segunda-feira, 26 de agosto de 2013

DECLARAÇÃO DOS DIREITOS DO HOMEM E DO CIDADÃO NA REVOLUÇÃO FRANCESA

Estes são os artigos tratados na declaração original de 1789:
Art.1.º Os homens nascem e são livres e iguais em direitos. As destinações sociais só podem fundamentar-se na utilidade comum.
Art. 2.º A finalidade de toda associação política é a conservação dos direitos naturais e imprescritíveis do homem. Esses direitos são a liberdade, a propriedade, a segurança e a resistência à opressão.
Art. 3.º O princípio de toda a soberania reside, essencialmente, na nação. Nenhum corpo, nenhum indivíduo pode exercer autoridade que dela não emane expressamente.
Art. 4.º A liberdade consiste em poder fazer tudo que não prejudique o próximo: assim, o exercício dos direitos naturais de cada homem não tem por limites senão aqueles que asseguram aos outros membros da sociedade o gozo dos mesmos direitos. Estes limites apenas podem ser determinados pela lei.
Art. 5.º A lei proíbe senão as ações nocivas à sociedade. Tudo que não é vedado pela lei não pode ser obstado e ninguém pode ser constrangido a fazer o que ela não ordene.
Art. 6.º A lei é a expressão da vontade geral. Todos os cidadãos têm o direito de concorrer, pessoalmente ou através de mandatários, para a sua formação. Ela deve ser a mesma para todos, seja para proteger, seja para punir. Todos os cidadãos são iguais a seus olhos e igualmente admissíveis a todas as dignidades, lugares e empregos públicos, segundo a sua capacidade e sem outra distinção que não seja a das suas virtudes e dos seus talentos.
Art. 7.º Ninguém pode ser acusado, preso ou detido senão nos casos determinados pela lei e de acordo com as formas por esta prescritas. Os que solicitam, expedem, executam ou mandam executar ordens arbitrárias devem ser punidos; mas qualquer cidadão convocado ou detido em virtude da lei deve obedecer imediatamente, caso contrário torna-se culpado de resistência.
Art. 8.º A lei apenas deve estabelecer penas estrita e evidentemente necessárias e ninguém pode ser punido senão por força de uma lei estabelecida e promulgada antes do delito e legalmente aplicada.
Art. 9.º Todo acusado é considerado inocente até ser declarado culpado e, se julgar indispensável prendê-lo, todo o rigor desnecessário à guarda da sua pessoa deverá ser severamente reprimido pela lei.
Art. 10.º Ninguém pode ser molestado por suas opiniões , incluindo opiniões religiosas, desde que sua manifestação não perturbe a ordem pública estabelecida pela lei.
Art. 11.º A livre comunicação das ideias e das opiniões é um dos mais preciosos direitos do homem; todo cidadão pode, portanto, falar, escrever, imprimir livremente, respondendo, todavia, pelos abusos desta liberdade nos termos previstos na lei.
Art. 12.º A garantia dos direitos do homem e do cidadão necessita de uma força pública; esta força é, pois, instituída para fruição por todos, e não para utilidade particular daqueles a quem é confiada.
Art. 13.º Para a manutenção da força pública e para as despesas de administração é indispensável uma contribuição comum que deve ser dividida entre os cidadãos de acordo com suas possibilidades.
Art. 14.º Todos os cidadãos têm direito de verificar, por si ou pelos seus representantes, da necessidade da contribuição pública, de consenti-la livremente, de observar o seu emprego e de lhe fixar a repartição, a colecta, a cobrança e a duração.
Art. 15.º A sociedade tem o direito de pedir contas a todo agente público pela sua administração.
Art. 16.º A sociedade em que não esteja assegurada a garantia dos direitos nem estabelecida a separação dos poderes não tem Constituição.
Art. 17.º Como a propriedade é um direito inviolável e sagrado, ninguém dela pode ser privado, a não ser quando a necessidade pública legalmente comprovada o exigir e sob condição de justa e prévia indenização.

domingo, 25 de agosto de 2013

A MENTIRA DO PÓ AO PÓ

Pois bem, diz no capítulo três de Gênesis, verso 19: ''porquanto és pó, e ao pó tornarás''.

Este texto é clássico em funerais e absolutamente desprezado em seu contexto. Ou seja, é citado à parte do que, de fato, significava. Eu digo ''significava'' porque perdeu seu sentido, mesmo estando no sacrossanto texto bíblico.

Ora, na base da construção bíblica está a Torah, os cinco primeiros livros. Neles não há céu, nem inferno. A relação com Jeová é totalmente vinculada à esta existência, a terrena. A perpetuação do homem estava em sua descendência. Daí a necessidade de gerar filhos aos homens (as mulheres não contavam, não geravam descendência. Por mais incrível que possa parecer vindo de um livro que atribuem à Deus a autoria). Dois dos casos mais absurdos desse aspecto estão em Gênesis 19 e 38. Neste segundo capítulo Onã é morto pelo próprio Deus porque não quis engravidar a viúva de seu irmão e dar descendência a ele! É como se condenasse seu irmão ao nada, quando poderia perpetuá-lo.

Não havia céu e, portanto, não havia vida após esta vida. Por isso do pó ao pó, da matéria à matéria, não ao Paraíso ou um tal mundo espiritual. A ''construção'' da ideia de céu veio depois da Torah. Ora, teria Deus criado o direito de seus fieis ascenderem a este lugar depois? Não! O fato é que a Bíblia é um punhado de crenças dentro de uma cultura, a qual sofreu mutações. Não se trata de verdade divina, mas de explicações humanas. Esse povo que hoje fala em vida após a morte (física), considerando que descendem da mesma concepção sobre Deus, um dia não creu em céu/inferno e isso junta-se a outras tantas mudanças ao longo do tempo.

sexta-feira, 23 de agosto de 2013

VICE-REITOR DA UNESC RENUNCIA E PEDE DEMISSÃO

"No início desta semana o vice-reitor da Unesc, professor doutor Márcio Fiori, pediu afastamento definitivo dos cargos de vice-reitor da Unesc e vice-presidente da Fucri, bem como sua demissão da Instituição. Ele desempenhava a função desde 2009 e estava no início do segundo mandato. O pedido de demissão se deu por motivos pessoais e foi informado aos conselhos superiores da Fucri e da Unesc nesta quinta-feira (22/8).
Como se trata de um cargo expectante, segundo o estatuto da Instituição, ele ficará vago. No caso de ausência temporária do reitor, as pró-reitorias assumem a responsabilidade da gestão da Unesc, na seguinte ordem: Ensino de Graduação; Pós-Graduação, Pesquisa e Extensão, e Administração e Finanças.
As atividades da Universidade seguem regulares.
A Reitoria".

quinta-feira, 22 de agosto de 2013

CARROS DA ASTC COM PORTAS PRESAS POR ALGEMAS

As coisas estão aparecendo...

O caso dos alugueis de carros da ASTC está no não cumprimento do contrato, que diminuiria o custo para a empresa locatária. Note o que recebi de um funcionário da autarquia: 

"sobre as viaturas da ASTC, onde falam que a empresa que fornece os veículos é responsável pela manutenção, isso não está acontecendo. As viaturas estão completamente sem manutenção, só fazem alguma coisa quando a população começa a reclamar, como agora no caso dos pneus vão colocar 08 novos. As portas das Doblos não fecham, temos que ficar segurando com as mãos, outro dia tivemos que colocar uma algema pra segurar a porta e tem uma que quando esta em movimento desliga sozinha, varias vezes quase foi causado um acidente, pois ela desliga e trava o volante. Tudo isso já foi avisado muitas vezes e ninguém arrumou. Peço que não divulgue meu nome, obrigado."

quarta-feira, 21 de agosto de 2013

OS CARROS ALUGADOS DA ASTC

Nota de Esclarecimento da ASTC sobre os alugueis dos veículos.

"A ASTC (Autarquia de Segurança, Trânsito e Transportes de Criciúma), terceiriza sua frota desde 2011. Os veículos são locados pelo contrato n° 006/2011, de janeiro de 2011, com prazo de vencimento para o fim de agosto deste ano.

A autarquia conta hoje com sete veículos, três palio para uso da Guarda Municipal e uma Doblô, e outra Doblô para os agentes de trânsito, um palio para setor de trânsito e transporte e um Palio weekend para educação. Cada Palio equipado com giroflex tem um custo mensal de R$ 1.949,17, a doblô de R$ 3.160,00, o palio para trânsito e transporte de R$ 1.845,00 sem giroflex, o Palio Weekend R$ 2.049,00.

De acordo com Silvio Pedro Ferrelli, diretor administrativo, financeiro,patrimonial da ASTC, toda manutenção preventiva, seguro, reparos, consertos, troca de pneu e óleo é de responsabilidade da empresa contratada pela licitação. ‘’A única despesa que a autarquia tem é com a colocação de combustível e a lavação da frota’’, pontua Ferrelli.

O diretor registra que qualquer problema no veículo a empresa locadora deve no prazo de duas horas repor outro para não prejudicar o trabalho da autarquia. "Todos veículos entregues devem ser 0km, plotados e com giroflex para os agentes e a guarda. E qualquer veículo que não venha a ser utilizado pode ser devolvido à empresa locadora sem custos’’, reforça o diretor administrativo.

O contrato de n° 023/2013, de 05 de julho de 2013, para os novos veículos da ASTC, no segundo semestre terá na frota, quatro gol para Guarda Municipal, equipado com giroflex (luz em cima da viatura) no valor de R$ 1.929,00 cada ao mês, dois palio weekend, com giroflex para a guarda R$ 2.289,00 cada ao mês, um gol para os agentes de trânsito no valor de R$ 1.929,00,um sedan para educação ao custo de R$1.940,00 e um gol para setor de trânsito e transportes, no valor de R$ 1.800,00 sem o equipamento de giroflex.

Com base no valor do gol, a autarquia gasta por dia R$ 64,30 para locação, manutenção, seguro e reparos. No contrato de 2013 houve redução no valor a cada veículo utilizado em relação ao de 2011."

Minha avaliação: Do ponto de vista de valores dos veículos em si é evidente que a autarquia gasta mais com o aluguel do que se comprasse. Mas não pode ser avaliado somente assim. Há a depreciação da frota e sua renovação a cada cinco anos no máximo. Ora, os carros inservíveis para o serviço público podem ser reintegrados à frota da empresa que aluga e continuarem prestando serviços a terceiros. As vantagens são realmente muito interessantes, haja vista, que um veículo acidentado ou com um defeito qualquer não atrapalha os serviços, pois é reposto imediatamente. O custo da diferença entre ter e alugar, do ponto de vista da agilidade e evitar a burocratização da contratação de mecânica para a manutenção me parecem ser razoável. A minha dúvida é se o aluguel poderia ser menor. De qualquer forma não fica claro se o custo/benefício justifica. Pode ser que sim e, em princípio, a ideia é excelente. O furo pode estar no não cumprimento do contratado.

Observe a imagem abaixo e compare com o aluguel de uma Doblô por dia.



terça-feira, 20 de agosto de 2013

HEITOR E DOUGLAS DÃO RASTEIRA NO MUNICÍPIO DE IÇARA

No início de seu mandato o prefeito de Içara, Murialdo Gastaldon, enfrentou um bloqueio de contas de mais de 2 milhões de reais. Mas por quê?

Durante a sua administração, o ex-prefeito Heitor Valvassori (PP), resolveu, em acordo com o advogado do sindicato dos servidores públicos municipais, Douglas Mattos (PCdoB), pagar dívida do município com horas extras de funcionários. Contudo, essa dívida já estava na Justiça. Como não poderia pagá-la de uma vez foi depositando junto com o salário.

Ora, quando chegou à Justiça que os pagamentos haviam sido feitos à revelia da ordem de decisão da própria Justiça, houve a determinação de bloqueio das contas. É assim, havia uma ordem de pagamentos de vários precatórios. Por exemplo: o A, o B, o C e o dos funcionários era o E. Ao perceber a manobra a Justiça resolveu colocar os pagamentos em dia de uma vez só, pois o E (dos funcionários) não poderia ter sido pago antes do A, como fora.

Enfim, tanto o ex-prefeito Heitor Valvassori, quanto o advogado dos servidores, Douglas Matos, conseguiram dar uma rasteira na ordem programada de pagamentos. Imagine você ter que pagar quatro prestações do carro ao mesmo tempo porque antecipou uma vincenda. Não há caixa que resista.

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

SINDICALISMO NO BRASIL

De forma alguma a existência de sindicatos é ruim em si mesma. Como todo o sistema este depende da forma como é conduzido. E, obviamente, são seres humanos à frente dessas organizações, com sua necessidades e interações com aquilo que acham ser a realidade. Contudo, os problemas advindos dos sindicatos sobre as relações de trabalho e sobre a economia saltam aos olhos.

Historicamente todo e qualquer sindicato surge da insatisfação dos empregados com o que recebem ou não recebem de seus patrões. E dos patrões para protegerem-se dos empregados e terem representantes nas tais mesas de negociação. Isso é legítimo, é democrático e equilibrado. E onde estaria o problema, se há problema?

Ora, não é porque algo começou de forma legítima e correta que sempre será. Divorciados que o digam!

"No Brasil o sindicalismo surgiu no final do século XIX. Os operários imigrantes que trabalhavam em diversas fábricas estavam insatisfeitos com suas condições de trabalho e então começaram a se unir para questionar e lutar pelos seus direitos, formando os primeiros sindicatos no país." (InfoEscola)

A história do movimento tem seu lado obscuro. Getúlio Vargas entendeu bem a força dessas organizações para amordaçar o operário. Da mesma mesma força o presidente Lula o fez. Ambos cooptaram suas lideranças comprometendo sua representatividade através do dinheiro público. Interessante e contraditório é ver que esses dois presidentes tornaram-se altamente populares, antes e durante o poder. Lula continua em alta. Ao que parece o próprio mantenedor do sindicalismo, o trabalhador, não percebe o jogo.

Além disso, os tempos são bem outros. O que era uma luta por dignidade tornou-se um movimento político-partidário com forte envolvimento nas eleições, coisa legítima, pois não fere a Constituição. Entretanto, compromete muitíssimo a condução da relação empresa-empregado.

O que mais me chama a atenção, em tempos que as empresas lutam por conseguir melhores colaboradores, que oferecem uma série de vantagens, ao mesmo tempo que enfrentam uma legislação absurdamente restritiva ao crescimento econômico do país, está em os sindicatos não vislumbrarem que essas amarras não danosas para a categoria que representam. Há duas correntes que explicam isso, ao meu ver: os sindicatos precisam de bandeiras pelas quais lutarem e a CLT é uma delas, haja vista as supostas garantias; jamais usariam o discurso do que faz a empresa crescer é bom para o funcionário. Absorvidos pela ideia de luta de classe surgida com Marx os líderes não vislumbram a possibilidade de perderem o seu quinhão, como se fossem perder. Ao contrário, lutam por aquilo que é bom para o sindicato.

As melhores economias do mundo dão liberdade para que a empresa decida o que é melhor para si e seus colaboradores. O sindicato quer ser dono dessa relação. Numa lógica simples o que estou dizendo é que se uma empresa não dá o melhor de si teria a outra ali adiante oferecendo mais. Esses pseudolíderes não entendem que a concorrência pelos melhores trabalhadores que essa liberdade traria é altamente benéfica para o próprio trabalhador.

A lógica burra que impera hoje é de garantir 10, quando poderiam ter 100. FGTS, por exemplo, é uma tolice inominável já que o empregador tem uma responsabilidade que não é sua: a da poupança que cada um de nós deve fazer através de sua renda. INSS recolhido pelo empregador para seu funcionário é outra bobagem. Cada um que pague a sua própria previdência, quando e como quiser. E o Décimo Terceiro? Como alguém pode receber sem trabalhar? A desoneração burocrática das empresas redundaria em maior atividade econômica, melhor consumo etc.

Por fim, há um tripé odioso: trabalhador, empregador e governo. Este interfere demais e atrapalha mais que ajuda àqueles e o trabalhador acha que tem muita vantagem, que está protegido pela Lei.

sábado, 17 de agosto de 2013

O ESQUECIMENTO POR TRÁS DO NOME DA PRAÇA

''A nossa vaidade, orgulho, presunção e inveja vão para o túmulo conosco''? É o que apontam como dizendo que não adianta ter vaidade, orgulho, ser invejoso etc. (Sobre esses sentimentos leia este outro TEXTO). Falam assim para apontar que essas coisas acabam junto com o nosso sopro e, portanto, não vale a pena tê-los ou alimentá-los. Sim, acabam. E daí? Que verdade tão relevante há nisso?

Pois é, mas também vão para o túmulo, ou seja, para a inexistência, o amor, a bondade, o altruísmo, a humildade, as amizades, as relações afetivas... E não importa se deixamos o bem ou o mal, vamos ser esquecidos mesmo que tenhamos um nome dado a uma praça, já que saber o nome não faz saber de quem se trata. Sim, imagine quem vai lembrar de você quando as pessoas que se relacionam diretamente consigo também se forem. Simples, seremos apenas um registro entre zilhões, uma citação, um texto ou um número.

Entretanto, ao reproduzirem este clichê esquecem-se que, em acreditando numa vida após esta vida, terão que, obviamente, levar consigo todos os seus registros mentais (afinal, é o que identifica-nos como indivíduos). A memória não poderá ser apagada se formos para o céu, ou se reencarnássemos. Crer no fim desses registros supostamente negativos é, por extensão, crer que nossa existência limita-se a este mundo terreno e numa única passagem.

O que noto é o óbvio: uma forma de falar que nada diz. Um clichê tolo, como tantos que se multiplicam pelas redes sociais. O que eram os ditos populares, no boca-a-boca, ganharam projeção exponencial com a internet. A falta de raciocínio grassa sem a menor possibilidade de ser contido.

Sugiro não seres mais um desses imbecis que falam o que ouvem sem ao menos pensar um cadinho.

terça-feira, 13 de agosto de 2013

UMA ETNIA ESTÁ FORA DA FESTA DAS ETNIAS DESTE ANO

Pois é, e a minha etnia não estará na Festa das Etnias 2013.

De qualquer forma é bom que saibam que nossa gastronomia é exuberante. Os Baiecos manjam de farofa de ovo e de linguiça, café com leite na garrafa de pépis com bolacha Maria, passando pela galinha frita e sardinha enlatada. Não dispensamos um bom arroz queimado e feijão só com sal de tempero.

Na dança somos os melhores porque dançamos conforme a música.

Nossa roupa típica... Bem as meninas vão de Eslaqui rosa e os garotos de fatiota laranjada.

Quer mais?  Dá um arroto depois de comer que é elogio. Só arrota quem encheu a pança.

Governo pretende perdoar R$ 3 bilhões em dívidas dos clubes brasileiros

Governo pretende perdoar R$ 3 bilhões em dívidas dos clubes brasileiros

Consultor Amir Somoggi alerta que decisão não vai resolver problema dos clubes

Por Luiz Gustavo PACETE
O governo federal sustenta a ideia de perdoar dívidas milionárias de clubes brasileiros. Na semana passada, Toninho Nascimento, secretário nacional de futebol do ministério do Esporte, declarou a jornalistas que a ideia da pasta é fazer uma medida provisória (MP) ou um projeto de lei que perdoe o que os clubes devem. A contrapartida seria a manutenção de projetos sociais. 
O principal argumento do governo é de que a divida dos clubes atuais são impagáveis. Levantamento realizado pelo consultor esportivo Amir Sommogi mostra que o que os clubes devem foram de R$ 1,2 bilhão em 2003 para R$ 5,5 bilhões em 2012. Deste montante, mais de R$ 3 bilhões são dividas diretas com o governo, relacionadas a impostos.
 
flamengo.jpg
Dados da Ernst Young mostram que a dívida do Flamengo ultrapassa R$ 700 milhões
 
Sommogi se diz totalmente contrário à intenção do governo. “Essas dívidas foram criadas pela própria administração dos clubes. Não recolhimento de impostos e outras pendências. Não se pode imaginar que o perdão vai resolver o problema", diz. Apesar do interesse do ministério de resolver a questão, segundo Sommogi, esse tipo de atitude em meio a um momento de indignação e protestos pelo País não é apropriado. “É o único caso no mundo que o credor abre mão de receber uma dívida em troca de nada."  A contrapartida do governo seria a realização de trabalhos sociais por parte dos clubes. 
 
O especialista conclui que a medida vai punir aqueles administradores que sempre cumpriram com seus compromissos tributários com o governo. “Diversos administradores passaram a vida contribuindo de forma pontual e agora se deparam com essa situação? Quem conhece a estrutura dos clubes sabe que são poucas as condições de entregar algo efetivo."
 
Confira quais são os clubes mais endividados do Brasil segundo o levantamento do consultor Amir Somoggi:
 
Os números consolidados por clube, em milhões, são de 2011 
 
(1) Vasco
2011: R$387
Receita 2011: R$ 137
 
 
(2) Atlético MG
2011: R$ 368
Receita 2011: R$ 100
 
 
(3) Flamengo
2011: R$ 355
Receita 2011: R$ 185
 
 
(4) Palmeiras
2011: R$ 245
Receita 2011: R$ 148
 
 
(5) Santos
2011: R$ 208
Receita 2011: R$ 189
 
 
(6) Grêmio
2011: R$ 199
Receita 2011: R$143
 
 
(7) Internacional
2011: R$ 197
Receita 2011: R$ 198
 
 
(8) Corinthians
2011: R$ 178
Receita 2011: R$ 290
 
 
(9) São Paulo
2011: R$ 158 
Receita 2011: R$ 226
 
 
(10) Cruzeiro
2011: R$ 120 
Receita 2011: R$ 129

quinta-feira, 8 de agosto de 2013

R$580 MIL PARA A ASTC

Prefeitura de Criciúma abriu crédito suplementar a ASTC de R$580 mil, publicado hoje no Diário Oficial. Ou seja, já está valendo. Mas atente para os detalhes.

Projeto Atividade: 1.200–Implantação de Semáforos, Lombadas Eletrônicas, Sinalização Viária e Abrigos de Passageiros
017-4.4.90.00.00.00.00.00 0.1.200 - Aplicações Diretas.............................................R$ 60.250,00
018-4.4.90.00.00.00.00.00 0.1.224 - Aplicações Diretas.............................................R$ 30.000,00
019-4.4.90.00.00.00.00.00 0.1.243 - Aplicações Diretas.............................................R$ 10.000,00
Total: R$100,250,00

Projeto Atividade:2.203–Manutenção da Superintendência de Segurança, Planejamento e Operações
023-3.1.90.00.00.00.00.00 0.1.256 - Aplicações Diretas.......................................... R$ 400.000,00
025-3.1.91.00.00.00.00.00 0.1.243 - Aplicações Diretas - Oper. Intra-Orç................ R$ 30.000,00
026-3.1.91.00.00.00.00.00 0.1.256 - Aplicações Diretas - Oper. Intra-Orç................ R$ 50.000,00
Total: R$480.000,00

Ou seja, o bolo da suplementação vai para o custo administrativo, burocrático.

NOTA OFICIAL DA PREFEITURA DE IÇARA SOBRE PROVA PARA CONSELHEIRO TUTELAR

NOTA OFICIAL DE ESCLARECIMENTO

Com relação ao manifesto de plágio referente às questões da prova da convocação de eleição dos membros do Conselho Tutelar, realizada em 4 de agosto, para candidatos ao cargo de conselheiro tutelar do Município de Içara (SC), o Governo de Içara vem comunicar que a responsabilidade de elaboração, aplicação e correção das provas é do Instituto Barriga Verde (IBAVE),contratado pela Administração Municipal. O contrato 096/2013 foi firmado no dia 18 de maio de 2013, junto ao instituto que é ligado à Universidade Barriga Verde (UNIBAVE), de Orleans.

O Governo Municipal de Içara solicitou esclarecimentos junto ao IBAVE, que informou que qualquer candidato que tenha discordância em relação a alguma das questões elaboradas poderá interpor recurso junto ao Conselho Municipal dos Direitos na Criança e do Adolescente (CMDCA) até 9 de agosto de 2013, às 17 horas, no Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente (CMDCA).

Conforme o IBAVE, é mantido com seus professores um contrato que não permite a cópia de questões de qualquer fonte. Que todas as questões elaboradas por professores contratados pelo IBAVE precisam ter fundamentação técnica, tornando necessário por parte dos professores a utilização de fontes bibliográficas.

Neste sentido, e mediante ao contrato firmado, o Governo de Içara esclarece que tomou as medidas necessárias para qualificar o processo eleitoral, cabendo o IBAVE o comprometimento com a lisura do processo.

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

A 'ESPERTEZA' DA OPOSIÇÃO EM IÇARA

O Tuca Lodetti, militante do PP de Içara, levantou uma questão muito interessante em seu mural do Face: "...você achará 19 das 25 questões da matéria de português da prova que selecionava aqueles que poderiam concorrer ao cargo de Conselheiro Tutelar em Içara. O texto encontra-se postado na internet para qualquer pessoa ter acesso. Absurdo? Infelizmente é Içara! Onde está o zelo com a coisa pública? Com o dinheiro público? Não verificaram a procedência da empresa a ser contratada para realizar o concurso?"

Acontece que a prova tem 100 questões ao todo. E quem passaria num concurso acertando 19 de 100? Como ele faz parte do grupo derrotado na eleição é fácil de entender que precisa se apegar a coisas desse tipo.

Além disso o próprio Tuca dá a saída para a questão quando diz: "O texto encontra-se postado na internet para qualquer pessoa ter acesso." Ora, se todos têm acesso ninguém leva vantagem!!! É ou não é uma coisa gratuita? É bom notar que qualquer cursinho preparatório acerta muito mais que 19 em 100.

Contudo, em havendo irregularidades o Ministério Público deve investigar. Só que este exemplo é de oposição burra, mais que de irregularidades.

Seguem os links:
http://www.professorsabbag.com.br/arquivos/downloads/1362534802947.pdf
http://www.icara.sc.gov.br/arquivosdb/concursos/0.313874001375724090_prova_cmdca.pdf

sexta-feira, 2 de agosto de 2013

A PRISÃO DIVIDIDA

Quando ideologias ou religiões definem o papel de um gênero, em geral o fazem em relação à mulher, manifestam algumas coisas bem interessantes.

Mais que dizerem o que o homem pensa sobre isso colocam em evidência a omissão da mulher, como se ela estivesse calada. E, de fato, supõem-se que esteja calada. Entretanto, o que se vê é que mulheres acabam sendo porta-vozes desses discursos. Estariam passivas ou entenderam que aquilo está correto e serve de parâmetro para TODAS? É possível que as construções sociais que geram tais posições tenham sido edificadas com a participação das mulheres. Ora, se hoje vemos dentre elas defensoras do ''papel da mulher segundo a Bíblia'', por exemplo, é possível que elas também estejam na base disso.

As lutas por liberdades de algumas mulheres trouxeram sempre à tona o desejo de utras tantas mulheres que não queriam essas liberdades. E mais, ensejaram que a maioria estava na arquibancada, vendo o jogo e esperando seu desenrolar.

Não é possível arrazoar pelo certo ou errado dos papeis genericamente. Contudo, vê-se que eles engessam os comportamentos. Ao colocar limites, definir o que pode ou não ser feito, vai ao encontro da acomodação do pensamento. "Para que vou gastar meu tempo pensando sobre o que pode ou não pode se está pronto?'' é mais ou menos o que está nessa relação. Coisa absolutamente comum em todas as relações humanas. Estamos, assim, diante da dificuldade em lidar-se com o novo. Todo e qualquer comportamento que tende a mudar o que está estabelecido gera conflito para a vasta maioria, pois esta maioria busca a linha de conforto, ausência de conflitos etc. É preciso analisar os casos em separado, coisa que não é objetivo agora. O que está em jogo é a impossibilidade de mudança, se é que se faz necessário mudança.

As tantas manifestações ao longo dos últimos 100 anos demonstraram que o que é bom para a mulher divide opiniões até mesmo, e principalmente, entre elas. Em se tratando de construção de cultura é impossível abstrair a mulher como agente, mesmo que passivo, sempre será agente.

A conclusão a que chego é que cada modo de vida não se limita ao desejo de viver em si mesmo de seu agente. Há uma pressão, de todos os lados, para que os diversos ''jeitos'' sejam o jeito do outro também. Está claro que não basta uma mulher ser como quer ser, mas como quer que as demais sejam. Neste sentido as religiões são o maior fomentador, tanto de manter limites, quanto de querer os mesmos limites aos demais.

Porém, nem tudo é permitido ou tacitamente permitido. Os comportamentos sociais levam em consideração a média de pensamento do próprio povo. Daí as diversas culturas que temos.

A dinâmica das relações impõe limites ao mesmo tempo que os expande e nessa briga sempre haverá perdas, danos e avanços.