segunda-feira, 17 de julho de 2017

A FÉ MORTA

"Assim também a fé, se não tiver as obras, é morta em si mesma." Tiago 2:17

Então não basta crer? Não. É preciso que haja uma prática, uma manifestação visível da coisa crida. No texto do apóstolo Tiago há exemplos do que seria essa prática. Começa com não fazer acepção de pessoas, entre pobres e ricos. Porém, há uma evidente exaltação do pobre, como se pobreza colocasse alguém em vantagem diante de Deus. No texto o rico é opressor e nada há da tal classe média. Evidente que reflete um estado de coisas da época. Assim, o apóstolo desconhece qualquer noção de quem oprime quem em nossos dias, isso graças ao Espírito Santo não o revelar. Escreve o que vê, sem inspiração divina alguma, deixando-nos à mercê das malditas interpretações. Segue o trecho:
Porventura não escolheu Deus aos pobres deste mundo para serem ricos na fé, e herdeiros do reino que prometeu aos que o amam? Mas vós desonrastes o pobre. Porventura não vos oprimem os ricos, e não vos arrastam aos tribunais? Porventura não blasfemam eles o bom nome que sobre vós foi invocado? Tiago 2:5-7
Em seguida, outro exemplo que remete ao auxílio aos pobres. Contudo, quem ajuda a quem? Ao mesmo tempo que exalta o pobre coloca contra a parede aquele que tem como ajudar. Para eu praticar minha fé tenho que ter mais que o pobre, do contrário como praticarei essa tal fé? Fica a dúvida: se estou carente de ajuda minha fé é morta?
Meus irmãos, que aproveita se alguém disser que tem fé, e não tiver as obras? Porventura a fé pode salvá-lo? E, se o irmão ou a irmã estiverem nus, e tiverem falta de mantimento quotidiano, E algum de vós lhes disser: Ide em paz, aquentai-vos, e fartai-vos; e não lhes derdes as coisas necessárias para o corpo, que proveito virá daí? Tiago 2:14-16
Outro exemplo de fé e sua prática. A obra, neste caso, pode ser entendida como abri-mão de seu maior bem, de fazer um grande sacrifício. Mas, Abraão seria renegado se se recusasse em não arriscar a vida de seu próprio filho? Não saberemos. O que se vê hoje é filho vindo antes de Deus, antes da fé. Mas, calma, isso depende de Deus exigir de ti tal prova. Do contrário siga sem provar sua fé.
Porventura o nosso pai Abraão não foi justificado pelas obras, quando ofereceu sobre o altar o seu filho Isaque? Bem vês que a fé cooperou com as suas obras, e que pelas obras a fé foi aperfeiçoada. E cumpriu-se a Escritura, que diz: E creu Abraão em Deus, e foi-lhe isso imputado como justiça, e foi chamado o amigo de Deus. Vedes então que o homem é justificado pelas obras, e não somente pela fé. Tiago 2:21-24
Por fim, Tiago cita uma prostituta. Interessante, neste caso, é que ela enganou, mentiu, ludibriou e traiu ao seu povo para salvar a si mesma. Ah, mas os emissários eram de Deus... Diriam! Ora, se fossem não precisariam de ajuda humana, tampouco ela agiu apenas por crer. Agiu para livrar a si e a seus familiares da iminente morte. Ela não fez o que fez apenas pelo discurso, mas porque havia um exército lá fora a ameaçar toda a cidade.
E de igual modo Raabe, a meretriz, não foi também justificada pelas obras, quando recolheu os emissários, e os despediu por outro caminho? Tiago 2:25
Conclusão

Nesse trecho do Novo Testamento vimos que não basta crer, ainda que o bandido na cruz, ao lado de Jesus, não tenha praticado nada, nem a reparação dos males cometidos à gentes inocentes. Para o apóstolo Tiago a fé se manifesta através de exaltarmos o pobre e oprimirmos o rico, travestidos de não fazermos acepção de pessoas; se manifesta em ser rico para ajudar o pobre e que o pobre não terá como mostrar obras de fé porque precisa da ajuda do rico opressor; se manifesta em fazer alguma coisa que qualquer pai, consciente de seu dever, jamais faria; e, por fim, se manifesta em cometer o crime de mandar gente inocente para a morte para tirar o seu briobo da reta, desde que seja em nome desse Deus.

Nenhum comentário:

Postar um comentário