sábado, 16 de agosto de 2014

DÁDIVA DIVINA?

Supondo que estarias num mundo etéreo antes de vir para cá, dada a opção de vir (estarias consciente), virias? Com este mundo incerto e agressivo? E escolherias nascer numa tribo faminta, ou numa área de conflitos étnicos e religiosos?

Deveras, dizer que a vida, esta vida biológica, é uma dádiva divina, me parece coisa de românticos desprovidos de uma boa dose de sinceridade para consigo. Eis que não agradeço estar aqui. Preso pelo instinto de sobrevivência e autopreservação, luto para dar alegrias a mim mesmo e usufruir das alegrias dos que me cercam.

Em havendo uma tal "dádiva divina", é seletiva. Algo que não combina com uma ''vontade superior''. Entendendo-se ''superior'' como elevado, acima, melhor, misericordioso e amantíssimo.

Dádiva divina está mais para presente de gregos para troianos...

Contudo, que diferença faz pensar isso? Bem pouca. Talvez diminuísse o afluxo às igrejas, ou aumentaria o número de pessoas praticando esportes ao invés de chorarem copiosamente por milagres que nunca chegarão. Quiçá a morte fosse mais ''aceitável"!

Não sei que mundo seria esse, onde Deus fosse mais real e menos divinizado. Não sei, talvez pior, talvez melhor. A única certeza é a de que seria diferente.

Nenhum comentário:

Postar um comentário