segunda-feira, 31 de março de 2014

CARTA DE JOAQUIM BARBOSA CHUTANDO O BALDE COM A REVISTA ÉPOCA

Sr. Diretor de Redação,
A matéria “Não serei candidato a presidente” divulgada na edição nº 823 dessa revista traz em si um grave desvio da ética jornalística. Refiro-me a artifícios e subterfúgios utilizados pelo repórter, que solicitou à Secretaria  de Comunicação Social do Supremo Tribunal Federal para ser recebido por mim apenas para cumprimentos e apresentação. Recebi-o por pouco mais de dez minutos e com ele nao conversei nada além de trivialidades, já que o objetivo estabelecido, de comum acordo, não era a concessão de uma entrevista. Era uma visita de cunho institucional do Diretor da Sucursal de Brasília da Revista Época. Fora o condenável método de abordagem, o texto  é repleto de erros factuais, construções imaginárias e preconceituosas, além de  sérias acusações contra a minha pessoa.
A matéria é quase toda construída em torno de um crasso erro factual. O texto afirma que conheci o ministro  Celso de Mello na década de 90, e que este último teria escrito o prefácio do meu livro "Ação Afirmativa e princípio Constitucional da Igualdade". Conheci o ministro Celso de Mello em 2003, ano em que ingressei no STF. Não é dele o prefácio da obra que publiquei em 2001, mas sim do já falecido professor de direito internacional Celso Duvivier de Albuquerque Melo, que de fato conheci nos anos 90 e foi meu colega no Departamento de Direito da Universidade do Estado do Rio de Janeiro.
Mais grave, porém, é a acusação de que teria manipulado uma votação, impedindo deliberadamente que um ministro do STF se manifestasse. O objetivo seria submeter o ministro a pressões da "mídia" e de "populares". Isso não é verdade. Ofensiva para qualquer cidadão, a afirmação ganha contornos ainda mais graves quando associada ao Chefe do Poder Judiciário. Portanto, antes de publicar informação dessa natureza, o repórter tinha a obrigação de tentar ouvir-me sobre o assunto, o que pouparia a revista de publicar informação incorreta sobre minha atuação à frente da Corte. 
No campo pessoal, as inverdades narradas na matéria são ainda mais ofensivas e revelam total desconhecimento sobre a minha biografia. Minha mãe nunca foi faxineira. Ela sempre trabalhou no lar, tendo se dedicado especialmente ao cuidado e à educação dos filhos. O texto, que me classifica como taciturno, áspero, grosseiro, não apresenta fundamentos para essas afirmações que, além de  deselegantes, refletem apenas a visão distorcida e preconceituosa do repórter. O autor da matéria  não apresenta elementos que sustentem os adjetivos gratuitos que utiliza.
Também desrespeitosa é a menção aos meus problemas de saúde. Ao afirmar que a dor causou “angústia e raiva”, o jornalista traçou um perfil psicológico sem apresentar os elementos que lhe permitiram avaliar o impacto de um problema de saúde em uma pessoa com a qual ele nunca havia sequer conversado.
Outra falha do texto é a referência à teoria do "domínio do fato". Em nenhum momento a teoria foi evocada por mim para justificar a condenação dos réus no julgamento da Ação Penal 470. Basta uma rápida leitura do meu voto para verificar esse fato.
Finalmente, não tenho definição com relação ao momento de minha saída do Supremo e de minha aposentadoria. Muito menos está definido o que farei depois dessa data, embora a matéria tenha afirmado – sem  que o jornalista tenha sequer tentado entrevistar-me sobre o tema – que irei dedicar-me ao combate ao racismo.
Triste exemplo de jornalismo especulativo e de má-fé.
Joaquim Barbosa
Presidente do Supremo Tribunal Federal

quinta-feira, 27 de março de 2014

NOTA DE ESCLARECIMENTO DA FAMCRI SOBRE SHOPPING DAS NAÇÕES E PARQUE SHOPPING CRICIÚMA

Considerando o teor das notícias veiculadas nos últimos dias pela mídia, tendo como pauta a concessão das licenças ambientais em favor dos empreendimentos denominados “Shopping das Nações” e “Parque Shopping Criciúma”, a FAMCRI – Fundação Municipal do Meio Ambiente de Criciúma, com atribuição na Defesa do Meio Ambiente, utiliza-se do presente espaço para prestar alguns esclarecimentos.


Que os dois projetos se encontram aprovados aqui nesta Fundação desde o ano passado mas em decorrência de várias denuncias posteriores à entrega das licenças e liberação para o início das obras as mesmas se encontram suspensas devido recomendações de outras instâncias como Ministério Público Estadual, Ministério Público Federal e por decisões liminares da Justiça Comum, e para que não haja dúvidas sobre a situação atual dos dois empreendimentos segue abaixo:



- Quanto ao empreendimento “Parque Shopping Criciúma” Em decorrência de decisão liminar deferida pela Justiça Comum de primeira instância na Ação Civil Pública nº 020.13.504291-7, movida pelo Instituto Eco&Ação, que determinou a suspensão de qualquer obra de implantação do empreendimento, e consequentemente do licenciamento ambiental, o empreendedor recorreu da decisão e continua tentando na Justiça cassar essa liminar e liberar a continuidade da obra. E, por fim, que a investigação sobre a possível existência de sítio arqueológico no imóvel está sendo realizada pelo Ministério Público Federal, também continua sendo analisada e nada mais resta à esta instituição decidir senão aguardar as devidas averiguações e desfecho destas investigações para posteriormente ver da possibilidade de dar ou não o devido prosseguimento e liberação do licenciamento e início da referida obra.

- Quanto ao empreendimento “Shopping das Nações” Que a Fundação do Meio Ambiente de Criciúma – FAMCRI, atendendo à solicitação 9ª Promotoria de Justiça, que instaurou o Inquérito Civil nº 06.2013.00015002-6 suspendeu todo o processo de licenciamento ambiental referente ao empreendimento denominado "Shopping Center das Nações Empreendimentos S/A", para que fosse feito estudos e laudos no terreno em questão, já que através de denuncia haveria indícios de um acúmulo de água, característico de curso d´água ou nascente, e uma possível canalização desse curso d´água. Nossa Equipe técnica após receber e analisar vários estudos técnicos e laudos hidrogeológicos entregues em defesa do empreendimento, e por fim após todas respostas obtidas através de ofícios enviados ao Engenheiro responsável dos laudos e da equipe técnica da Prefeitura decidiu que o imóvel em questão não evidencia a presença de canalização de curso d’água ou nascentes e que nossa equipe técnica não se opõe quanto á implantação do empreendimento no local.

Como o procedimento encontra-se em trâmite na 9ª Promotoria de Justiça, levamos neste fim de tarde ao conhecimento da Promotoria responsável pelo caso essa posição da Fundação, mas como o Promotor não se encontrava na Cidade foi protocolado toda esta documentação, o parecer técnico, o Parecer Jurídico e nosso oficio informando a mesma desta decisão.


Por respeito ao órgão fiscalizador e das garantias da coletividade e sabendo que as averiguações continuam naquela Instituição achamos prudente externar nossa decisão mas não liberar a obra ainda antes do conhecimento e dessa documentação chegar às mãos do mesmo e o Empreendedor só será oficializado da liberação e posterior iniçio das obras quando do conhecimento e analise da Promotoria até por prudência que todo o caso exige.



Sem mais para o momento agradecemos antecipadamente toda a colaboração e compreensão.






Atenciosamente,




GELSON FERNANDES
PRESIDENTE

UFSC E A SUA MACONHEIRADA

Quando um professor da UFSC diz que a instituição foi agredida pela ação da Polícia Federal fico cá pensando se consumir drogas no Campus não seja agressão ainda maior. Isso não foi pior que a manifestação oficial de reitores ao dizerem o inacreditável: “Em todos os contatos com a Polícia Federal sempre foi solicitado que quaisquer ações de repressão violenta ao tráfico de drogas fossem realizadas fora das áreas da universidade.”

Há uma coisa básica nas ciências (ciência é a base de um ambiente universitário): ação e reação. Então vejamos quais ações foram as primeiras e quais reações, a partir delas, seriam possíveis. Nem vou entrar na militância esquerdopata dessa gurizada bolivariana...

A primeira ação
Maconheiros achando-se acima da Lei como se o local fosse um Estado independente

A segunda ação
De desrespeito aos demais colegas. Esta caracteriza-se por não considerarem-se em ambiente público, como seres sociais que sabem que seus comportamentos ensejam responsabilidade para com os demais à volta.

A terceira ação
A de financiamento de bandidos através do pagamento de seus vícios. Essa nem precisa explicar.

Da ação à reação. Ora, a PF foi branda. Afinal, depois de três tipos de ações de total abuso o que queriam que fosse feito? Linhas de crédito para aquisição de cachimbos pra fumar crack?!

ATENÇÃO: SUICIDAS DÃO SINAIS ANTES DO ATO

Natasha Romanzoti, no HypeScience
suicídio é um grande problema no globo todo. Segundo a Organização Mundial da Saúde (OMS), a cada ano, um milhão de pessoas tiram a própria vida – ou seja, uma morte a cada40 segundos, que poderia ter sido evitada.
A média brasileira fica entre 25 e 26 suicídios por dia, número só inferior ao de mortes no trânsito e homicídios. Ainda segundo dados da OMS, ao longo da vida, 17,1% dos brasileirospensam seriamente em se matar, 4,8% chegam a elaborar um plano para tanto, e 2,8% efetivamente tentam o suicídio.
Já de acordo com dados do Ministério da Saúde brasileiro, de 2006 a 2010, o país teve uma média de 4,8 suicídios a cada 100.000 habitantes, sendo que o estado do Rio Grande do Sul liderou essa estatística, com 10,2 casos a cada 100 mil habitantes, o que é próximo de países com taxas altas de suicídio, como Suécia e Noruega.
O que fazer para abrandar esses números, que já aumentaram 30% nos últimos 25 anos noBrasil, e devem dobrar no mundo todo até 2020?
Especialistas em prevenção de suicídio sugerem que uma pessoa com pensamento suicida geralmente exibe sinais de alerta, que os parentes e amigos próximos podem perceber.
Confira os indícios para os quais se deve ficar atento, alguns mais óbvios, outros menos esclarecedores, de acordo com a Fundação Americana para a Prevenção do suicídio:
  • Falar ou discutir sobre o desejo de morrer;
  • Pesquisar maneiras de se matar;
  • Fazer referências à desesperança ou ao sentimento de que a vida não tem nenhum propósito;
  • Exibir sentimentos de estar preso ou de dor insuportável;
  • Exibir sentimentos de ser um fardo para os outros;
  • Aumento do uso de álcool ou drogas;
  • Alterações do sono, como sono excessivo ou insônia;
  • Isolamento e retirada social;
  • Manifestação de raiva ou desejo de vingança;
  • Exibir ansiedade, agitação ou agir com imprudência;
  • Ter oscilações extremas de humor.
Para ajudar pessoas com esses sinais, você deve se certificar de que elas não sejam deixadas sozinhas, remover quaisquer objetos perigosos ou drogas que poderiam ser usados em uma tentativa de suicídio e procurar ajuda médica imediata.
Caso seja você quem precise de ajuda, fale anonimamente com o CVV pelo telefone 141 

sábado, 22 de março de 2014

JORNALISTAS DE CRICIÚMA COLOCAM A PRÓPRIA MORAL NO RALO

Jornalistas de Criciúma sentam na própria pica ao fazerem uma manifestação, subscrita pela maioria dos que atuam nos veículos locais, condenando o repórter Allen Silva por matéria veiculada no portal Criciúma News. Como podem conferir na imagem abaixo. Não citam o nome, mas isso tornou-se irrelevante para quem sabe do que se trata.


Contudo, ele apenas reproduziu o que estava no site da Associação de Praças do Estado de Santa Catarina (leia AQUI), errando por não dar a fonte.

Todos os dias os jornalistas das redações de jornais e rádios, principalmente, fazem reproduções do que recebem de assessorias de imprensa ou copiam de sites, sem averiguarem a veracidade. Alguns sequer citam quem passou a informação como eu faço aqui. Portanto, não têm moral para condená-lo.

A cruzada se deu porque o Allen não tem DIPLOMA de jornalista, não pelo erro que cometeu. Acontece que esses profissionais não cumpriram com um dos seus deveres morais e éticos mais elementares, o de "perguntar" de onde ele tirou a informação, que depois configurou-se errada em um detalhe. Ao invés disso partiram para a execração pública, quando o erro foi de uma diplomada. Sim, o que dirão pelo que ela escreveu no site da Aprasc? E agora? Vão retratar-se? Vão condenar o diploma porque ela errou?

Vamos um pouco mais adiante com o caso da médica cubana na Arrancada de Caminhões, em Arroio do Silva. Eu publiquei na íntegra a matéria do portal da SATC, faculdade que forma profissionais jornalistas, o qual informava que ela estava numa situação irregular baseado numa fonte, sem o contraditório, e mais uma pá de coisas como podes conferir AQUI. Por conta disso veja abaixo a publicação do jornalista Charles Cargnin:

Prefeito do Arroio do Silva vai pedir R$ 1 milhão de indenização

O prefeito de Balneário Arroio do Silva, Evandro Scaíni, falou ontem durante o ato de posse de César Smielevski na ACIC, que a Administração Municipal vai processar os veículos de comunicação que divulgaram informações sobre a suposta atuação irregular da médica cubana. O assunto ganhou repercussão estadual através do Diário Catarinense, e nacional, através do Zero Hora do Rio Grande do Sul. A matéria foi veiculada originalmente em um portal de notícias de Criciúma e foi replicada em outros sites, rádios e emissoras de TV.

"Vamos pedir R$ 1 milhão de reais de indenização por danos morais ao site que divulgou a notícia com as fotos da médica", disse. "Ontem, o Diário Catarinense já publicou quase uma página se retratando. Vamos aos poucos atrás de um por um", completou, explicitando que está muito irritado com a repercussão que o assunto ganhou.


Leia o que o Diário Catarinense disse no dia 17, segunda-feira: AQUI.
Agora leia que o mesmo veículo disse no dia 19, quarta-feira: AQUI.

Já sabem onde COLOCAR o diploma!!!

quinta-feira, 20 de março de 2014

NOTA À IMPRENSA DA PREFEITURA DE ARROIO DO SILVA SOBRE MÉDICA CUBANA

NOTA À IMPRENSA 
  
            Conforme denúncia, veiculada na mídia, de suposta irregularidade, pelo fato de uma médica cubana estar atendendo a vítima do acidente ocorrido na XXIV Arrancada Internacional de Caminhões, a Administração Municipal de Balneário Arroio do Silva, através da Secretaria Municipal de Saúde, vem a público esclarecer que a doutora Aliuska Guerra Alarcon atua no município desde o dia 06 de dezembro de 2013, como médica clínica geral na Atenção Básica, na Unidade Básica Paulo Lupinn, através doProjeto Mais Médicos Para o Brasil. A profissional é graduada em medicina e durante o processo de trabalho desenvolve um curso de especialização, de acordo com o Projeto do Governo Federal.
            Em relação à denúncia citada nos meios de comunicação, a Secretaria Municipal de Saúde, após averiguações, constatou que não houve a contratação da médica por nenhum órgão privado, sendo que a médica Aliuska esteve durante o evento por várias vezes de sexta-feira, dia 14, à domingo, dia 16, porém como expectadora e não à trabalho. Segundo relato da mesma, a “vestimenta” foi utilizada somente no sábado, dia 15, quando visitou e observou o trabalho dos profissionais de saúde que atuavam na pista. Afirmou ainda, que retirou a “vestimenta” a pedido da proprietária da equipe prestadora do serviço, a qual a informou que o uniforme era de uso exclusivo dos funcionários da empresa, sendo que na mesma oportunidade a médica foi autorizada a observar os trabalhos da equipe.
           Cumpre esclarecer que a médica esteve visitando vários locais do evento, tendo acesso ao box por uma pulseira de convidada, fornecida pela Comissão Organizadora, sendo que no momento do acidente, a doutora Aliuska estava próxima do local e acabou ajudando a socorrer a vítima, sendo dito por ela mesma, após as denúncias acima citadas, que diante da situação “não poderia omitir socorro e que jamais pensaria que poderia ser prejudicada por ter sido humana”.
Gostaria de declarar que a doutora Aliuska é exemplo de dedicação, comprometimento, humanismo e profissionalismo. Não temos nenhuma queixa da profissional, muito pelo contrário, os elogios são muitos, tanto dos membros da equipe quanto dos pacientes de todo o município.


Balneário Arroio do Silva/SC, 19 de março de 2014.

 Patricia Paladini
Secretária Municipal de Saúde

segunda-feira, 17 de março de 2014

MÉDICA CUBANA SEM TREINAMENTO NO ACIDENTE NA ARRANCADA DE CAMINHÕES (FOTO)

Publicado no Portal SATC.
Assista vídeo AQUI.


Médicos denunciam cubana que atendeu vítima no Arrancadão

Denúncia será formalizada nesta terça-feira, 18, no Conselho Regional de Medicina.
Sequer o colar cervical foi capaz de colocar antes de qualquer procedimento

Um grupo de médicos de Araranguá, Criciúma e Tubarão foi criado para formalizar denúncia no Conselho Regional de Medicina (CRM) de Araranguá contra a médica cubana que atendeu o piloto Edson Beber, no último domingo, 16, no acidente que ocorreu na XXIV Arrancada Internacional de Caminhões. A reunião sobre o caso acontece nesta terça-feira, 18, no CRM, com o delegado Luis Taddeo Filho.

De acordo com o médico do Samu, Daniel Garcia, a profissional que atendeu à vítima não poderia estar desempenhando a função. "A médica cubana foi contratada através do programa Mais Médicos, e desempenha suas funções no posto de saúde do Balneário Arroio do Silva. Dessa forma, não poderia trabalhar por uma empresa privada no evento", disse.

O médico ressalta ainda que a profissional cubana não estaria preparada e habilitada para o tratamento de emergência. "A ação caracterizou-se por exercício ilegal da profissão", completou.

Denúncia

O grupo de médicos formaliza a denúncia nesta terça-feira."Há vários pontos que nos amparam, porque além de ser uma médica cubana que não possui registro no CRM e que deve atender apenas com supervisão de um médico brasileiro responsável", explicou o médico participante da comissão de denúncia, José Nixon Batista.

De acordo com o médico, a profissional teria atuado em outras oportunidades no setor privado. "Temos informações de vários médicos de que a médica já trabalhou em outros eventos pela empresa. Na XXIV Arrancada Internacional de Caminhões houve registro de que ela já atendia no sábado. Há fotos comprovando os trabalhos, com a profissional vestindo o macacão da empresa", finalizou Batista.

A prefeitura do Balneário Arroio do Silva, assim como a organização do evento, não quis se manifestar. Já a responsável pela empresa privada de saúde que fez o atendimento na ambulância está viajando e não há ninguém que possa responder em seu lugar.

Memorial da Democracia de Lula

Reprodução do blog de Reinaldo Azevedo que traz um pouco da história dos 30 anos do PT que, via de regra, acabamos por esquecer.

Tenho algumas perguntas a fazer a Lula, a Kassab e aos vereadores que querem doar patrimônio público para o falso “Memorial da Democracia” do PT. Se houver resposta, juro que publico!

O Instituto Lula quer construir no Centro de São Paulo, num terreno que fica na antiga Cracolândia, o que chama “Memorial da Democracia”, que reunirá, com especial ênfase, um acervo de documentos e objetos dos oito anos de mandato do Apedeuta. Os petistas agora dizem que pretendem dar atenção também a outros momentos importantes da história, como a luta contra a escravidão, a proclamação da República etc. Para tanto, pediram à Prefeitura de São Paulo a cessão do tal terreno, com o que concordou o prefeito Gilberto Kassab (PSD), que já enviou o pedido à Câmara, onde tem folgada maioria. Então ficamos com o roteiro completo para o triunfo da mistificação: Lula, um ex-presidente bastante popular, pede um terreno ao prefeito; este, que vive uma fase de aproximação com o PT, acha a idéia boa e envia a mensagem à Câmara, onde tem maioria. A maioria dos vereadores tende a concordar: quem não é fiel a Lula é fiel a Kassab. Resta ao Ministério Público demonstrar se tem ou não vergonha na cara e memória histórica ou se também está rendido a um partido político. E por que escrevo assim?

O escracho já começa no nome do empreendimento. O inspirador do “Instituto Lula” — que quer privatizar uma área de mais de 4 mil metros quadrados, que pertence a todos os moradores de São Paulo — decidiu, como se vê, privatizar também a democracia. Julga-se no papel de quem pode ser o inspirador de um “memorial”. É uma piada grotesca, típica de asininos enfatuados, de exploradores da boa-fé pública. Se Lula é o senhor de um “Memorial da Democracia”, o que devemos a Ulysses Guimarães, por exemplo? A canonização? Estamos diante de uma pantomima histórica, de uma fraude.

Tenho algumas perguntas a fazer a Lula, a Kassab e aos vereadores que estão doidos para cair de joelhos.

1: Constituição - A negativa dos petistas em participar da sessão homologatória da Constituição de 1988, uma das atitudes mais indignas tomadas até hoje por esse partido, fará parte do “Memorial da Democracia”, ou esse trecho será aspirado da historia, mais ou menos como a ministra da Mulher diz que aspirava úteros na Colômbia?

2: Expulsões - A expulsão dos três deputados petistas que participaram do Colégio Eleitoral que elegeu Tancredo Neves, pondo fim à ditadura – Airton Soares, José Eudes e Bete Mendes – fará parte do “Memorial da Democracia”, ou isso também será aspirado da história, como a Universidade Federal de Santa Catarina aspirou a entrevista da agora ministra da Mulher? Em tempo: vi dia desses Soares negar na TV Cultura que tivesse sido expulso. Diga o que quiser, agora que fez as pazes com a legenda. Foi expulso, sim!

3: Governo Itamar – A expulsão de Luíza Erundina do partido porque aceitou ser ministra da Administração do governo Itamar, cuja estabilidade era fundamental para a democracia brasileira, entra no Memorial da Democracia, ou esse fato será eliminado da história junto com os fatos, os fetos, as fotos e os homens que não são do agrado do petismo?

4: Voto contra o Real - A mobilização do partido contra a aprovação do Plano Real integrará o acervo do Memorial da Democracia, ou os petistas farão de conta que sempre apostaram na estabilidade do país?

5: Guerra contra as privatizações - As guerras bucéfalas contra as privatizações — o tema anda mais atual do que nunca — e todas as indignidades ditas contra a correta e necessária entrada do capital estrangeiro em setores ditos “estratégicos” merecerá uma leitura isenta, ou o Memorial da Democracia se atreverá a reunir como virtudes todas as imposturas do partido?

6: Luta contra a reestruturação dos bancos - A guerra insana do petismo contra a reestruturação dos bancos públicos e privados ganhará uma área especial no Memorial da Democracia, ou os petistas farão de conta que aquilo nunca aconteceu? Terão a coragem, já que são quem são, de insistir na mentira e de tratar, de novo, um dos pilares da salvação do país como um malefício, a exemplo do que fizeram no passado?

7: Ataque à Lei de Responsabilidade Fiscal - Os petistas exporão os documentos que evidenciam que o partido recorreu à Justiça contra a Lei de Responsabilidade Fiscal, tornada depois cláusula pétrea da gestão de Antônio Palocci no Ministério da Fazenda?

8: Mensalão - O Memorial da Democracia vai expor, enfim, a conspiração dos vigaristas, que tiveram o desplante de usar dinheiro sujo para tentar criar uma espécie de Congresso paralelo, alimentado por escroques de dentro e de fora do governo? O prédio vai reunir os documentos da movimentação ilegal de dinheiro?

9: Duda Mendonça na CPI - Haverá no Memorial da Democracia o filme do depoimento de Duda Mendonça na CPI do Mensalão, quando confessou ter recebido numa empresa no exterior o pagamento da campanha eleitoral de Lula em 2002? O museu de Lula terá a coragem de evidenciar que ali estava motivo o bastante para o impeachment do presidente?

10: Dossiê dos aloprados – O Memorial da Democracia que tanto entusiasma Lula e Kassab trará a foto da montanha de dinheiro flagrada com os ditos aloprados, que tentavam fraudar as eleições — para não variar —, buscando imputar a José Serra um crime que não cometera? Exibirá a foto do assessor de Aloizio Mercadante, que disputava com Serra, carregando a mala preta?

11: Dossiê da Casa Civil - Esse magnífico Memorial da Democracia trará os documentos sobre o dossiê de indignidades elaborado na Casa Civil contra FHC e contra, pasmem!, Ruth Cardoso, quando a titular da pasta era ninguém menos do que Dilma Rousseff, e sua lugar-tenente, ninguém menos do que Erenice Guerra?

12: Censura à imprensa - Kassab, que quer doar o terreno, se comprometeria a pedir a Lula que o Memorial da Democracia reunisse as evidências das muitas vezes em que o PT tentou censurar a imprensa, seja tentando criar o Conselho Federal de Jornalismo, seja introduzindo no Plano Nacional de Direitos Humanos mecanismos de censura prévia?

13: Imprensa comprada e vendida - Teremos a chance de ver os contratos de publicidade do governo e das estatais com pistoleiros disfarçados de jornalistas, que usam o dinheiro público para atacar a imprensa séria e aqueles que o governo considera adversários nos governos dos Estados, no Legislativo e no Judiciário?

14 – Novo dossiê contra adversário – O Museu da Democracia do Instituto Lula reunirá as evidências todas das novas conspiratas do petismo contra o candidato da oposição em 2010, com a criação de bunker para fazer dossiês com acusações falsas e a quebra do sigilo fiscal de familiares do candidato e de dirigentes tucanos?

15 – Uso da máquina contra governos de adversários - A mobilização da máquina federal contra o governo de São Paulo em episódios como o da retomada da Cracolândia e da desocupação do Pinheirinho entrará ou não no Memorial da Democracia como ato indigno do governo federal?

16 – Apoio a ditaduras - O sistemático apoio que os petistas empenham a ditaduras mundo afora estará devidamente retratado no Memorial da Democracia? Veremos Lula a comparar presos de consciência em Cuba a presos comuns no Brasil? Veremos Dilma Rousseff a comparar os dissidentes da ilha a terroristas de Guantánamo?

Fiz acima perguntas sobre 16 temas. Poderia passar aqui a noite listando as vigarices, imposturas, falcatruas e tentativas de fraudar a democracia protagonizadas por petistas e por governos do PT. As que se lêem são apenas as mais notórias e conhecidas.

NÃO! ERRAM AQUELES QUE ACHAM QUE QUERO IMPEDIR LULA — E O PT — DE CONTAR A HISTÓRIA COMO LHE DER NA TELHA. QUEM GOSTA DE CENSURA SÃO OS PETISTAS, NÃO EU! O Apedeuta que conte o mundo desde o fim e rivalize, se quiser, com Adão, Noé, Moisés ou o próprio Deus, para citar alguém que ele deve julgar quase à sua altura. MAS NÃO HÁ DE SER COM O NOSSO DINHEIRO.

Kassab tem o direito de doar uma área pública para aquilo que será, necessariamente, um monumento à versão da história de um só partido, com especial ênfase no trabalho de um líder? Não! Essa conversa de que será uma instituição suprapartidária é mentirosa desde a origem. Supor que Paulo Vannuchi — JUSTAMENTE O RESPONSÁVEL POR AQUELE PLANO SINISTRO QUE DIZIA SER DE DIREITOS HUMANOS E QUE PREVIA CENSURA PRÉVIA — e Paulo Okamotto possam ter qualquer iniciativa que não traga um viés petistas é tolice ou má fé. Ou, então, o prefeito transforme o centro de São Paulo numa espécie de Esplanada dos Partidos. Por que só para Lula?

Fique de olho, leitor! Se você for petista, deve achar a doação de um terreno a Lula a coisa mais normal do mundo, um presente merecido. Se não for, veja lá o que vai fazer o vereador. Se ele disser “sim” à proposta, estará sendo generoso com o seu dinheiro, com aquilo que lhe pertence.

Espalhe este texto. Herói é você, que sobrevive no Brasil mesmo com a classe política que aí está, não Lula. Ele é só um contumaz sabotador de governos alheios, que agora pretende, com a ajuda do prefeito e dos vereadores, tomar um terreno que pertence à população de São Paulo para erguer no lugar o Museu das Imposturas. De resto, basta que ele estale os dedos, e haverá empresários em penca dispostos a lhe encher as burras de grana. Que compre o terreno! E Kassab que transforme esse dinheiro em creches.

Por Reinaldo Azevedo

terça-feira, 4 de março de 2014

MULHERES E SEXO

(Este arrazoado pressupõe as exceções de sempre!)

Recorrente a discussão sobre a liberdade ou não-liberdade sexual da mulher. Por que as mulheres têm que se preservarem tanto? Por que elas não "podem" usufruir como os homens?

Alguns apelam para questões meramente culturais como se a mulher ou os homens fossem resultado exclusivamente do meio. No entanto, a cultura tem origens, não é uma construção a partir de si mesma, sustentada por si mesma. Tampouco a cultura subsiste pelo simples hábito. Ela é mutante em vários aspectos, mantendo detalhes através dos tempos. Há motivos absolutamente claros, ao meu ver, para a postura histórica de homens e mulheres quanto ao sexo.

Para mim a base, a origem, é animal, instintiva, agregando valores sociais e geográficos através dos tempos. Sim, a geografia, o próprio relevo, se plano ou escarpado, faz diferença, é um dos determinantes comportamentais. Entretanto, este texto não irá a tanto.

A decisão do acasalamento é da fêmea. Em todas as relações entre mamíferos (que é a nossa espécie, devo, infelizmente, lembrar a alguns) a fêmea impõe ao macho a condição de conquistá-la através de desafios, principalmente pela capacidade de vencer outros machos. É uma seleção que visa determinar o macho mais forte, viril e, portanto, com melhores gens.

Entre humanos não é diferente. As nossas fêmeas estabelecem critérios rígidos de seleção: aspectos intelectuais, físicos, comportamentais, segurança gerada, provento e virilidade. Contudo, dentre os vários itens há alguns que se sobressaem a outros sem que a própria saiba o porquê. Esses critérios são frutos de incontáveis combinações genéticas que ultrapassam a nossa compreensão. É sabido que o homem também tem critérios, mas menos complexos que as mulheres.

Alguns exemplos sobre itens que se sobrepujam, sobressaem, a outros na escolha de algumas mulheres dá-se quando umas buscam segurança material, por conseguinte à prole, e outras buscam virilidade de tal forma que seus homens têm baixo padrão moral, como as mulheres de bandidos ou aquelas que não conseguem ter outro tipo de homem senão os cafajestes. Sim, esses caras que exalam virilidade e, portanto, não são fieis. Não raro vemos mulheres que vão de relacionamentos conturbados a relacionamentos conturbados porque seus critérios de seleção têm na segurança afetiva e para a prole um item minimizado. Nestes casos, contrapondo-se ao perfil de homem que a atrai, a sensação de posse é maximizada. Aquelas que primam em demasia pela segurança, chegam a abrir mão de uma vida sexual intensa, digamos, pelo conforto que a relação possa gerar. Citei dois casos um tanto extremos. Mas o fato é que há critérios, às vezes tão rebuscados, que a mulher acaba por não encontrar seu homem. Em suma, não há como negar a complexidade da mulher!

Ora, os tantos critérios que as mulheres têm me parecem uma das razões, senão a principal, de terem uma vida sexual menos afoita, ou mais seletiva e cuidadosa, que homens, cujo instinto de espalhar seus gens é, muitas das vezes absolutamente irresponsável para nossa sociedade. Esses condicionantes são, para mim, a base da atitude auto-reprimida das vasta maioria das mulheres, ainda mais atualmente quando a liberdade está posta e muitas delas seguem sem soltarem-se o tanto que gostariam. Essa postura é, da mesma forma, a base para comportamentos sociais. É um dos fatores que sustentam a cultura que chamam de "machista". A parte masculina na cultura me parece estar mais ligada à posse. O macho importa-se muito mais com ter a fêmea sob seu domínio do que ter nela um parceira sexual. Isso fica muito claro quando o sujeito nem comparece como deveria e não aceita em hipótese alguma que ela tenha outro, chegando às raias da violência, seja física, seja psicológica, ou ambas.

Negar estes aspectos está ligado a uma visão bem estrita, limitada à cultura que, como eu disse, precisa ser vista também pelo aspecto animal. Aliás, a fonte primeva da cultura é o comportamento animal.