terça-feira, 20 de maio de 2014

AO CAPITÃO PM MATA

O relato que segue é do delegado Fernando Santiago, publicado em 12 de maio, em sua página do Facebook, que você poderá acessar AQUI.

Capitão Mata deixa mulher, três filhos e um enteado.

Na noite de ontem, foi assassinado o Capitão Mata, que por muito tempo comandou a PM na região em que eu exerço minha função de Delegado de Polícia, o Bairro dos Pimentas em Guarulhos. Antes de mais nada, quero deixar claro que, não existe aqui nenhum oportunismo, sensacionalismo ou demagogia.

Eu conhecia o cara, apesar de não sermos grandes amigos, nos encontramos algumas vezes, oportunidades em que ele era sempre polido, aprazível e respeitador. Era o típico "gente boa". As vezes, estrelas (Oficiais) e majuras (Delegados) não se dão tão bem, afinal, existem algumas divergências entre as Polícias estaduais, mas não era nosso caso. Capitão Mata era policial como eu, era natural do RJ como eu e se mudou para outro Estado como eu.

Capitão Mata não tinha algumas características que fizessem sua morte merecer a devida atenção. Mata era branco e sua morte não interessou a movimentos que lutam por igualdade racial. Mata era heterossexual e sua morte não interessou a movimentos que lutam por direitos de homossexuais. Mata não era bandido e sua morte não recebeu interesse algum de qualquer representante de grupos que lutam por direitos humanos. Mata não morava em favela ou periferia e sua morte não recebeu interesse de qualquer sociólogo, artistas oportunistas ou "Reginas Cazés" da vida. Mata não pertencia a qualquer minoria, portanto, não mereceu interesse de ninguém que não fosse os seus próximos. Como se isso não se bastasse, ainda era policial (e seus colegas de caserna não atearam fogo em ônibus).

Policial, mais um motivo para ninguém lamentar sua morte, afinal de contas, a policial militar Fabiana Aparecida, morta covardemente em uma UPP no RJ, era mulher e sua morte não interessou a grupos feministas, era negra e sua morte não interessou a grupos de defesa da igualdade racial, e tinha vida humilde, mas não mereceu atenção de qualquer sociólogo que luta pelo fim de classes sociais. Fabiana, assim como Mata, também era humana, e assim como no caso de Mata, sua morte não mereceu, novamente, qualquer interesse de grupos de defesas de direitos humanos. 
O mesmo aconteceu com o perito de Osasco, Nicolau Constantini, e meus queridos amigos e colegas de Academia de Policia, Dr. Leonardo Mendonça e Dra.Denise Quiroga, ambos mortos em serviço.

O que se vê é que, mesmo para grupos de que militam em defesa aos direitos humanos, uns humanos valem mais que outros. E o pior é a escolha dos critérios que determinam o valor de cada um. No caso de policiais, percebe-se claramente que, muitas vezes suas mortes merecem valor menor que a morte de um integrante de minorias, ou até mesmo de um criminoso, e outras vezes, não merece valor algum. Ninguém merece ser assassinado, nem negros e nem brancos; nem ricos e nem pobres; nem homossexuais e nem heterosexuais; e, finalmente, nem bandidos e nem policiais.

Mas por que a morte de DGs e Amarildos merecem mais atenção que a morte de um policial? Fala-se pouco que as chances de um policial ser morto, segundo estatísticas, é três vezes maior que a de outras pessoas, mas fala-se muito que as chances de um jovem de periferia ser morto é maior que a de outros jovens.

Capitão Mata é mais um nome em lápide esquecido. É mais uma pessoa que escolhe o duro ofício de proteger a sociedade de criminosos e paga com a vida o preço dessa escolha, sem merecer atenção à altura da morte daqueles que ele combateu.

Capitão Mata deixa mulher, três filhos e um enteado. Todos igualmente esquecidos por aqueles que estão fora do meio do Capitão.

Nenhum comentário:

Postar um comentário