terça-feira, 30 de maio de 2017

AMA PEDE SOCORRO

Fiquei impressionado com a situação da Associação dos Amigos dos Autistas de Criciúma, que atende crianças da região carbonífera, inclusive da Amesc, pois poderão ser despejados imediatamente de um dos imóveis que utilizam. O outro é doado pelo Rotary. Para amenizar a situação será realizado um jantar dia 14 de Junho, quando esperam arrecadar um mínimo de 40 mil reais. Vamos aos fatos!
Segundo o diretor executivo da AMA, Joelso Scarpari, a entidade está com algo próximo dos 30 mil reais em dívidas, incluindo quase 15 mil reais dos quatro meses de aluguel atrasados.
Sede cedida pelo Rotary na rua Antonio Gabriel Machado, bairro São Cristóvão.
Os pais dos atuais 97 matriculados (42 na fila de espera) contribuem com pífios 200,00 por mês, por ser voluntário. A prefeitura de Criciúma auxiliava com 4,5 mil para o aluguel e o SUS para contratação de pessoal técnico. Mas restam materiais de expediente, limpeza, água, luz, internet e pessoal da administração.
Para complicar a prefeitura bloqueou o repasse iniciado em Abril porque a AMA pagou o aluguel de Fevereiro por causa do Marco Regulatório do governo Federal. Assim, criou-se um impasse e a despesa aumentando. Liguei várias vezes para a secretaria do Sistema Social, sem sucesso.

*Após a publicação deste texto no Facebook um empresário doou o correspondente a um mês de aluguel, o qual foi usado para devolver à prefeitura e normalizar os repasses contratualizados.

quarta-feira, 24 de maio de 2017

EU, ROBO

Tente colocar-se no lugar de um corrupto e imagine quais seriam suas motivações.

Afinal de contas por que alguém corrompe a si e leva outro a fazer o mesmo? Vamos tentar ver as razões e o contexto brasileiro desse câncer nacional:a CORRUPÇÃO.

corrupção
substantivo feminino
  1. 1.
    deterioração, decomposição física de algo; putrefação.

    "c. dos alimentos"
  2. 2.
    modificação, adulteração das características originais de algo.

    "c. de um texto"

TREZE ANOS depois do Mensalão e TRÊS anos de Lava-Jato a corrupção continua franca no país. Que o diga Joesley "Safadão". Cultura? Portugal e Espanha, pais na nossa cultura, superaram essa sanha. Então, qual é o nosso problema? Quem começou isso? Falamos aos quatro ventos que os políticos começaram e esquecemos que eles vieram do povo. Seria o povo brasileiro um ser essencialmente corrupto? Responda você...

Eis que vemos uma Dinamarca, há décadas no topo da lista da ONU sobre corrupção como sendo o país mais honesto e mesmo assim, vez ou outra alguém pisa na bola. Este país nórdico tem carga tributária das mais altas (40%), educação pública (coisa que sou contrário), lojas sem atendimento, onde o cliente deixa o dinheiro do pagamento sem que seja fiscalizado.

De minha parte, sem encerrar o assunto, quero que lembrem-se de que depois da abertura politica da década de 1980, quando vereadores ainda faziam rifas pra juntar fundos de campanha, os pleitos eleitorais tornaram-se cada vez mais caros. Seja honesto consigo mesmo: se você fosse candidato preferirias receber votos apenas por tuas propostas e histórico, ou gastarias com materiais e cabos eleitorais? Pois é, os políticos também não querem gastar, mas têm. Daí vê-se que é o eleitor que acaba exigindo alguma coisa.

Participei de campanhas e ficou claro que um candidato a prefeito que andasse com uns poucos amigos, nenhuma bandeira e demais apetrechos, sem dar gasolina, certamente teria votação de vereador. Contudo, a coisa não se resume em campanhas.

A evidente sanha por dinheiro fácil é recorrente. Veja o sucesso do golpe do bilhete premiado e outros tantos golpes que se sustentam na vontade do dinheiro fácil, do caminho curto, que ouso dizer que corrupção tem múltiplas facetas. Acorrem a estas facilidades os adeptos do marketing multi-nível que agregando outros depois de si passam a ganhar em cima do esforço alheio. Imoral? Pergunte aos tais se acham imoral.

No que tange ao dinheiro público entendo que o que é de todos, a coisa pública, os bens públicos, foi transmudado em "é de ninguém". Esta pequena forma de pensar é uma bela forma de anestesiar a consciência e aterrorizante ao mesmo tempo. O tal corrupto em momento algum para para pensar que seu ato trás prejuízo a quem ama e a todos os cidadãos. O fato de ele proporcionar bem estar aos seus lhe confere legitimação de seu crime. Imagino que seja assim.

Aliado a tudo isso vem o "ele conseguiu e não foi pego...". O exemplo é marcante nesse processo. O medo é um limitador poderoso e sua ausência um liberador igualmente poderoso. Se um tal meteu a mão, não foi pego e tem um estilo de vida atraente eis que o outro entende como possível a si mesmo.

De todos os ingredientes há um pouco lembrado: empresário é bandido. Criou-se no discurso político brasileiro engendrado pela Esquerda e sem oposição até bem pouco tempo, que todo o empresário é ladrão e explorador. Ora, pessoas de bem não seriam empresários, nessa lógica. A exaltação ao empreendedorismo virtuoso e como sinal de virtuosidade resta negado. O que sobra disso senão a busca por meios transversos de enriquecimento. Houvesse em nós o louvor ao empresário como sustentáculo da Nação, certamente teríamos mudança significativa da cultura. Quem não gosta de aplauso? Todos gostamos e acabou por seguir o aplauso ao ter uma carteira assinada ou a um serviço vitalício numa empresa pública ou setor do governo. Quem acorre aos concursos quer servir ou ser servido das benesses da Lei? Nada na cultura, forma de pensar de um povo, está isolado. Tudo e todos interligados. E mais, o trabalhador se sujeita, vejam só, a participar da "bandidagem" ao prestar seu esforço ao bandido empresário! Gente honesta faz isso? Não. Eis a tal a anestesia da consciência.

Paralelo a tudo isso vem a célebre contribuição da legislação. A tal Lei, de tantas que temos, leva à necessidade de superá-la. As Leis ambientais são de tal monta que inviabilizam qualquer empreendimento. Lembram da briga entre shoppings em Criciúma até que o Almeida Júnior levou a parada. O que fizeram durante meses os brigões? Acusaram-se de crimes ambientais. Claro, nenhuma outra forma é melhor pra criar problemas a um empreendimento. Via de regra, ao menos para agilizar e tirar a bunda de alguém de cima dos documentos, rola um jabá coroando o servidor público que fará a coisa andar. Quanto mais leis, mais corrupção.

Enfim, sigamos na busca de diminuição do poder do Estado para que volte ao povo. Pena não estarmos à altura disso.

segunda-feira, 22 de maio de 2017

DEUS HUMANO

Imagino (só imagino porque não sei) que Deus (prefiro Criador) não tenha problema algum com a zoeira. Afinal é o Todo-Poderoso e nada deveria atingi-lo. Achar que Deus se incomoda com alguma coisa é diminuí-lo à condição de humano.

Chantico é deusa Asteca do fogo doméstico, do "calor dos corações" e dos vulcões.
Penso cá comigo que, por existirem tantos deuses, ele não se importa quem ou o que elegemos como deidade. Ou, não faz diferença ter concorrência na atenção humana que deveria ser só dele. Por isso sequer precisa ser lembrado, já que não faz qualquer diferença por se bastar em si mesmo. Adoto essa expressão de bastar-se em si mesmo como síntese de alguém cuja existência vem de si e de nada mais depende. No momento em que admito que Ele possa depender de algo deixa de ser o Todo e passa a ser uma parte. Querer ser lembrado e cultuado é uma forma explícita de carência. Diriam os crentes que quem precisa disso somos nós. Como, se cada cultura elegeu seu Deus? Ora, houvesse mesmo necessidade o culto seria apenas para o verdadeiro. No máximo posso pensar que precisamos da ''ideia de um deus'', não do Deus em si.

Jesus, com cara de europeu, traduz a identidade que católicos buscaram com seu ''salvador''.
O culto é, na minha humilde visão, uma redução do Criador para guindar o ser humano a uma importância que não tem. Como somos carentes de pedestais! Somos um ser entre zilhões de seres que não cultuam, não oram, não sabem ler um tal livro sagrado e continuam sendo criaturas do Criador. Se o sentido da vida é dado pela relação com Deus, as demais criaturas foram feitas por Ele para absolutamente nada. Que relação com o divino tem uma lesma? Neste particular, o de sermos criaturas, os cristão admitem que ao nos encontrarmos com Jesus nos tornamos filhos. E, na condição de filhos, passamos a ter um relacionamento com Ele a ponto de nos salvarmos do Inferno e provarmos da bênção da salvação. Tolice, toda essa engenhoca existencial diminui Deus à quase nada, como é a mente humana. Ora, que necessidade haveria de ter o Todo em condenar seres como nós, que andamos às cegas? Nenhuma! A condição de filhos não muda nossa mente que seguirá à mercê da cultura e informações disponibilizadas por nós mesmos, cada um em sua cultura, tempo, idade, gênero, educação...

Hórus, deus egício, também nasceu homem, foi morto e ressuscitou ao terceiro dia.
Ou esses crentelhos admitem o óbvio: que Deus não pode ser cultuado e muito menos obedecido, dado de nada necessitar, ou continuarão a vagar no mesmo vazio de qualquer ideia que possamos ter sobre nós mesmos. O culto só remete ao fato de precisarmos nos elevar acima dos demais (o meu deus é melhor que o teu!) e gerar a sensação de vida após esta vida, de imortalidade. No fundo, é o medo da morte que gera tudo isso.

Qualquer coisa que possamos pensar sobre Ele é obsceno, é limitado e de forma alguma o definiríamos. E mesmo assim homens ao longo do tempo ousaram falar o que ele seja e o que quer. Nem querer Ele pode porque querer é a ausência da coisa desejada. A menos que admitam que Deus tenha necessidades... Pode ser, afinal, o constituíram à nossa imagem e semelhança.

Voltando ao início. Posso zoar Deus sem medo de punição, pois um ser que se deixa ofender, como nós, pode ser atingido e atingido no que há de mais humano: o Ego.

domingo, 14 de maio de 2017

A PROVA QUE OS LULISTAS QUEREM

Houve uma época na legislação brasileira que a confissão bastava para condenar um criminoso. Então, para mostrar sucesso, policiais arrancavam confissões sob tortura. Certamente acertaram em muitos momentos. Hoje não há mais hierarquia entre as provas e caberá ao juiz optar pelo valor do que testemunhas falam, documentos, áudios, vídeos, postagens em rede social, enfim, uma ampla gama de fontes. Elas são igualmente aceitáveis nos nossos tribunais.

Dentre as SETE acusações que pensam sobre o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva está o recebimento de um triplex em Guarujá, litoral paulista. E qual é o crime? A não declaração do bem (ou, na realidade, para ocultar a origem do bem) e por ser fruto de pagamento de propina. Daí, eis que petistas e lulistas em geral berram aos quatro ventos que não há provas contra ele. E o quê considerariam provas? Documentos assinados. Como, por Thor, alguém assinaria um documento de algo que quer ocultar? Os seguidores de Lula não aceitam a prova testemunhal. Então vamos a alguns fatos arrolados na história, os quais já mencionei em postagens no Facebook.

Médici, tido como o mais duro dos presidentes do Regime Militar
Se a questão é ter documentos, resta esperarmos que apareça algum que prove que os presidentes militares do Regime mandaram torturar. Até mesmo de que houve torturas. A única fonte é o testemunho dos próprios bandidos que atuavam contra a Nação à época. Não excluo a tortura daquele período porque é recorrente entre policiais ainda hoje, o que não é necessariamente uma ordem de governo. Vi um Policial Militar bater forte em bandido numa salinha de delegacia. Eu o aplaudi porque meu filho caçula era a vítima. Queria eu ter dado umas porradas naquele nojento. Mas o fato, diante dos argumentos petistas, é que não há de Lula nenhum papel que o incrimine no caso do triplex. Muito circunstancial, não acham?

Resta o testemunho de Léo Pinheiro, ex-presidente da OAS, dona do apartamento. E somado a outros na mesma direção. Um executivo desse naipe não correria o risco de mentir diante de um juiz federal numa delação premiada que só será boa para si se for verdadeira.

Contudo, e apesar de tudo, os petistas aplaudem testemunhos orais contra os generais, acusando-os de tortura.

Bruno Fernandes foi condenado por crime triplamente qualificado
Outro exemplo da falta de documentos, arma e o próprio corpo da vítima, é do goleiro Bruno. O que há contra ele? Apenas testemunhos. Alguém duvida de sua culpa? Este rapaz foi condenado como mandante, não como assassino. Mas é tratado como assassino!

Os petistas aplaudem testemunhos orais contra o goleiro Bruno.

Não é uma questão de dois pesos e duas medidas, como se vê quando o Zé Abreu cospe numa mulher e as feministas dessa odiosa Esquerda se calam. É a mais absoluta conveniência cobrar no caso de Lula o que não precisa cobrar quando não lhes interessa ou que interessa diante dos seus inimigos.

Os lulistas não nos enganam mais! Mas são enganados por Lula e seu incrível testemunho diante de Sérgio Moro ao jogar tudo para a falecida Marisa Letícia.

terça-feira, 9 de maio de 2017

AOS MESTRES COM CARINHO

Professores são, invariavelmente, pessoas que nos fizeram bem, mesmo os ruins. Contudo, o quê se vê escrito para e sobre professores é, basicamente, vindo de professores. A gestão da Educação, das escolas e dos Programas, são todos feitos por professores. Não bastasse o ''espírito de grupo'' que predomina, o corporativismo exacerbado, poucos ousam contrapô-los. São quase deificados. Sem me opor de forma genérica à louvação recorrente quero fazer algumas observações noutra linha em nome da diversidade de ângulos que tudo nos sugere.

Dizem dos professores serem o esteio da Nação, de qualquer nação. Seria isso se não fossem parte da cultura. Estão inseridos na sociedade e a refletem. Não são um grupo à parte. Em geral colocam-se como heróis pela carga de trabalho, curso de aperfeiçoamento, correção de provas em casa, conflitos com o corpo discente e pais, afora as brigas com o governo. Daí a ironia: são tão elevados que não ousam em outras atividades, outras profissões. Há os que se enterram na sala de aula mesmo a detestando.

Diante de tamanha diferenciação que fazem de si mesmos os de fora não os podem criticar, apenas elogiá-los e apoiá-los. Não aceitam questionamentos sob o argumento de que só eles sabem o que passam. Ora, só o servente de pedreiro sabe o que passa; só o motorista de ônibus sabe o que passa; só o mecânico sabe o que passa. Cada um sabe o que passa e os demais não têm, por óbvio, como saber. Diante disso restam duas observações: primeiro que os professores criticam demais profissionais e, segundo, podemos discutir os efeitos do trabalho dos professores. Sim, um professor não deixará de reivindicar que o médico de seu filho dê atendimento de excelência a despeito de que só o médico sabe o que passa. Da mesma forma nós, os de fora, podemos cobrar que exerçam suas profissões com maestria a despeito de não sabermos o que passam. Por fim, que diferença faz sabermos ou não o quê passam em seu dia-a-dia se não podermos influenciar?

Tendo atuado como jornalista e atualmente como prestador de serviços em redes sociais e blogueiro, sou alvo de críticas, tenho que conviver com isso e ter o foco em sempre melhorar como profissional. Afinal, meus clientes não querem saber em que condições trabalho, senão que recebam pelo que pagam!

Mas afinal de contas o que eu, um de fora, posso falar aos professores?

Que o seu corporativismo é prejudicial a vocês mesmos. Anula os bons e privilegia os ruins. O corporativismo é uma doença que massacra a independência do pensamento, ápice dessa profissão.

Não percam o ambiente do contraditório. Se pais têm alguma dificuldade com a variedade de assuntos do mundo, os professores, por ofício, não. É da natureza do ensinar a exaltação da diversidade de pensamento. Você é professor de Matemática? tenha apreço pela História. És professor de História, valorize a Matemática do cotidiano. Enfim, um professor que não vibra com o conhecimento está atrapalhando seus alunos.

Não curvem-se aos políticos para arranjarem uma teta na Secretaria de Estado da Educação. Isso é ultrajante, é vergonhoso, é deprimente, é o fim decrépito da faculdade feita com esforço. Curvar-se aos políticos é um ato de mediocridade!

Decidiste ser professor? Aceite os prós e contras da profissão. Não entraste nela enganado. Sabias da realidade. Sabias do salário. Sabias como é a estrutura.

Professor é mal pago? Não ignoremos o fato de que não produz conhecimento, com raras exceções. Apenas o repassa. A produção de conhecimento, a que move a sociedade e a vida, está solta, não sendo cativa de nenhum grupo. Além disso, o ato de ensinar não lhes pertence.

Para finalizar. O resultado do trabalho dos professores tem sido péssimo, haja visto como saem os estudantes das escolas: um bando de ignorantes. Se avaliamos um produto pelo bem que nos faz, é certo que os professores devam ser analisados pelos resultados de seus trabalhos. Há algo muito errado e é sobre eles que recai a responsabilidade.

quinta-feira, 4 de maio de 2017

GENERAL AUGUSTO HELENO CRITICA STF

Ex-comandante na Amazônia e das tropas brasileiras da ONU no Haiti, o general da reserva Augusto Heleno, respeitadíssimo entre militares e também entre muitos civis que, como eu, o acompanha, divulgou texto contra a soltura de presos condenados pela Lava Jato.

"Transmitem à Nação uma lamentável insegurança jurídica"

Segue a íntegra:
Será que os doutos Ministros do STF avaliam o mal que têm causado ao país? Ou o Olimpo em que vivem os afasta totalmente da consciência nacional? Façam uma pesquisa para avaliar o que a população honesta pensa, hoje, da instituição em que militam. Vossas Exas votam calcados em saber jurídico? Não parece. Para a imensa maioria, fingem fazê-lo. Em votos prolixos e tardios, dão vazão a imensuráveis vaidades, a desavenças pessoais e a discutíveis convicções ideológicas. Hoje, transmitem à Nação , alarmada pela criminalidade e corrupção que se alastram, uma lamentável insegurança jurídica e uma frustrante certeza da impunidade. Passam a sensação de que o Brasil, com esse Tribunal, não tem nenhuma chance de sair do buraco; e colocam em sério risco nossa combalida e vilipendiada “democracia”. Sabemos que são professores de Deus e lhes pedimos,apenas, que desçam do pedestal e coloquem o Brasil acima de tudo.
Gen Ref Augusto Heleno Pereira