois comento:

"Gostaria de fazer aqui uma menção a Clésio Salvaro, sobre um assunto que ficou meio de lado. A fidelidade. Ao passar por tudo isso, seria de se pensar que arrefecesse. Mas não, Clésio arregaçou as mangas e trabalhou tanto ou até mais do que em sua própria campanha. Honrou sua palavra. Engraçado é que muitos o criticam dizendo que controla tudo com mão de ferro e não deixa ninguém crescer para não lhe fazer sombra. Pois bem senhores, sob sua coordenação a campanha de Márcio Búrigo foi o sucesso que foi, com a possibilidade inclusive de fazer mais votos que o próprio Clésio. E o pior, é que os colunistas políticos da cidade vivem salientando que o Clésio quer ser a estrela única. Pois bem, a resposta está aí. Enquanto do outro lado, fritaram uma liderança atrás da outra começando com o Antonelli e parando na Romanna (poe enquanto), Salvaro cumpre sua palavra e coloca seu candidato com quase 70% das intenções de votos."

Ao contrário do que sugere o Ismail esse político não quer, sequer, a possibilidade de que alguém lhe faça a menor sombra. Há apenas uma razão para Salvaro dar seu suor por Márcio Búrigo: evitar que mais sujeira venha à tona. 

segunda-feira, 25 de fevereiro de 2013

E O FORRO CAIU...

Olha o que saiu no site da prefeitura no dia 26 de março de 2012:

"Um dos maiores centros educacionais da rede municipal de ensino recebeu oficialmente, na noite desta segunda-feira (26), a entrega de reforma e ampliação. Com um investimento superior a R$ 190 mil, a escola Filho do Mineiro, no bairro Metropol tem a partir de hoje condições melhores de conforto para as mais de 600 crianças."

Essa mesma escola está entre as 51 que o governo anterior ao "Márcio e Eu" reformou. Antonelli disse que a metade da escola foi reformada em sua gestão e caiu uma parte do forro semana passada... Ora, se metade da escola estava em bom estado e Salvaro gastou mais 190 mil reais no restante, o que houve? Material de baixo custo? Falta de fiscalização? Reforma só de pintura? Desvio de recursos? Precisava fazer mais do que foi feito? Na houve uma avaliação adequada do prédio?

Não haverá resposta porque a prefeitura está nas mãos de quem precisa esconder muita coisa.

UM CABO ELEITORAL DO MÁRCIO

De quem Américo Faria está falando na postagem que fez em seu perfil do Facebook?

"Ontem adverti duramente uma liderança que acompanha o candidato Marcio que não vou tolerar que ele diga que estou recebendo dinheiro do candidato Ronaldo pra ser candidato a Prefeito. Disse, primeiramente, que não sou sensível a dinheiro. Dinheiro não faz diferença na minha vida. Ainda mais dinheiro sujo, sem vergonha, ilegítimo e mal ganho. Disse mais ainda: se a minha candidatura ''interessa'' a alguém é exatamente ao Marcio por fracionar as oposições. Maquiavel já nos ensinou, há mais de 500 anos, da necessidade de dividir pra governar. Infelizmente caráter e inteligência não estão à venda nas esquinas. Deixa eu ficar no campo das propostas e boas ideias. Melhor pra todos."

Se o fofoqueirinho colocar as garras de fora novamente daremos o nome!

PESQUISA DO JORNAL DA MANHÃ DE HOJE


UM RECADO PARA SALVARO

Clésio Salvaro marcou sua vida pública também como um fofoqueirinho barato. Nesse particular Américo Faria não escapou durante a campanha eleitoral, bem como Romanna Remor, da mesma forma como mudou o foco com aquela bobagem dos ''abutres'' que a população engoliu sem questionar. Afinal o tempo mostrou, através dos processos em andamento e que vai perdendo um após o outro, não movidos pelo PMDB ou pessoas ligadas a esse partido como noticiei aqui várias vezes.

O que Faria disse: "Ontem adverti duramente uma liderança que acompanha o candidato Marcio que não vou tolerar que ele diga que estou recebendo dinheiro do candidato Ronaldo pra ser candidato a Prefeito. Disse, primeiramente, que não sou sensível a dinheiro. Dinheiro não faz diferença na minha vida. Ainda mais dinheiro sujo, sem vergonha, ilegítimo e mal ganho. Disse mais ainda: se a minha candidatura ''interessa'' a alguém é exatamente ao Marcio por fracionar as oposições. Maquiavel já nos ensinou, há mais de 500 anos, da necessidade de dividir pra governar. Infelizmente caráter e inteligência não estão à venda nas esquinas. Deixa eu ficar no campo das propostas e boas ideias. Melhor pra todos."

Salvaro fez uma abordagem direta a um da coordenação de campanha de Americo afirmando (vejam só, nem perguntou, chegou afirmando) que o Democrata havia recebido 500 mil reais para beneficiar Ronaldo Benedet. A lógica é perversa, já que, além de mentir, tira o foco do que realmente interessa em se tratando de disputa: que a oposição esteja dividida em vários candidatos.

Na eleição de outubro Salvaro inventou desavergonhadamente que Romanna Remor levara 400 mil reais para ir para o PMDB. Como uma informação, que seria absolutamente sigilosa, seria de conhecimento de um adversário? Mas a posição dele, sua liderança, faz com os incautos e até pessoas não tão incautas reproduzam suas mentiras. E como sei que não houve esse pagamento? Não há como saber. Essas coisas são sigilosas. E se não há como saber não se pode afirmar que houve. Isso é óbvio. Qualquer coisa que Salvaro disser de negativo de seus adversários será mentira, exceto aquilo que for público. Simples assim.

Sou testemunha do quanto ele mentia contra seu desafeto, deputado Júlio Garcia, à época do PFL. Falava durante suas visitas aos municípios da região, com pessoas de boa índole, que dão crédito a um deputado. Valia-se dessa credulidade de gentes de cidades pequenas para fomentar rejeição a quem queria derrubar. Contudo, Garcia mostrou que era mais forte a ponto de Salvaro correr para o PSDB, partido do qual se tornou dono em Criciúma e até na região, hoje.

CLÉSIO SALVARO, o fato é que um dia encontrarás alguém que não o alertará feito Faria ou seja resiliente como Romanna. Um dia encontrarás alguém que vai resolver da pior maneira.

domingo, 24 de fevereiro de 2013

TERIA MÁRCIO BÚRIGO MENTIDO?

Interessante ver Márcio Búrigo mentir. Sim, mentiu. Ou teria dito a verdade? Mas pode tê-lo feito por desconhecimento ou mau uso das palavras. Vamos aos fatos.

Ao receber a prefeitura ao lado de seu mentor Clésio Salvaro, havia em caixa mais de 26 milhões em dinheiro da prefeitura e verbas federais carimbadas, como três milhões que, se não usados até Março de 2009, retornariam à origem, o Ministério da Educação, por exemplo. Os salários dos funcionários haviam sido pagos no dia 23 de dezembro de 2008 e todos os fornecedores também foram pagos até 31 de dezembro daquele ano. Anderlei Antonelli deixou a casa em ordem, exceto pela falta de algumas CNDs (Certidão de Negativa de Débito), as quais foram facilmente contornadas, tanto que a prefeitura recebeu muita grana federal. O que havia e o que há, além de dívidas, são parcelamentos e precatórios que vêm desde Nelson Alexandrino, José Augusto Hülse, Altair Guidi, Eduardo Moreira... Coisas que todas as gestões vão deixando pelo caminho dadas uma série de complicações burocráticas e processos judiciais e a gestão "Márcio e Eu" não é diferente.

No caso da CriciumaPrev o governo do Salvaro recebeu em dia quanto à parte dos funcionários e parcelado o patronal. Ao final, estava devendo ambos. Cometeu apropriação indébita!

Um dos fatos que comprovam isso está no fato que logo nos primeiros meses de mandato o governo "Márcio e Eu" adquiriu cerca de 40 veículos novos e pagou à vista.

Dívida é o que está por vencer, não o que está parcelado.

O que a prefeitura deve para o governo Federal é descontado dos repasses que tem direito. Ou seja, não deve nada, mas tem orçamento comprometido. Tem capacidade de investimento diminuída. Isso não é problema em si. Haja vista que se tem que pagar algo é porque executou.

De qualquer forma o desabafo do jornalista João Paulo Messer, colunista do Jornal da Manhã e apresentador da rádio Eldorado, reflete exatamente o que há em torno da prefeitura de Criciúma e as informações disponíveis: "...os Secretários da administração atual estão “amordaçados” e não dão entrevistas às rádios. Nesta semana tentei ouvir uma palavra sobre o fechamento da Casa de Saúde do Rio Maina e do parcelamento da dívida do CriciumaPrev, mas de novo fui informado que “estão avaliando se vão falar”. Não é para min, é para o ouvinte que quer informação."

O fato é que não existiu os 200 milhões em dívidas de que falou Márcio no debate da RBS. O que pode ter havido é o não uso de palavras corretamente. Porque dívida é algo que venceu, cujo pagamento não foi efetuado, que está atrasada. Se devia e renegociou deixou de ser dívida, porque passou a estar por vencer. Ou, na pior das hipóteses, ele está usando a palavra correta para sua própria gestão. Quem sabe o que se passa na cabeça dele?

sábado, 23 de fevereiro de 2013

PROMOTOR DESRESPEITADO PELOS SALVARETES

Quando o promotor público Maurício Medina denunciou o desvio das lajotas estava errado e agora está certo quando diz que não há ilícito em a empresa do ex-vice-prefeito, Márcio Búrigo, prestar serviço para a prefeitura.

Vamos aos fatos.

Em 2011 Medina, comandando um grupo composto pelo Ministério Público Estadual, Polícia Civil e Polícia Militar, chamado de Gaeco - GRUPO DE ATUAÇÃO ESPECIAL DE COMBATE AO CRIME ORGANIZADO, apurou um desvio de 1,2 milhão de reais. Naquele momento foi dito à imprensa, e está em várias jornais, que o rombo era maior, mas que esse valor era o que estava documentado. O prefeito à época, tratou com tal desdenho essa denúncia, que mais tarde veio a ser totalmente aceita pela Justiça, que nem afastou os denunciados. Pelo contrário, fez defesa pública deles. Salvaro riu do promotor. Seus aliados desprezaram o trabalho de um grupo de mais de 10 pessoas, de conduta ilibada, que se debruçaram mais de seis meses numa investigação profunda, que produziram mais de 10 mil páginas de documentos, para saírem aos quatro ventos atestando que o Gaeco estava errado, que Medina estava errado!

Agora, diante do fato exposto no meu blog, que você confere AQUI, o mesmo promotor, que analisou solitário os documentos que envolvem o caso, está absolutamente correto. Os mesmos que o condenaram desavergonhadamente antes se servem dele para arrotar licitude.

O nojo que tenho dessa gente chega ao ponto de não poder conter-me. Sim, são desprezíveis. Chafurdam nas próprias fezes e no próprio vômito.

sexta-feira, 22 de fevereiro de 2013

ELEITOR IRRESPONSÁVEL

Os fatos são incontestáveis. Durante quatro anos da administração ''Márcio e Eu'' convivemos com suspeitas e decisões judiciais assombrosas. E o ''assombrosas'' não é exagero, tampouco ênfase desmedida. Quando na história de Criciúma tivemos um Ministério Público apresentando farto material condenatório contra a prefeitura por desvios em pavimentação com lajotas? Quando a Justiça determinou que uma licitação fosse feita diante de uma renovação suspeita como a do transporte público? Quando tivemos uma denúncia de fraude na licitação do Estacionamento Rotativo? Quando tivemos um vice-prefeito como prestador de serviços para a prefeitura? Quando uma administração assume dever mais de 130 milhões e mais o que deve aos fornecedores que não se sabe quanto? São essas denúncias e ações na Justiça que me fazem usar a palavra ''assombrosas''. A impressão que tenho é que a Lei foi tratada como se não existisse.

''Mas fez mais que os demais prefeitos'', diriam alguns. Nenhum dos que me disseram isso souberam comparar governo por governo. E quanto mais seria feito sem desvios? Você faz ideia do que o cidadão deixou de receber por conta da má administração? O foco do eleitor está apenas no que foi feito, esquecendo-se do que deixou de ser feito. Outros tratam a coisa voltando-se para o passado ainda mais distante: outros roubaram e não fizeram. Ora, o que significa o ''não fizeram''? E o que faremos do futuro se aceitarmos essa condição?

Tudo isso tem o aval dos eleitores. Do ponto de vista da consciência e inconsciência, do íntimo, daquilo que nos move pela vida, temos o certo e o errado em mente. Contudo, a ''reeleição'' de Salvaro e a posição de Márcio nas pesquisas de intensão de votos, demonstram claramente que: boa parte do eleitorado não sabe o que está acontecendo, outra parte não acredita nas denúncias, outra parte prefere garantir meio prato de arroz que a possibilidade de uma boa refeição, outra parte não sabe avaliar coisa alguma e outra parte é safada mesmo pois aceita o ''rouba, mas faz''. Diante de tudo que se tem dito sobre a dupla ''Márcio e Eu'' e do efeito quase inócuo disso é possível atestar a anestesia do eleitorado, sua não-vontade de ver e, principalmente, não aceitar que, como eleitor, é responsável.

quarta-feira, 20 de fevereiro de 2013

EMPRESA DE MÁRCIO BÚRIGO RECEBE DA PREFEITURA DE CRICIÚMA (atualizado)

Observe as imagens abaixo e em seguida eu comento.



Durante os anos de 2009 e 2011, estando na condição de vice-prefeito de Criciúma, Márcio Búrigo (PP), agora candidato a prefeito, recebeu mais de 340 mil reais em prestações de serviços através do Laboratório Búrigo, no qual é sócio.

Na pesquisa que fiz essa situação é condenada em várias decisões em Tribunais. Uma delas, o vice-prefeito de Sulina, no Paraná, foi condenado a devolver os valores recebidos, estando na condição de prestador de serviços. Matéria sobre isso, postada no site do Ministério Público daquele Estado, você confere AQUI. A matéria diz que "os requeridos poderão sofrer as sanções previstas em lei, como ressarcimento do prejuízo, (...) perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de 5 (cinco) a 8 (oito) anos, além da proibição de contratar com poder público pelo prazo de 5 (cinco) anos."

Pelas datas dos pagamentos, disponíveis no site da prefeitura de Criciúma, vê-se que a prestação de serviço sessou em Março de 2011. Ao que parece perceberam o erro que vinham cometendo, senão teriam seguido adiante. Os advogados que consultei não têm convicção plena de um possível ilícito. O que poderia ser feito numa investigação é o cruzamento de dados de pagamentos a outros laboratórios e verificado se houve alguma vantagem para o Laboratório Búrigo, por exemplo. Neste caso vai além das minhas possibilidades.

Diante dessa publicação o ex-procurador do município de Criciúma, Giovanni Dagostin, publicou em seu perfil no Facebook: "Está sendo difundido nas redes sociais que o Laboratório Burigo, de propriedade do candidato Márcio Búrigo, recebeu pagamentos da prefeitura enquanto era Vice-Prefeito. É bom deixar claro que não existe qualquer irregularidade nos pagamentos efetuados. Enquanto Procurador Geral do Município, à época fui consultado e após minucioso estudo atestei que o Laboratório Búrigo não precisava deixar de prestar serviços ao município de Criciúma. Posteriormente, o caso foi apurado pela Promotoria da Moralidade Pública de Criciúma, e após terem sido prestadas todas as informações, concluiu o Promotor de Justiça Dr. Maurício de Oliveira Medina pela legalidade dos pagamentos efetuados." (atualizado em 11/02, às 11h07)

Conversei com o Promotor de Justiça Maurício de Oliveira Medina sobre o caso do Laboratório Búrigo, empresa de Márcio Búrigo, prestar serviços à prefeitura entre janeiro de 2009 e março de 2011. Ele confirmou que seu parecer foi pela licitude, haja vista que a empresa é credenciada no SUS e a escolha é feita pelo cliente do Sistema. Não há licitação para isso, pois não fere a igualdade de condições, em que todos os laboratórios podem prestar serviços de igual modo. Medina não comentou a decisão da empresa de interromper o fornecimento dos serviços de análises clínicas. (atualizado em 22/02, às 1640)

De qualquer forma é de praxe da boa relação entre o poder e empresa privada, e da boa moralidade, não haver a condição citada. Ainda mais no caso de Márcio Búrigo que também exerceu o cargo de prefeito interinamente.

Para mim fica a dúvida quanto à legalidade e a certeza quanto à moralidade.

terça-feira, 19 de fevereiro de 2013

SALVARO PODERIA ASSUMIR: UM CASO SEMELHANTE

Decisão do Tribunal Superior Eleitoral (TSE) determinou na tarde de sexta-feira o retorno imediato do prefeito eleito Paulo Alfredo Polis (PT), ao cargo de prefeito.

Eleitos em outubro com mais de 64% dos votos, os candidatos Paulo Polis(PT) e Ana de Oliveira (PMDB) tiveram o registro de candidatura cassado por suposta propaganda irregular e abuso do poder econômico. A impressão de uma entrevista com o prefeito em um anuário econômico publicado por um jornal local, com edição de 10 mil exemplares, foi considerada propaganda subliminar pela justiça local e pelo TRE.

Uma cautelar ingressada no TSE pela candidata Ana de Oliveira com pedido liminar, foi deferida pela Ministra Luciana Lóssio. Ela argumentou a decisão dizendo que não vislumbrava gravidade suficiente nas condutas investigadas para configurar abuso do poder econômico e político e uso indevido dos meios de comunicação social. Na decisão, a Ministra alerta ainda que manter afastado o candidato vencedor nas urnas teria prejuízo irreparável.

Com a decisão, o TRE comunicou que foi suspensa a realização da eleição suplementar marcada para o dia 3 de março em Erechim. Polis permanecerá no cargo até o julgamento final do recurso que tramitava no Tribunal Superior.

A cidade, que vivia clima de eleição reagiu de imediato à decisão do TSE. Militantes dos partidos de oposição recolhiam das ruas o material de campanha, enquanto carreatas, buzinaços e uma concentração em frente à prefeitura marcavam a comemoração.

Esta é a segunda eleição suplementar suspensa pelo TSE. Na semana passada, num caso muito semelhante ao de Erechim, o Tribunal também suspendeu a eleição suplementar de Vacaria, determinando o retorno do prefeito eleito Eloi Poltronieri (PT), ao cargo.

Publicado em ZERO HORA

segunda-feira, 18 de fevereiro de 2013

PESQUISA IPC/SOM MAIOR

Pesquisa estimulada IPC/Som Maior divulgada hoje.

Márcio Búrigo 61,44%
Ronaldo 16,96%
Brezola 3,04%
Cíntia 3,52%
Américo 2,72%
Rodrigo 0,80%
Indecisos 7,36

Margem de erro 4% para mais ou menos

domingo, 17 de fevereiro de 2013

FOTOS DO TEMPORAL DE HOJE





















ABSURDO É NÃO TER ISSO NO PLANO DE GOVERNO

Repasso aos leitores alguns trechos de publicações sobre distribuição de tablets por governos estaduais e Federal. Venho, com isso, reforçar a ideia de que a entrega desses equipamentos para alunos da rede municipal, que pretende Américo Faria, é absolutamente pertinente e está na ordem do dia. Aliás, não ter isso em um programa de governo é o mais absoluto demérito para um candidato a prefeito.

Governo do Estado de Santa Catarina
"No âmbito da pedagogia está prevista a entrega de mais de 11 mil tablets aos professores do Ensino Médio, além de lousas digitais, também conhecidas como computadores interativos, promovendo a inclusão digital de docentes e estudantes." (texto completo AQUI)

Governo do Estado do Rio Grande do Sul
"Em março, docentes do Ensino Médio do Rio Grande do Sul receberão 22 mil tablets em um programa do governo pela modernização tecnológica do ensino na rede pública." (texto completo AQUI)

Governo Federal
"O Ministério da Educação vai comprar 600 mil tablets para ser usado por professores do ensino médio das escolas públicas do país. O investimento, que será de R$ 150 milhões a R$ 180 milhões, foi anunciado pelo novo ministro, Aloizio Mercadante." (texto completo AQUI)

Governo do Estado de Pernambuco
"Estudantes de escolas estaduais dos municípios de Itaíba, Águas Belas, Iati, Saloá e Paranatama e outros municípios estão sendo contemplados com a mais nova ferramenta pedagógica usada na rede estadual: os tablets." (texto completo AQUI)

Tecnologia para a Educação
"A Intel apresentou em São Paulo seu primeiro tablet educacional. O dispositivo faz parte da linha Intel Learning Series e foi desenvolvido para atender necessidades de crianças em fase escolar. O aparelho é o primeiro da categoria desenvolvido exclusivamente para educação." (texto completo AQUI)

sexta-feira, 15 de fevereiro de 2013

IMAGENS DA QUEDA DE METEOROS

Vídeo que mostra algumas imagens da queda de meteoros nos montes Urais, na Rússia, que você vê AQUI.


quinta-feira, 14 de fevereiro de 2013

DA RENÚNCIA

A renúncia do Papa me fez lembrar daqueles hindus que renunciam até a comida, renunciam uma cama, família e tudo o mais. Também lembrei de nossos pais e tantas renúncias que fizeram por nós. Sim, a mãe do Fernandinho Beira-Mar também deve ter feito muitas renúncias. Puxa, lembrei do político que renunciou o convívio com a família, que renunciou muitos dias de folga pelo poder. E, como não poderia deixar de lembrar dos artistas que renunciaram a uma vida normal, sem poder mais ir à padaria buscar pão. Bá, e as transas com umas gostosas que renunciei por ser casado?

Afinal, o que vem a ser 'renúncia'?

Significado de Renunciar do dicionário online de português:
  • Abrir mão de, desistir da posse de: renunciar a uma herança.
  • Rejeitar, recusar, não querer: renunciar todo e qualquer compromisso social.
  • Renegar: renunciou a religião.
  • Deixar voluntariamente: renunciou ao cargo de ministro.
  • Renunciar ao mundo, consagrar-se à vida religiosa.


Primeiro, não se pode renunciar à uma expectativa. Um pai ou mãe que abre-mão da vida de solteiro não está necessariamente renunciando a lago melhor. Pode ser que seja satisfeito com a vida cuidando da prole. Porém, abrirá-mão, com certeza, de muito momentos, isolados, de passeios e festas, por exemplo.

Segundo, não se abre-mão do que não se tem. Por exemplo, abrir-mão de uma carreira profissional por isso ou aquilo. A carreira, em estando por vir, não é uma posse. Mas em existindo, estando em curso, certamente é abrir-mão.

O tema vem à baila com a renúncia ao papado por parte de Bento 16. Quanto a isso escrevi no Facebook: "A renúncia de Bento XVI é de uma grandeza inigualável. Poucos homens se tornam tão dignos quanto os que abrem mão do poder por perceberem suas limitações. Diferentemente daqueles que se apegam como donos ou dos que renunciam tal a pressão das forças ocultas."

Mas, como não poderia deixar de ser, as especulações correm soltas. Da mesma forma que em relação a você e a mim, da a proporção, quando renunciamos a um relacionamento que a família deseja, ou um emprego que não queremos

AS IGREJAS E A ELEIÇÃO: o exemplo da Igreja do Evangelho Quadrangular

O título poderia ser As Igrejas e a Política. Porém, pelo que se tem visto a relação se estabelece no âmbito das campanhas eleitorais. O maior exemplo disso é o próprio ex-prefeito Clésio Salvaro que passou quatro anos à frente da prefeitura e só procura as igrejas em época de busca de votos. Suponho que estas organizações devessem ser consultadas sobre vários assuntos durante um mandato. Um encontro de obreiros da Assembléia de Deus chega a ter 800 pessoas. Na CDL reúnem-se 20 ou 30.

Cito-o porque fiz a seguinte postagem no Facebook: "Enquanto isso... Clésio Salvaro, Márcio Búrigo e Verceli Coral são vaiados ao chegarem num retiro de Carnaval da Igreja do Evangelho Quadrangular, segundo informação do amigo Andre Abreu."

Este caso dividiu opiniões e muita gente falou com base no que ouviu falar de outro (jornalista não é fonte primária). As testemunhas poderiam ter encerrado a discussão e acabaram por manter dúvidas. Como podes conferir nestes dois comentários à postagem:

Adriano Romancini: "Esta informação é falsa! Minha opinião quanto a presença de políticos nas igrejas é de que não devem se misturar. O santo e o profano não combinam, ainda mais porque sabemos que há interésses (como dizia o saudoso Brizola). Quanto as vaias não existiram."

Andre Abreu: "Sou membro da Quadrangular, Adriano Romancini. Eles foram lá realmente e a vaia existiu. Ponto final. Tanto existiu que houve um movimento para escondê-la por parte dos fãs do ex-prefeito. O movimento acha esse assunto prioritário."

É bom esclarecer que a liderança dessa igreja ''fechou'' com Márcio Búrigo. O candidato foi sob a anuência dos pastores. As vaias podem até não terem sido dirigidas a ele e seus companheiros, mas foi o motivador da parada dos cânticos. Coisa absolutamente constrangedora e o erro foi dos dirigentes da reunião. Ora, ao verem os políticos deveriam esperar um momento mais adequado. Além disso, seria educado do candidato sentar-se participar das reunião. Chegar e sair durante o culto demonstra claramente que a visão é apenas de considerar o grupo como um amontado de eleitores, não de cidadãos que poderiam se manifestar, falar sobre o que pensam da cidade. Se a igreja quer mesmo dar espaço para candidatos deveria fazê-lo em igualdade de condições aos demais e impor condições. Contribuiria para a condução do município. Da forma como foi feito trata-se de manipulação dos membros, chamados na Bíblia de ''Corpo de Cristo''. Em sendo esse o tratamento que dão ao Corpo de Cristo vê-se que a condução desse mesmo corpo deva ser questionada.

Não vejo problema alguma de uma comunidade religiosa participar desse momento cívico. Pelo contrário, como instituição que atua na condução e orientação de cidadãos deva mesmo se envolver. Contudo, que haja critério e o que a Quadrangular demonstrou neste momento foi a total falta deles.

quarta-feira, 13 de fevereiro de 2013

MANIFESTO CONTRA AUMENTO DE IMPOSTOS


Doze entidades empresariais catarinenses assinaram manifesto em protesto ao Decreto 1357, por considerar que o consequente aumento de impostos será prejudicial a toda a cadeia produtiva, em especial às empresas optantes pelo Simples Nacional, e chegará ao consumidor final.
 
Confira a íntegra da nota:
 
As entidades abaixo nominadas vem por meio deste documento expressar manifestação contrária ao Decreto 1357, de 28 de janeiro de 2013, que introduziu alterações 3.129 e 3.130 ao RICMS/SC-01.
 
Gostaríamos de ponderar que entendemos o posicionamento do Governo do Estado e da Secretaria da Fazenda em ampliar a base de arrecadação e ao mesmo tempo proteger o mercado interno das medidas de guerra fiscal que tem ocorrido entre os estados vizinhos.
 
No entanto, como representantes dos profissionais da área contábil e representantes das empresas catarinenses, incluindo os mais variados segmentos, consideramos que o consequente aumento de impostos será prejudicial a toda a cadeia produtiva em especial as empresas optantes pelo Simples Nacional e chegará ao consumidor final.
 
Também destacamos que a classe contábil apresenta a todos os órgãos fiscalizadores quase uma centena de obrigações acessórias e a presente alteração vem criar mais uma, o que acarreta um sobretrabalho a um setor assoberbado e que sofre com a falta de mão de obra especializada.
 
Considerando que esse Decreto altera o cálculo do ICMS, mediante aplicação da diferença entre a alíquota interna e interestadual sobre o valor da operação constante no documento fiscal;
 
Considerando que o artigo 60 da alteração 3129 amplia genericamente as mercadorias que devem recolher o imposto por ocasião da entrada no Estado, passando de itens específicos para as mercadorias provenientes de outra unidade da Federação, destinadas à industrialização ou comercialização (exceto aquelas submetidas ao regime de substituição tributária regidas em dispositivos próprios, relativo à diferença entre as alíquotas interna e interestadual), mas inclusive na hipótese de o contribuinte destinatário ser microempresa ou empresa de pequeno porte, optante pelo Simples Nacional;
 
Considerando que o Decreto ainda inclui no pagamento do imposto devido pela diferença entre as alíquotas interna e interestadual de alíquota a mercadoria adquirida por microempresa ou empresa de pequeno porte optante pelo Simples Nacional, destinada ao ativo imobilizado ou a uso e consumo;
 
Considerando outras alterações que incidirão diretamente no custo dos produtos para os moradores catarinenses, solicitamos: - que a Secretaria da Fazenda possa reavaliar as alterações nesse Regulamento (RICMS) para que não haja prejuízo à cadeia produtiva, de comércio e serviços. - que a Secretaria da Fazenda considere o pedido das representações profissionais e empresariais aqui descritas e amplie o debate sobre o assunto; - que o Governo do Estado aprofunde os estudos sobre o impacto dessas alterações nas alíquotas do ICMS a fim de reconhecer a eminência de um prejuízo também aos cofres públicos no caso de diminuição da base de arrecadação por microempresas e empresas de pequeno porte.
 
Expressamos nosso repúdio à assinatura do Decreto 1357, aguardando um posicionamento da Secretaria de Estado da Fazenda.
 
Florianópolis, 04 de fevereiro de 2013.
 
Assinam:
 
Adilson Cordeiro, presidente do CRCSC
Fernando Baldissera, presidente do Sescon Grande Florianópolis
Elias Nicolleti Barth, presidente do Sescon SC
Rodolfo Grosskopf, presidente da Fecontesc
Sérgio Medeiros, presidente da FCDL/ SC
Daniela Zimmermann, presidente do Sescon Blumenau
Kátia Cilene Tavares, Núcleo de Contadores em Gestão Empresarial de São José
John Kennedy Lara da Costa, Núcleo de Contadores em Biguaçu
Tito Alfredo Schmidt, presidente da AEMFLO/CDL São José
Silvio Marques, vice-presidente da ACOMAC
Jorge Guarezi, presidente FECOMAC/SC
Doreni Caramori, presidente da ACIF

segunda-feira, 11 de fevereiro de 2013

O COORDENADOR DE CAMPANHA DE MARCIO BURIGO

Coordenador de campanha de Márcio Búrigo é o ex-prefeito Clésio Salvaro. Como tal deveria ser um aliado ilibado, de conduta decorosa e exemplar. Nada disso. Além da desonrosa cassação desferida pelo Tribunal Superior Eleitoral (TSE), enfrenta novamente o Tribunal de Justiça de Santa Catarina, dia 9 de abril, às 14 horas. Desta vez responderá sobre duas de suas ONGs sob acusação de desviar dinheiro de subvenções.

Sim, Salvaro responde processo por desvios de subvenções através de ONGs. Vale lembrar que o endereço de três delas (Bem Viver, Bem Viver Melhor e Criciúm@ção) é exatamente onde está o diretório do PSDB hoje e era, à época das denúncias, o escritório político do, então, deputado estadual. Sendo que, tanto o aluguel, quanto telefone, energia, internet, água e salário de uma funcionária eram pagos pela Assembléia Legislativa, sob um contrato fraudado. Tudo com dinheiro depositado na conta bancária pessoal do tucano.

Uma condenação envolvendo esse mesmo endereço, a do aluguel forjado, você pode conferir AQUI. Isso não consta de crimes que o fizeram cassado na eleição de outubro de 2012. O conteúdo é tal e tão bem fundamentado que não resta dúvidas do rolo em que se meteu o ''melhor'' prefeito da História de Criciúma. Dou por certo que está inelegível por mais de uma década, haja vista que as condenações ainda chegarão a termo e o impedirão por oito anos além. Por exemplo, se condenado em 2014 seguirá inelegível até 2022.

A questão que Búrigo, tampouco seus eleitores, não quer responder é como não relacionar um político a outro. Uns dos argumentos para receber votos é que o povo não quer mais saber do PMDB. Sim, entendo isso. Mas em havendo mais opções por que insistir nessa dicotomia burra? O eleitor precisa relacionar os fatos. Afinal, na condição de mentor político de um candidato é razoável considerar a influência de um sobe o outro. Não diziam que Décio era mandado? Não diziam de Meller era mandado?

A CONDENAÇÃO DE CLÉSIO SALVARO

A manifestação do Juiz Luiz Antonio Zanini Fornerolli sobre o aluguel forjado das salas de Cléso Salvaro, no edifício Uno, centro de Criciúma.


O deputado Clésio Salvaro, no afã de enriquecer-se ilicitamente, teria forjado a venda de duas salas comerciais suas (nºs 208 e 210 do Edifício Empresarial Uno, Rua João Pessoa, nº 445, Criciúma) para posteriormente alugá-las e assim ser indenizado pela ALESC.
A instrução processual demonstrou que o réu praticou mais que um mero ilícito civil consistente na simulação de um negócio jurídico, especialmente porque induziu a Administração a despender recursos púbicos para fazer frente às suas ambições espúrias.
A atitude do réu é condenável. O deputado valeu-se das benesses concedidas pelo Parlamento para praticar ato imoral, ilegal e lesivo aos cofres públicos, sendo que tudo há prova no processo.
A compra e venda das salas comerciais de fato nunca existiu.
Talvez a prova mais contundente é que o comprador Rafael Valvassori Bacis, à época do suposto negócio, tinha apenas 18 anos, era estudante e não tinha economia própria.
A Receita Federal informou que Rafael, nos exercícios 1996 a 2000 não apresentou declarações e exercícios 2001 a 2004 declarou-se isento (fl. 188). Como então teria adquirido os imóveis-! E outra indagação: se efetivamente houvesse comprado imóveis estes teriam sido declarados ao Fisco no ano seguinte ao da compra, o que também não ocorreu.


Não é só isso.
O deputado Clésio Salvaro disse que o contrato inicialmente havia sido feio de forma verbal, por isso havia percebido aluguéis antes mesmo da formalização do contrato de compra e venda.
Sinceramente, processualmente esse fato inexiste, pois dele o réu não fez prova. Inimaginável que uma pessoa minimamente instruída transacionasse a propriedade de um bem imóvel sem que o contrato fosse por instrumento público.
O contrato particular de compra e venda com firma reconhecida em cartório, firmado posteriormente ao dito ajuste verbal, é demasiadamente frágil como meio de prova dos fatos articulados pela defesa, sendo vã tentativa do réu em dar aparência de veracidade à venda, afinal de contas, se o negócio houvesse ocorrido, o mais coerente seria o ajuste por meio de escritura pública.

A escolha da pessoa de Rafael Valvassori Bacis foi conveniente para facilitar a concretização do objetivo do réu, pois aquele era cunhado de seu assessor de gabinete, proximidade esta que lhe asseguraria não só o sigilo da empreitada ilícita e seu êxito, como também a expectativa de que futuramente o apontado "comprador" não lhe exigiria o bem, pois se tudo fora forjado para obter proveito do Poder Público, que explicação daria o deputado se eventualmente tivesse que negar os direitos inerentes à propriedade ao tal comprador-!
É notável, pelo que consta dos autos, a existência de ferrenha discórdia entre o autor Carlos Alberto Moyses e Clésio Salvaro, fato insistentemente anunciado pelo réu como modo de desqualificar a ação, imputando ao autor a pecha da litigância de má-fé.
Isso não importa. Se realmente a tese defensiva procedesse e a ação não passasse de conspiração contra o réu, facilmente este poderia ter comprovado a maldosa litigância do autor, ao invés de tentar se esquivar da responsabilidade, trazendo documentos apenas relacionados com os problemas pessoais entre ambos. Nenhuma prova substanciosa acostou aos autos, tendo inclusive desistido da oitiva de algumas testemunhas.
Justamente por ter assinado o contrato de compra e venda como testemunha e ter sido assessor do réu, isso confere ao autor uma certa credibilidade nas alegações, particularmente no que toca à falsa venda dos imóveis.
Como por um certo momento fez parte da equipe do réu, o autor teve a oportunidade de saber sobre as condições pessoais de Rafael Valvassori Bacis e comprovar até mesmo sua insuficiência econômica para adquirir o bem.
Ainda que o motim da ação tenha advindo de sentimento pessoal de vingança, o fato é que a versão narrada na inicial ficou comprovada no processo ao fim da instrução, demonstrando que a compra e venda foi simulada e que o deputado Clésio Salvaro não poderia receber os valores pagos pela ALESC.
Diz o Código Civil em seu art. 167, caput e § 1º, que é nulo o negócio jurídico simulado, especificamente quando o ajuste aparentar conferir direitos a pessoas diversas daquelas às quais realmente se conferem.
É justamente o caso dos autos, onde a propriedade das salas nunca foi de Rafael Valvassori Bacis!
Assim, o deputado Clésio Salvaro jamais poderia ter recebido verba indenizatória de imóveis que nunca alugou, pois os mesmos eram e permanecem seus, ao que até agora os autos indicam.

Conclui-se, então, que os pagamento feitos pela Assembléia Legislativa a título de verba de extensão de gabinete ao réu Clésio Salvaro, no valor total de R$ 5.985,00, referente a nove meses de aluguel no valor de R$ 665,00 (fl. 189), de junho/2003 a fevereiro/2004, constituiu ato nulo por manifesto desvio de finalidade, servindo apenas de fonte de enriquecimento sem causa do réu Clésio Salvaro.
Robustece a desonestidade do agente público a especial circunstância de que fez constar no falso contrato de locação apenas a sala 208, entretanto, a área informada no contrato de aluguel significa a soma das salas 208 e 210, demonstrando que o requerido justificou o preço do aluguel como se tratasse de uma sala maior.
Enfim, o escopo era tirar maior proveito possível dos cofres públicos.
Tocante ao desvio de finalidade, diz Celso Antônio Bandeira de Mello: "..O ato maculado deste vício direciona-se a um resultado diverso daquele ao qual teria de aportar ante o objetivo da norma habilitante. Há, então, um desvirtuamento do poder, pois o Poder Público, como de outra feita averbamos, falseia, deliberadamente ou não, com intuitos subalternos ou não, aquele seu dever de operar o estrito cumprimento do que se configuraria, ante o sentido da norma aplicanda, como o objetivo prezável e atingível pelo ato. Trata-se, pois, de um vício objetivo, pois o que importa não é se o agente pretendeu ou não discrepar da finalidade legal, mas se efetivamente dela discrepou." (Curso de Direito Administrativo. 25ª edição. 2008. p. 964)
Além de ilegal, o pagamento dos aluguéis por solicitação do réu Clésio Salvaro gerou prejuízo econômico aos cofres públicos equivalente a R$ 5.985,00, em valores históricos, implicando no dever de indenizar as perdas e danos sofridas pelo erário.
Prescreve o art. 2º, caput, "e", e art. 11, ambos da lei 4.717/65, o seguinte: São nulos os atos lesivos ao patrimônio das entidades mencionadas no artigo anterior, nos casos de:
....
e) desvio de finalidade
...
Art.11 A sentença que, julgando procedente a ação popular, decretar a invalidade do ato impugnado, condenará ao pagamento de perdas danos os responsáveis pela sua prática e os beneficiários dele, ressalvada a ação regressiva contra os funcionários causadores de dano, quando incorrerem em culpa.
Ocioso, à conta de tudo o que foi visto, maiores discussões sobre o elemento subjetivo que integra o dever de indenizar.
A conduta do réu foi manifestamente dolosa, fraudulenta e de má-fé. Também foi imoral e por tudo isso deve o réu ressarcir o numerário que indevidamente recebeu do Estado, identificados na fl. 189 por meio da seguinte tabela:

Data pagamento
NE OB Valor pago Mês referência/aluguel
21/08/2003 3143 00801 665,00 Junho/03
21/08/2003 3143 00801 665,00 Julho/03
23/10/2003 4182 01050 665,00 Agosto/03
03/12/2003 4710 01213 665,00 Setembro/03
03/12/2003 4710 01213 665,00 Outubro/03
17/12/2003 5142 01298 665,00 Novembro/03
01/04/2004 953 00348 665,00 Dezembro/03
01/04/2004 952 00348 665,00 Janeiro/04
01/04/2004 952 00348 665,00 Fevereiro/04

À luz do exposto, ACOLHO o pedido do autor para declarar nulos os pagamentos feitos pela Assembléia Legislativa de Santa Catarina a Clésio Salvaro a título de despesa com aluguel de escritório funcional, no período de junho de 2003 a fevereiro de 2004, totalizando R$ 5.985,00 (cinco mil reais, novecentos e oitenta e cinco reais) em valores históricos, condenado o réu a devolver os cofres públicos esta quantia recebida, devidamente atualizada.
A correção monetária será pela Taxa SELIC a partir da data de cada pagamento até 29/06/2009. A partir do dia 30.06.2009, deverá ser feita na forma disposta no art. 1.º-F da Lei 9.494/97 com a redação dada pela Lei n.° 11.960/2009, conforme precedente do STJ no AgRg nos EmbExeMS 11819/DE, rel. Ministra Laurita Vaz.
Condeno o réu, ainda a pagar as custas processuais e honorários advocatícios em favor do advogado do autor no valor de R$ 3.000,00.
P. R. I.
Florianópolis (SC), 08 de agosto de 2012.


Luiz Antonio Zanini Fornerolli
Juiz de Direito


TEXTO OFICIAL DA RENÚNCIA DO PAPA BENTO XVI


Leia íntegra do anúncio de renúncia do Papa Bento XVI

Publicação: 11/02/2013 10:41 Atualização:
O Papa Bento VXI vai renunciar a seu pontificado no próximo dia 28 de fevereiro, anunciou nesta segunda-feira o Vaticano. Leia abaixo a íntegra do anúncio da renúncia do Papa:

"Caríssimos irmãos,

Convoquei-vos para este Consistório não só por causa das três canonizações, mas também para vos comunicar uma decisão de grande importância para a vida da Igreja. Depois de ter examinado repetidamente a minha consciência diante de Deus, cheguei à certeza de que as minhas forças, devido à idade avançada, já não são idôneas para exercer adequadamente o ministério petrino. Estou bem consciente de que este ministério, pela sua essência espiritual, deve ser cumprido não só com as obras e com as palavras, mas também e igualmente sofrendo e rezando.

Todavia, no mundo de hoje, sujeito a rápidas mudanças e agitado por questões de grande relevância para a vida da fé, para governar a barca de São Pedro e anunciar o Evangelho, é necessário também o vigor quer do corpo quer do espírito; vigor este, que, nos últimos meses, foi diminuindo de tal modo em mim que tenho de reconhecer a minha incapacidade para administrar bem o ministério que me foi confiado. Por isso, bem consciente da gravidade deste ato, com plena liberdade, declaro que renuncio ao ministério de Bispo de Roma, Sucessor de São Pedro, que me foi confiado pela mão dos Cardeais em 19 de Abril de 2005 pelo que, a partir de 28 de Fevereiro de 2013, às 20 horas, a sede de Roma, a sede de São Pedro, ficará vacante e deverá ser convocado, por aqueles a quem tal compete, o Conclave para a eleição do novo Sumo Pontífice.

Caríssimos Irmãos, verdadeiramente de coração vos agradeço por todo o amor e a fadiga com que carregastes comigo o peso do meu ministério, e peço perdão por todos os meus defeitos. Agora confiemos a Santa Igreja à solicitude do seu Pastor Supremo, Nosso Senhor Jesus Cristo, e peçamos a Maria, sua Mãe Santíssima que assista, com a sua bondade materna, os Padres Cardeais na eleição do novo Sumo Pontífice. Pelo que me diz respeito, nomeadamente no futuro, quero servir de todo o coração, com uma vida consagrada à oração, a Santa Igreja de Deus.

Vaticano, 10 de Fevereiro de 2013.

BENEDICTUS PP XVI"

sábado, 9 de fevereiro de 2013

A RECEITA DO SALVARO

A tal enxurrada de votos do Salvaro vem de uma crescente de há uns 20 anos, pelo menos. Engana-se quem acha que é resultado de uma administração. CS vinha em processo de crescimento e não teve um dia que não estivesse em contato com o eleitor durante seu mandato de deputado e prefeito.

Fazia roteiro intenso de festas nos finais de semana, indo de mesa em mesa. Telefonava para centenas de aniversariantes, distribuía subvenções do Estado para privilegiar cabos eleitorais. Ficava com a família somente no domingo à noite.

Como nenhum outro fazia isso tão intensamente, ele construiu uma aproximação inigualável com o eleitor. Além disso, priorizou obras de impacto visual. Ele fez a análise perfeita da capacidade de avaliação do eleitor que dá mais valor para um posto de saúde novinho do que para os serviços que deveria prestar.

Note, por exemplo, que há quem elogia a maravilhosa obra na Centenário sem ao menos saber como é em seu todo, tampouco observam o canteiro central. Isso se dá porque poucos andam por ali em sua extensão. Como, neste caso, nunca foi bom, o povo não tem do que reclamar. Não há o comparativo.

O povo quer apertar a mão do político, mais do que saber se trabalha de fato. Aliás, para o parlamentar não aparecer baste dedicar-se às prerrogativas do mandato. Fui assessor parlamentar, sei como funciona. CS nunca trabalhou como deputado! Sequer ía nas sessões, chegava em plenário apenas para as votações e corria de volta para o gabinete atender as pessoas e dar telefonemas para cabos eleitorais. Ele dedicava à atividade política, não à de deputado em si. Jamais fez um pedido de informação, que seria para fiscalizar o governo do Estado. Sequer lia o que encaminhava na Alesc. Parece absurdo? Sim, os assessores faziam tudo, até assinar em seu nome, quando não eram documentos comprometedores.

Esses detalhes o eleitor não vê e nem se interessa em ver, não quer entender a dimensão de ter um politico que trata o mandato com desprezo.

sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

CARTA ABERTA AOS SKATISTAS DE CRICIÚMA

Em 1997 comecei a atuar com os skatistas de Criciúma. Não lembro o mês, mas nesse ano acompanhei o primeiro campeonato no Centro Social Urbano da Próspera com uma estrutura absolutamente precária. Os ''carrinhos'' eram apreendidos pela Polícia Militar dada as reclamações de populares, haja vista que granitos das entradas de prédios eram quebrados quando a gurizada os usava como obstáculo. Não tínhamos pista e o esporte estava marginalizados, era coisa de drogados.

Iniciamos a luta para a construção da pista ao lado do ginásio municipal. O primeiro projeto, feito pelo arquiteto Giuliano Colossi, da antiga Codepla, era básico para um campeonato de street. Foi aprovado pela galera da época. O prefeito Paulo Meller fez o lançamento e fomos em peso. Não fez. Quando Décio Góes assumiu tratou de providenciar outro projeto com um arquiteto de São Paulo. O projeto ficou de encher os olhos. Novo lançamento, fomos em peso ao Salão Ouro Negro do Paço e, novamente, nenhuma obra. Antonelli assumiu e novamente fui convidado para o lançamento da obra. Então me recusei! Desta vez a obra saiu como a temos hoje, com o projeto de Góes. Na inauguração um belo evento e a gurizada detonando.

Mas antes dessa pista surgiu a Go U Way com uma pista coberta no final da Centenário, ao lado do posto Barp. Fiz dois campeonatos lá e mais um em Araranguá (neste tomei um baita prejuízo financeiro). A premiação era a melhor até então. Nessa época também consegui recursos para a gurizada correr duas vezes em Florianópolis e em Novo Hamburgo (RS). Também fui o único do Sul do Estado a participar do I Congresso Brasileiro de Skate em São Paulo, em 2002.

Em toda essa época disponibilizei dos meus recursos e do meu tempo pelo esporte até que outros tomaram a frente e o skate cresceu como se vê hoje. Porém, está muito longe do que poderia estar. E o esporte não irá muito mais que isso com a migalha que foi dada pela prefeitura até o momento.

Hoje tenho a possibilidade ter muito maior acesso ao poder através de Américo Faria como prefeito. É meu compromisso dar um salto nunca dantes dado pelo skate. Chegou a hora de termos eventos não mais com patrocínios pedidos com pires na mão. É hora de realizarmos eventos em nível nacional e o desafio está lançado.

Eu quero realizar e tenho história para provar que posso.

Vote 25 no dia 3 de março!

UM EXEMPLO (muito) INTERESSANTE

Um amigo deu-me algumas razões para explicar e justificar o porquê, sendo homem maduro, de ter relacionamentos com meninas, pouco acima dos 20 anos. Antes que digam que elas estão com ele por causa do dinheiro devo dizer que é isso mesmo. Qual o problema se tem mulher casada que se mantém no casamento porque o marido dá um bom padrão de vida? Faz diferença? Não tem o que temer com os tais golpes do baú, basta alguns cuidados bem simples. Mas vamos às suas razões, com algum acréscimo por minha conta:

Não quer ascendência social;
Não quer filhos;
Não quer a incomodação dos relacionamentos que têm mulheres maduras com seus ex-isso e ex-aquilo, tampouco com os filhos que possam ter;
Não quer saber das exigências que mulheres maduras fazem (e fazem mesmo. Muitas!);
Não quer cobranças para visitar parentes e coisas semelhantes;
Se quer viajar vai e não dá satisfação de nada;
Se leva chifre pouco se importa porque a vida já não tem as paixões que a mocidade impõe e tem outra logo ali adiante disponível;
Quer, como frisou bem, a beleza e a juventude que não tem mais.

Pressionado por um dos filhos respondeu: ''Deverias me perguntar se estou feliz...''

DOIS TRILHÕES EM DÍVIDAS

Dívida interna do Brasil chegou a 2 trilhões de reais. Nunca dantes na história deste país isso ocorreu.

De acordo com o governo o crescimento de R$ 37,66 bilhões na dívida pública no mês de setembro, por exemplo, se deu, principalmente, por conta da emissão líquida de papéis no valor de R$ 23,5 bilhões. Dentro deste valor, está a emissão de R$ 21,1 bilhões para capitalizar o Banco do Brasil (R$ 8,1 bilhões) e a Caixa Econômica Federal (R$ 13 bilhões).

Estes valores foram "emprestados" para os bancos públicos. O empréstimo feito pelo Tesouro é usado, principalmente, para financiar programas como o  Minha Casa Minha Vida.

Informações do G1.

quinta-feira, 7 de fevereiro de 2013

SITE DE TRAIÇÃO CONJUGAL


Em um ano, Brasil vira o segundo maior mercado para site de traição
Com filiais em 25 países, Ashley Madison vibra com o desempenho  em seus primeiros meses de operação no País.
Por Diego Marcel
Há pouco mais de um ano, o site americano que promove relacionamentos extraconjugais Ashley Madison chegou ao Brasil. Nesse breve período de operação, o País já é o segundo maior faturamento mundial da empresa, que conta com filiais em 25 países.
“O Ashley Madison registrou faturamento de US$ 120 milhões em 2012. A receita específica do Brasil ainda não é divulgada, mas posso antecipar que é o segundo mercado mais lucrativo”,afirmou ao blog Eduardo Borges, diretor-geral do Ashley Madison no Brasil. O país ficou atrás somente dos Estados Unidos nos números gerais. A empresa foi criada pelo empresário canadense Noel Biderman.
Hoje, a filial brasileira do site tem 1,1 milhão de usuários cadastrados. Apesar de ser o segundo mercado em quantidade de usuários, o Brasil é a região onde o site tem a maior disseminação proporcional, segundo Borges. Isso porque o líder em número de assinantes, os Estados Unidos, possui um total de internautas muito superior ao registrado aqui – cerca de 250 milhões de internautas americanos ante 90 milhões de brasileiros.
O canadense Noel Biderman é o criador do Ashley Madison
Mulheres cariocas
Os números referentes ao País se destacam também pela proporção de mulheres inscritas no site. Segundo Borges, o Rio de Janeiro é o Estado que apresenta a maior taxa de mulheres em comparação ao número de homens que assinam o serviço. “A carioca se destaca como a mais infiel do mundo”, afirma.
O site funciona da seguinte forma: o internauta pode navegar e fazer cadastros gratuitamente. Mas, se houver o interesse por alguém, deve comprar “créditos” para responder a um e-mail ou iniciar um chat. Depois da primeira conversa, o contato entre essas duas pessoas é livre no ambiente do site. Dessa forma, a empresa evita que o usuário migre para o MSN, por exemplo, para continuar o papo e deixe rastros das suas atividades. No Brasil, o pacote de créditos mais barato custa R$ 49 mensais.
Polêmicas
O Ashley Madison se tornou um site popular no mundo, mas isso não foi conquistado sem polêmicas.  Várias redes de tevê já se negaram a veicular seus comerciais nos EUA. Em um dos casos mais notórios, as redes Fox e NBC e a Liga Nacional de Futebol Americano se recusaram em 2011 a veicular publicidade do site no intervalo do Superbowl, a final do campeonato de futebol americano, o evento mais assistido da tevê nos EUA.
Em reportagem publicada pela revista Dinheiro em setembro de 2011. “O serviço é moralmente questionável, mas é legal”, disse na ocasião Chen Long, advogado e doutor em filosofia e teoria geral do direito pela Faculdade de Direito da Universidade de São Paulo. “A infidelidade em si não é crime, pois a Constituição garante ao indivíduo o direito à liberdade e à livre conduta.”

Publicado em IstoÉ Dinheiro.

O FURO DA PESQUISA JM/MAPA

Márcio Búrigo caiu mais de 10% na pesquisa estimulada JM/Mapa em duas semanas: de 61,8% para 55,2%. Ronaldo despencou em 19,8%. De 17,2% para 13,8%. Américo manteve-se em 1% e Brezola foi o único a subir, em 35%, passando de 2,0% para 2,7%. Os indecisos quase duplicaram. De 9,9% para 18%. Justamente os que deixaram de votar em Marcio e Ronaldo. E se deixaram de optar é porque não votarão. Há pouco mais de duas semanas das eleições uma queda dessas nos que estão nas primeiras posições é de deixar qualquer comitê em polvorosa.


Não é meu hábito duvidar de pesquisa, pela simples razão que não posso provar que esteja errada. Mas quando os índices percentuais ultrapassam em muito os 100% é de se desconfiar. Na dúvida, calcule você aos números apresentados na imagem a seguir:


O editor-chefe do JM, Altair Magagnin Junior, informou que "a pergunta no item rejeição evolutivo é "Se a eleição fosse hoje e sendo estes os candidatos a prefeito de Criciúma, em qual o (a) sr (a) NÃO VOTARIA DE JEITO NENHUM? MAIS ALGUM?" Desta forma, o tópico prevê resposta múltipla, portanto, o total soma mais de 100%. Erramos ao não informar este detalhes. Ficamos à disposição para eventuais esclarecimentos."


Além disso, todos cresceram na pesquisa espontânea.