segunda-feira, 8 de abril de 2013

O EXEMPLO DA PASTORA ANA LUZ

A viagem da pastora luterana Ana Luz para a cordilheira do Himalia pra ficar de frente com o Everest (ponto mais alto da Terra) e protestar, ou fomentar a consciência, contra o tráfico de pessoas é emblemático. Trata-se de uma manifestação que enseja algumas leituras a partir do que ela mesma disse em entrevista para a TV.

Para legitimar a iniciativa é preciso dar autoridade. E, como pastora que apresenta-se como porta-voz de Altíssimo, confere a autoria da ideia ao próprio Deus. Ele motivou a ela e mais 40 pessoas para mostrarem ao mundo que tráfico de pessoas é errado. A partir disso fiquei pensando em alguns pontos. Primeiro, Deus teria acesso às mentes dessas pessoas e não à mente dos traficantes. Ou, como os cristãos preferem dizer, os criminosos não ''ouvem'' o que Ele diz. Ora, se não O ouvem por que ouviriam esses religiosos? Se não O ouvem é porque suas mentes têm mais poder que o próprio Deus. Você consegue supor uma barreira intransponível para Deus? Que ''tamanho'' tem esse Deus que não consegue ser ouvido?

Segundo, me ocorre que a demanda é tida como crime em qualquer cultura. Seria necessário essas pessoas deflagarem uma campanha para que pessoas que não ouvem a Deus mudarem seus comportamentos? É bom lembrar que a Bíblia não se posiciona contrária à escravidão. Sim, o livro sagrado dos cristãos não classifica o tráfico de pessoas (escravidão) como algo errado. Muito mais razoável que as autoridades ampliassem suas atuações, a exemplo do que já faz a Interpol, FBI e Polícia Federal do Brasil.

Terceiro, por que esse Deus pensaria que a voz de seus seguidores seria mais eficaz e eficiente que a Sua própria? Por que terceirizar sua mensagem e vontade Lhe parece melhor? Por que Ele precisa motivar pessoas a fazerem coisas que só seriam conhecidas por que o homem inventou mídias de massa? Há milhares de anos esse crime é cometido e Ele acha que agora chegou o momento de dar fim ao problema?

O que se vê é a Justiça divina não ser atuante o suficiente para meter medo nos marginais. Ora, se essa Justiça não atua, vidas e mais vidas são destruídas pelos crimes. Mulheres que são prostituídas à força não terão suas vidas de volta. Se sobreviverem a alguns anos de escravidão ultrajante levarão marcas profundas pelo resto de seus dias. Não seria muito mais divino que a cada mulher sequestrada Deus revelasse aos seguidores onde ela está? Óbvio que seria. Todos os domingos a pastora sobre no púlpito e entrega uma mensagem de Deus para os membros de sua igreja e em nenhum momento ''recebeu'' o nome e endereço de uma mulher vitimada por estes criminosos. Este seu Deus lhe fala pra subir uma montanha e não dá o endereço do cativeiro de uma única mulher. Se eu fosse membro dessa igreja já teria confrontado-a.

Não consigo ver que Deus tenha qualquer interesse nisso. Sua omissão para com esse e outros tantos crimes é horrenda. Se há um cara com totais condições de eliminar o mal é Deus. Mas dizem que ele respeita o livre arbítrio dos humanos e não interfere nos desejos de quem quer que seja. Interessante isso. Se respeita o desejo de todos por que motivaria alguns a serem contra isso? Sua mensagem seria a mesma: "deixem que depois me acerto com eles". Isso é óbvio.

Esses delírios cristãos são uma afronta à capacidade de pensar!

Nenhum comentário:

Postar um comentário